Um ano depois, 4% das mortes têm julgamentos concluídos na Bahia