Entretenimento

Aos 10 anos, filha de ator Alan Miranda é vítima de injúria racial na escola em Salvador

A filha do ator Alan Miranda, a também atriz Eloá Miranda, 10 anos, foi vítima de injúria racial na escola em que estuda, na tarde desta quarta-feira (4). Segundo o pai da menina, essa foi a terceira vez que colegas de turma fizeram comentários pejorativos sobre o cabelo dela. Eloá é a única menina da sala que usa o penteado black. 
 
Durante o recreio desta quarta-feira um dos estudantes perguntou se a menina não usava shampoo no cabelo, uma pergunta simples, se não fosse feita de forma ofensiva. "Quando fui buscá-la na escola, ela estava sentada no canto da sala, chorando. Perguntei o que aconteceu, mas ela não quis falar. Quando chegamos em casa, ela contou para a mãe e depois as duas falaram comigo", contou o ator.
Segundo ele, a secretária municipal de Reparação Social, Ivete Sacramento, entrou em contato para agendar uma reunião para essa sexta-feira (6). Alan Miranda integra o elenco do canal de humor baiano Mais Um Filmes, que publica vídeos de curta-metragem no youtube. O ator fez um desabafo em sua página no facebook, contando o que aconteceu (veja comentário na íntegra logo abaixo).
 
Segundo ele, a inciativa foi da menina. "Ela pediu para eu escrever e depois ficou acompanhando os comentários. Graças a Deus, recebemos muitas mensagens de apoio. Hoje, ela foi para a escola feliz", disse. Esse é o primeiro ano em que a atriz mirim estuda na escola onde sofreu as agressões, uma instituição particular cujo nome não foi divulgado. Alan Miranda disse que vai à escola nesta quinta-feira (5).
 
Ele acredita que o menino que praticou a injuria racial não tinha consciência do que estava fazendo. "Ofender pessoas que têm cabelo crespo é algo considerado normal na nossa sociedade. Ele (agressor) estava reproduzindo um discurso secular. Não quero vitimizar a minha filha, nem apontar culpados. O que precisamos é enfrentar esse discurso, mudar esse pensamento", disse.
 
Discutir o assunto
Eloá começou a usar o penteado black tem cerca de um ano. Até os oito, ela relaxava o cabelo, depois passou a alisar os fios, até que os pais resolveram discutir o assunto. "Mostramos fotos de mulheres negras empoderadas, com os cabelos lindos e ela começou a se interessar pelo assunto. Com nove anos ela fez a experiência de usar o black e gostou do resultado", afirmou Alan.
 
Para a antropóloga Naira Gomes, 29, discutir o assunto em casa é essencial para enfrentar o preconceito. "A infância é um momento em que estamos mais vulneráveis, é o momento da construção do nosso Eu. Por isso o racismo nessa idade é tão mais nocivo, porque ele nos desumaniza, tanto na nossa estética, como nas nossas conjecturas intelectuais e nas nossas dores. Os efeitos são a curto e longo prazo. Precisamos discutir isso em casa, desconstruir esse discurso", afirmou.
 
Veja o comentário de Alan Miranda na Íntegra:
Hoje, minha filha chegou chorando da escola. Um colega de sala perguntou se ela usa shampoo no cabelo, de forma pejorativa. Não é a primeira vez. A luta é grande, nessa Roma negra, onde 81% das pessoas têm o cabelo igual ao dela, mas ainda são ridicularizadas por serem o que são. E entre elas mesmas. Uma crise de representatividade secular que repercute no horário de recreio de minha rebenta e de tantas outras crianças. Alguém pode me dizer o que há de errado nessa mistura, o que há de feio neste cabelo? Amanhã iremos na escola formalizar uma queixa deste evento – que repete-se pela terceira vez. Estou postando a pedido dela, para dizer para o mundo que, sim, o cabelo dela é duro, sim! Ela é linda, sim! e que precisamos, sim, conversar com nossos filhos brancos, pretos e mestiços, que nós somos diferentes, que é isso que nos faz brasileiros, e que temos o mesmos direitos sobre o sol. E vamos nos ver e nos representar, se não na TV, aos menos nas redes sociais, para evitar, cada vez mais, sermos vistos apenas como o não-modelo, como o subalterno, como o feio.

Categorias

Notícias




Classificados


Enquete



Mais Lidas