Esportes

Carpegiani nega relaxamento de atletas após permanência na Série A: ‘Bahia é grande’

O técnico Paulo Cézar Carpegiani lamentou que a derrota do Bahia por 1 a 0 para a Chapecoense, frustrou os planos da equipe de conquistar uma vaga na Libertadores do próximo ano. As duas equipes se enfrentaram neste domingo (26), na Arena Fonte Nova, em Salvador, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.

 

O comandante rechaçou a ideia de que ao garantir a permanência na Série A, o time se acomodou. Para ele, os atletas devem pensar grande, devido à grandeza do Esquadrão de Aço. "Eu cobro muito deles (jogadores) e quero que eles pensem grande, porque o Bahia é grande. Quero que eles pensem de acordo com a grandeza do Bahia.

 

"Não podemos nos contentar em ter conseguido uma (vaga na) Copa Sul-Americana, mas a meta é sempre maior. Não é porque conseguimos fugir, lá atrás, do rebaixamento. É uma mera coincidência, quero acreditar que é isso. Nós temos a obrigação de pensar sempre grande devido a grandeza do Bahia", declarou. O Bahia estacionou nos 49 pontos, caindo para a 11ª posição. O Vasco, que é o sétimo e último do grupo que garante vaga na Libertadores, tem 53.

 

Para ir à maior competição de clubes da América do Sul, o Grêmio precisa ser campeão da edição deste ano e o Flamengo conquistar a Sul-Americana, para abrir mais duas vagas no Brasileirão. O Tricolor tem dois pontos a menos do que a Chapecoense que é o nono colocado. Apesar da derrota, Carpegiani ainda afirmou que o time não deve abaixar a cabeça e pediu desculpas à torcida pelo resultado negativo.

 

"Não quero ver ninguém de cabeça baixa. Pedimos desculpas à torcida, porque tivemos duas oportunidades. Uma foi no jogo contra o Sport, sem querer desmerecer, mas foi um jogo atípico totalmente das nossas atuações. Hoje não, com o apoio da nossa torcida, fizemos um bom segundo tempo, criamos oportunidades e na hora de fazermos os gols, tivemos dificuldades.", disse. "Perdemos para uma equipe muito bem monta, e bem fechada", completou.

 

Carpé também explicou por que optou por começar a partida com o meia Vinicius no time titular, deixando o volante Edson no banco de reservas. "Quando se enfrenta uma equipe bem definida, bem postada atrás, propícia e muito rápida no contra-ataque, você precisa de jogadores mais técnicos, que teriam a possibilidade de manejar essa bola, trabalhar com mais serenidade para chegar ao gol. Optei ao invés de um volante, por um meia mais agudo, mas as coisas não fluíram", justificou.

 

Na última rodada do Brasileirão, o Bahia vai enfrentar o São Paulo, no estádio do Morumbi, na capital paulista. A partida acontecerá no próximo domingo (3), às 16h no horário de Salvador.


Categorias

Bahia




Classificados


Enquete



Mais Lidas