Esportes

Brasil é um dos menos catimbeiros da Copa, aponta levantamento; Veja!

O FiveThirtyEight, site especializado em análise de dados e previsão de resultados, fez um levantamento de quanto tempo cada seleção gasta para atividades como tiro de meta e substituições quando está à frente no placar – a popular "cera". E resultado é surpreendente para aqueles que apontam o Brasil como o mais catimbeiro.

 

De acordo com o levantamento, a seleção de Tite chega a ser até mais rápida quando está em vantagem, com média de dois segundos a menos nas cinco situações de jogo analisadas: escanteios, faltas, tiros de meta, substituições e arremessos laterais. O time que apresentou maior variação de tempo nessas situações foi o Peru.

 

Seis segundos a mais para cada uma delas, lembrando que a seleção peruana só esteve em vantagem diante da Austrália, na última rodada da fase de grupos. A surpresa vem a seguir: quatro seleções europeias fecham o "top 5". Sérvia (5,7 segundos a mais nessas atividades), Suécia (5,7seg), França (5,6seg) e Inglaterra (4seg) estão entre as equipes que mais fizeram "cera", de acordo com o levantamento do site americano segundo o Globoesporte.

 

"À medida em que analisamos os dados e mapeamos cada paralisação do jogo na Copa, pudemos ver claramente algumas tendências. O time que está vantagem leva mais tempo para desempenhar até a mais simples das tarefas, como um tiro de meta", diz o texto assinado pelo jornalista David Bunnell. O México aparece em sétimo no ranking, atrás do Senegal.

 

No jogo que resultou na eliminação dos mexicanos, nas oitavas de final, o técnico Juan Carlos Osorio reclamou muito do "tempo gasto com um único jogador" do Brasil, numa referência clara a Neymar. Mas houve também reclamação de uma seleção sul-americana (a Colômbia) contra uma europeia (a Inglaterra).

Jogadores do México e técnico Juan Carlos Osorio reclamam da arbitragem em jogo contra o Brasil. Levantamento mostra que mexicanos fizeram mais cera do que a seleção brasileira na Copa (Foto: Reuters)

O time colombiano reclamou muito da cera dos ingleses na etapa final do tempo normal do duelo válido pelas oitavas de final, na última terça-feira. E que o jornal The Times, um dos mais conceituados do Reino Unido, viu isso como algo positivo, destacando que a Inglaterra "aprendeu a ser malandra".

Inglaterra, de Trippier, fez mais cera do que a Colômbia de Falcao García, segundo levantamento de site americano (Foto: John Sibley / Reutres)

O quadro abaixo, produzido pelo FiveThirtyEight, mostra (em inglês), a variação do "tempo gasto" ("time-wasting") por cada país ("country") em vantagem nos escanteios ("corners"), faltas ("free kicks"), tiros de meta ("goal kicks"), substituições ("subs"), arremessos laterais ("throw-ins") e a variação total em relação à média ("total average time above below all team average").

 

Note que Japão, Brasil e Polônia (em rosa) chegam a ser mais rápidos do que a média, mesmo quando estão vencendo. A tabela acima não mostra todas as seleções porque, claro, nem todas estiveram em vantagem no placar durante a Copa. Outras, como Alemanha (que liderou um jogo apenas nos dois minutos seguintes ao gol de Kroos contra a Suécia) e Colômbia, não apresentaram alterações significativas.

Levantamento do site FiveThirtyEight mostra variação do tempo gasto em cinco diferentes situações de jogo por cada seleção quando está em vantagem (Foto: Reprodução / FiveThirtyEight.com)

Dentre os lances de maior "cera" destacados na matéria estão um arremesso lateral no jogo entre Irã e Espanha, quando o placar ainda mostrava 0 a 0 no fim do primeiro tempo – o zagueiro Ehsan Hajsafi levou 48 segundos para recolocar a bola em jogo. O campeão, porém, foi o goleiro Mathlouthi, da Tunísia, que levou 103 segundos para cobrar um tiro de meta quando seu time vencia o Panamá por 2 a 1 (e as duas seleções já estavam eliminadas).


Categorias

Copa do Mundo




Classificados


Enquete



Mais Lidas