Notícias

Saúde

Saúde

24 de Abr // | Saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta para o aumento de casos de hepatites virais em todo o mundo. A estimativa da entidade é que 325 milhões de pessoas no planeta vivam com um quadro crônico de infecção viral por hepatite B ou hepatite C. A maioria dos pacientes não têm acesso a exames de diagnóstico e, portanto, não têm tratamento.

 

"Como resultado, milhões de pessoas estão sob risco de uma progressão lenta para um quadro de doença crônica do fígado, câncer e morte", destacou a OMS. A diretora-geral da entidade, Margaret Chan, afirmou que a hepatite viral hoje é reconhecida como um grande desafio de saúde pública, que exige uma resposta imediata por parte dos países-membros.

 

"Vacinas e medicamentos para combater a hepatite existem e a OMS está empenhada em ajudar a garantir que essas estratégias cheguem a todos aqueles que precisam". Segundo a Agência Brasil, dados da instituição mostram que as hepatites foram responsáveis pela morte de 1,34 milhão de pessoas em 2015. O número é comparável ao total de mortes provocadas por tuberculose e pelo vírus HIV.

Saúde

23 de Abr // Gildásio Cavalcante | Saúde

As doenças respiratórias são as principais vilãs da população no outono e costumam aumentar 40% durante a estação, de acordo com estatísticas da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF).

 

A chegada da estação traz variações de temperatura e transição do clima, o que impacta diretamente no organismo. E o sistema respiratório é um dos que mais sofre com tais alterações. A causa disto tem a ver com a umidade do ar: no frio, o ar fica mais seco, concentrando mais poluentes.

 

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o outono de 2017 será marcado por mudanças rápidas nas condições do tempo, com temperaturas que vão oscilar entre 18°C e 28°C.

 

Durante esta época do ano, as pessoas também tendem a ficar confinadas em ambientes fechados, facilitando a transmissão dos vírus e bactérias. Isso afeta o organismo por conta da mucosa nasal, que fica menos eficaz na infiltração de impureza.

 

O conjunto de ações faz com que o sistema respiratório perca um pouco da capacidade de defesas contra microrganismos nocivos. É o que acontece com a jornalista Carolina Piscina, cujos problemas respiratórios se agravam no outono.

 

"Associo muito isso às mudanças no tempo, um dia está muito calor e no outro mega frio. A sinusite é um problema muito recorrente, desde aquelas que são mais leves, e consigo controlar com remédios sem receita, até os casos em que preciso ir ao hospital e tomar antibióticos", conta.

Saúde

21 de Abr // | Saúde

Pesquisadores da Universidade Emory, nos Estados Unidos, descobriram que um muco expelido da pele de uma rã indiana pode ajudar no combate a alguns tipos de vírus da gripe. "Rãs diferentes produzem peptídeos (cadeias de aminoácidos) diferentes, dependendo de onde é seu hábitat", afirmou o especialista em gripe e coautor do estudo Joshy Jacob.

 

Jacob ressaltou que os humanos também produzem proteínas que agem como defensoras do organismo. "É um mediador imune natural inato presente em todos os organismos vivos. Acabamos de encontrar um produzido pelo sapo que por acaso é eficaz contra o tipo de gripe H1", completou. Espécimes da Hydrophylax bahuvistara sofreram pequenos choques elétricos para estimular a secreção dos peptídeos de defesa.

 

Batizado de "urumin", o peptídeo antiviral não é tóxico para mamíferos, mas "parece perturbar a integridade do vírus da gripe, como visto através de microscopia eletrônica", apontou o especialista. Ratos de laboratório foram protegidos contra uma dose letal do vírus da gripe H1 com uso do peptídeo. Os pesquisadores ressaltaram a necessidade de novos estudos.

Saúde

20 de Abr // | Saúde
O ex-ministro da Saúde do governo Dilma (nos anos 2014-2015), Arthur Chioro (PT), elevou o tom das reclamações ao modelo administrativo do presidente Michel Temer (PMDB), cujas reformas, segundo ele, podem desembocar no encerramento do Serviço Único de Saúde (SUS), com consequentes prejuízos.
 
“No quadro de crise é fundamental reafirmar direito universal à saúde, que é denominada pelo conjunto de condições de vida, acesso a emprego, previdência…Nunca estivemos tão perto do fim do SUS. A reforma trabalhista vem aí para ceifar direitos dos trabalhadores e é a possibilidade de vermos o fim do SUS”, afirmou, durante entrevista exclusiva ao Bocão News.
 
“Nós vivemos agora um desmonte do estado democrático de direito. Está aí o exemplo das reformas trabalhistas e há várias pistas de que vamos enfrentar nos próximos anos ou nos próximos meses, talvez nas próximas semanas, estratégias cada vez mais importantes de desmonte do SUS enquanto uma política pública. O novo regime fiscal aprovado pelo Congresso que congela os gastos públicos por 20 anos já dá uma mostra disso”, argumentou.

Saúde

19 de Abr // | Saúde

O fundador da Microsoft, Bill Gates, revelou em Genebra que fechou um acordo com o governo e entidades dos EUA, em 2016, para destinar US$ 18 milhões para modificar geneticamente os mosquitos Aedes aegypti, tornando-os estéreis. Respondendo ao Estado, Gates relatou que os testes estão sendo realizados principalmente em Antioquia, Colômbia, nos subúrbios do Rio, e também na Indonésia.

 

O experimento ocorre depois que, na Ásia, cientistas obtiveram resultados positivos no Vietnã e em outros países tropicais. Seus assessores apontam que a iniciativa tem o potencial de ser a iniciativa de saúde de maior impacto da Gates Foundation que, ao longo dos últimos anos, destinou mais de US$ 500 milhões para tratar doenças.

 

A estratégia consiste em contaminar o mosquito com a bactéria Wolbachia. Como consequência, os descendentes não teriam a capacidade de transmitir doenças. A bactéria está presente em 60% dos mosquitos e insetos. Mas não no Aedes aegypti. "Essa é a novidade. Estamos realizando os testes e, até o fim do ano, saberemos se isso vai funcionar", contou Gates. Se os testes derem resultados positivos, a proteção para populações de locais com a presença endêmica do mosquito poderia aumentar em 40%.

Saúde

18 de Abr // | Saúde
Os efeitos adversos graves da vacina contra a febre amarela, embora raros, preocupam as autoridades médicas e de pesquisa dentro e fora do Brasil. Para tentar identificar as causas, pesquisadores da Bio-Manguinhos, da Fiocruz, e da Universidade Rockefeller, dos EUA, iniciaram uma parceria para estudar fatores individuais para o problema, que pode ter origem genética.
 
Entre os possíveis efeitos adversos da vacina contra febre amarela, o mais grave é a doença viscerotrópica, que pode causar choque, derrame pleural e abdominal, e falência múltipla dos órgãos. Segundo o pesquisador Reinaldo de Menezes Martins, os efeitos adversos ocorrem em uma a cada 300 mil pessoas vacinadas e a média é de uma morte a cada 10 a 20 casos em que há reação à vacina.
 
Ainda não foram encontrados mutações no vírus da vacina ou problemas ligados à produção que pudessem explicar esses eventos adversos, que segundo ele, devem ter origem genética. “Essas reações acometem muitas vezes pessoas absolutamente saudáveis. Resta estudar algum fator individual que faz com que certas pessoas sejam sujeitas a esses eventos adversos. Imaginamos que esse fator individual deve ser de natureza genética.”

Saúde

18 de Abr // | Saúde

O número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8% nos últimos 10 anos, passando de 5,5% da população em 2006 para 8,9% em 2016. A pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada na segunda (17) pelo Ministério da Saúde, revela ainda que as mulheres registram mais diagnósticos da doença

 

O grupo passou de 6,3% para 9,9% no período, contra índices de 4,6% e 7,8% registrados entre os homens. De acordo com o estudo, o indicador de diabetes aumenta com a idade e é quase três vezes maior entre os que têm menor escolaridade. Nas pessoas com idade entre 18 e 24 anos, por exemplo, o índice é de 0,9%.

 

Já entre brasileiros de 35 a 44 anos, o índice é de 5,2% e, entre os com idade de 55 a 64 anos, o número chega a 19,6%. O maior registro, entretanto, é na população com 65 anos ou mais, que apresenta índice de 27,2%. Já em relação à escolaridade, os que têm até oito anos de estudo apresentam índice de diagnóstico de diabetes de 16,5%. O percentual cai para 5,9% entre os brasileiros com nove a 11 anos de estudo e para 4,6% entre os que têm 12 ou mais anos de estudo.

Saúde

17 de Abr // | Saúde
A parcela de brasileiros obesos cresceu 60% em dez anos, apontam dados da nova edição da pesquisa Vigitel, do Ministério da Saúde. Em 2016, esse percentual foi de 18,9%. Já em 2006, era de 11,8%.  Ao mesmo tempo em que houve avanço na obesidade nos últimos anos, a pesquisa mostra que a guerra contra a balança pode estar perto de dar seu primeiro sinal de trégua.
 
Isso porque, em 2016, o índice de obesos ficou estável em relação ao ano anterior. Cenário semelhante ocorre quando considerados todos os brasileiros com excesso de peso, parcela que supera mais do que a metade da população, ou 53,8%. Em 2015, percentual foi de 53,9%. 
 
São considerados acima do peso todos aqueles com IMC (índice de massa corporal, medido pelo peso dividido por altura ao quadrado) igual ou superior a 25 kg/m2. Já a obesidade ocorre quando o índice é igual ou maior que 30 kg/m2. Ao todo, a pesquisa ouviu 53.210 pessoas com mais de 18 anos de todas as capitais do país. O levantamento foi realizado entre fevereiro e dezembro de 2016.

Saúde

17 de Abr // | Saúde
A campanha nacional de vacinação contra gripe começa mais cedo este ano. A partir desta segunda-feira (17), serão distribuídos 60 milhões de doses disponíveis, seis milhões a mais do que no ano passado. O aumento ocorre por causa da ampliação do público-alvo, que passa a incluir neste ano os professores das redes pública e privada.
 
Outros grupos para quem a vacina é indicada são idosos, crianças de seis meses a cinco anos, trabalhadores de saúde, gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), indígenas, presos, adolescentes que cumprem medidas socioeducativas e funcionários do sistema prisional. 
 
Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes e hipertensão, também podem ser imunizadas, desde que haja prescrição médica. Segundo o Ministério da Saúde, esses são os grupos com maior risco de complicações devido à gripe -daí a recomendação para que sejam vacinados. A meta deste ano é vacinar 90% do público-alvo --índice maior do que nos anos anteriores, quando a meta girava em torno de 80%-- devido ao aumento na adesão à vacina nos últimos anos.

Saúde

16 de Abr // | Saúde

O paciente que contraiu dengue pode ter menos chance de ser infectado pela febre amarela. Segundo o consultor científico do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Reinaldo Menezes, há muitas evidencias de que a dengue protege contra a febre amarela.

 

Um estudo feito pela equipe de Menezes mostrou que a viremia (presença de vírus no sangue) é mais baixa nas pessoas que já tiveram dengue. Uma das evidências é que um grupo de soldados do Equador que não teve dengue e outro da região costeira que contraíram a doença. A febre amarela contaminou os militares que não tiveram dengue.

 

De acordo com o professor, ainda não há uma confirmação de casos de morte em decorrência de reações adversas nos estados onde estão ocorrendo campanhas de vacinação contra a febre amarela. Os exames ainda estão sendo feitos e um deles se refere à morte de um homem, no dia 30 de março, em Silva Jardim, na Baixada Litorânea do Rio de Janeiro, para verificar se ele morreu por evento adverso da vacina ou se já tinha a doença antes da imunização.

Saúde

13 de Abr // | Saúde

A Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe começa na segunda-feira (17) e termina no dia 26 de maio. A vacinação contra a gripe é uma das medidas mais efetivas para a prevenção da influenza grave e suas complicações. Na Bahia, são 3,6 milhões de pessoas aptas a tomarem a vacina. A campanha atingirá idosos de mais de 60 anos, crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, puérperas e trabalhadores da saúde.

 

A campanha também atnge povos indígenas, grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas sócioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional. "Este ano, teremos uma novidade na campanha: os professores de escolas públicas e privadas também serão imunizados", informa Ramon Saavedra, coordenador do Programa Estadual de Imunizações.

 

A meta é vacinar 90% do público alvo, que seria de 3,2 milhões de pessoas. A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais, também podendo causar pandemias. De acordo com a OMS, estima-se que a influenza acomete 5 a 10% dos adultos e 20 a 30% das crianças, causando 3 a 5 milhões de casos graves e 250 mil a 500 mil mortes todos os anos no mundo.

Saúde

10 de Abr // | Saúde
Como em todos os anos, o mês de abril é marcado por fortes chuvas em Salvador e em outras regiões da Bahia. Além das ameaças  de alagamentos e deslizamentos de terra em áreas consideradas de risco, o período alerta também para elevação dos casos de doenças transmitidas pela água da chuva e por vírus respiratórios.
 
Desde um resfriado a enfermidades mais graves como a leptospirose,  é necessário ficar atento aos sinais dessas patologias que  costumam aparecer nesta época do ano. Para tirar as dúvidas referentes aos sinais das doenças, o Bocão News conversou com o médico infectologista Adriano Oliveira. Na ocasião, o especialista explicou que a infecção do vírus influenza costuma ser comum neste período. "
 
Nós temos uma lista vasta de doenças típicas desta época, no entanto, a mais marcante é a leptospirose. Porém, as doenças respiratórias também passam a se tornar mais frequentes. Dentre os vírus respiratórios, temos particularmente o temível influenza", explicou. Causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina de ratos e outros animais, a leptospirose pode atingir os rins da pessoa infectada.

Saúde

09 de Abr // | Saúde

O pesquisador do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Gúbio Soares, fez um alerta para que consumidores de peixes tenham cuidado com a procedência deles na hora da compra dos produtos. O especialista participou de um estudo que apontou o consumo do alimento como responsável pela doença que deixa a urina preta.

 

A enfermidade é chamada de Síndrome de Haff. “Tem que ter uma fiscalização muito grande nos peixes porque a gente ficou sabendo de um grupo de pescadores que eles colocam formol nos peixes, o que pode gerar consequências graves. Esse risco está em qualquer peixe que seja vendido fora dos padrões de vigilância sanitária”, afirmou Soares em entrevista ao Bahia Notícias.

 

Por exclusão, os pesquisadores chegaram à conclusão de que a doença é provocada por intoxicação após consumo de peixes. “Chegamos a identificar enterovírus, mas ele sozinho não dava para causar essa doença. Caminhamos para linha da Síndrome de Half, que seria uma síndrome causada por uma toxina difícil de identificar, então nós identificamos o enterovírus, mas eram mais de 100 espécies. Ele não causa esse tipo de doença”, explicou o professor.

Saúde

09 de Abr // Gildásio Cavalcante | Saúde
Doença que tem assustado baianos, a síndrome de Haff é conhecida por, entre outras coisas, contaminar as pessoas através do consumo de peixes e causar o escurecimento da urina. Com a proximidade da Semana Santa – época em que o consumo do pescado aumenta – o Bocão News consultou um especialista para saber os cuidados que devem ser tomados. 
 
Médico do núcleo de epidemiologia do Hospital Roberto Santos e professor dos cursos de medicina da Uneb e FTC, Claudilson Bastos apontou que a “fiscalização” sobre o produto comprado é o principal fato. 
 
“A síndrome da Haff é autolimitada. Ou seja, evolui sem complicações se for bem tratada. A pessoa, na hora da compra do peixe, tem que observar a procedência do produto. É recomendado que se compre o peixe fresco”, disse. 
 
O médico afirmou ainda que, em geral, a síndrome acomete quem consome peixes de água doce. Não é sólido, porém, que peixes de água salgada não transmitam a síndrome. 
 
Entre dezembro de 2016 e este mês, foram cerca de 50 ocorrências. Amostras de fezes, urina e sangue de 15 pessoas intoxicadas foram analisadas por especialistas.  Estas pessoas ingeriram os peixes Olho de Boi e Badejo e, após a pesquisa, os pesquisadores concluíram que houve intoxicação.

Saúde

07 de Abr // | Saúde

Principal medida para controle de surtos de febre amarela, a vacina contra a doença é "altamente eficaz", de acordo com o consultor científico da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Reinaldo Martins. O pesquisador explicou que estudos mostraram, inclusive, que é possível aplicar doses menores da substância para uma proteção a curto prazo.

 

"Em estudos que fizemos, a vacina de febre amarela em doses muito menores que as usadas atualmente protegem pelo menos por um ano. Nós não sabemos ainda com relação à imunidade a longo prazo, mas não há dúvida que essa estratégia é eficaz para controlar a epidemia", afirmou à imprensa durante o debate "Febre Amarela: Situação Atual e Dificuldades de Controle", nesta sexta-feira (7), no Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da UFBA.

 

"Precisamos ter mais informações quanto à duração da imunidade. Estamos fazendo atualmente um estudo para saber a duração oito anos depois, mas está apenas no início", completou. A possibilidade de fracionar a vacina contra febre amarela para garantir uma maior cobertura tem sido avaliada pelo Ministério da Saúde. A eficácia da vacina também garante resultados satisfatórios com a aplicação de uma única dose, como foi definido nesta semana.

Saúde

07 de Abr // | Saúde

O vírus zika poderá custar à economia brasileira até US$ 4,7 bilhões no curto prazo e chegaria, no pior dos cenários, a ter um impacto de US$ 11,6 bilhões (R$ 36 bilhões) ao longo dos próximos anos, aprofundando a pobreza em comunidades mais afetadas pela epidemia. O alerta foi publicado pela ONU e pela Federação Internacional da Cruz Vermelha.

 

Para determinar os custos, as entidades avaliaram o impacto nos sistemas de saúde, em programas de ajuda a crianças, na receita de regiões com o turismo, no impacto com gastos para a prevenção, diagnóstico, perda de produtividade dos trabalhadores, o esforço de impedir a proliferação do mosquito e o custo de cuidar de uma geração de crianças com microcefalia.

 

Levantamento mostra as consequências econômicas do surto do vírus e sua ameaça para o combate à desigualdade social. As estimativas apontam que, para cada criança com microcefalia nascida no Brasil, o custo seja de US$ 890 mil ao longo de sua vida, entre gastos médicos e apoio social. No caso de pessoas afetadas pela Síndrome de Guillan-Barré, o impacto será de US$ 222 mil. No primeiro momento, o que a ONU tentou calcular é o impacto imediato do atual surto.

Saúde

06 de Abr // | Saúde
O Ministério da Saúde passará, ainda este mês, a adotar a dose única da vacina contra febre amarela para áreas em que a imunização é recomendada. Com a medida, o País segue orientação da OMS. “A partir de agora, as pessoas que já tomaram uma dose, não precisam se vacinar mais contra a febre amarela ao longo da vida”, explica o ministro da Saúde, Ricardo Barros.
 
De acordo com o ministro, a OMS fez a mesma recomendação em 2014, mas o governo brasileiro consultou sociedades científicas e avaliou que os estudos ainda não eram suficientes para adotar a decisão da entidade. Ricardo Barros anunciou, também, que o Ministério da Saúde está preparando a rede pública para um possível fracionamento das doses da vacina.
 
Se adotada, a medida servirá para conter a expansão da doença nas regiões metropolitanas que precisarem de bloqueio. Esta estratégia é utilizada quando há aumento de casos de febre amarela silvestre de forma intensa, com risco de expansão da doença em cidades com elevado índice populacional.

Saúde

05 de Abr // | Saúde
Os médicos da Bahia vão suspender parte dos atendimentos nesta quinta-feira (6) em diversas unidades do estado. A paralisação faz parte de um protesto realizado pelos servidores estaduais como parte das atividades da campanha salarial de 2017 e conta com apoio de outras categorias, como servidores da Fazenda, do Judiciário e técnicos das Universidades. 
 
Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimed), Luiz Américo Câmara, a orientação é de que os profissionais suspendam os atendimentos para consultas, procedimentos e cirurgias eletivas. Esses serviços devem ser remarcados. Os casos de urgência e emergência, no entanto, serão socorridos normalmente.
 
"Além da pauta reivindicada por todos os servidores, como o reajuste retroativo das perdas inflacionárias e a reabertura das mesas de negociação setorial, por exemplo, nós estamos reivindicando a regulamentação do adicional noturno para os médicos, realização de Concurso Público e piso Fenam, entre outros pontos. A paralisação não inclui os serviços de urgência e emergência", afirmou.

Saúde

04 de Abr // | Saúde
O Ministério da Saúde distribuiu 1,3 milhão de testes rápidos contra o vírus da zika e promete enviar mais 2,2 milhões até o final deste ano. Nesta segunda-feira, a pasta incluiu o produto para diagnosticar zika na tabela de procedimentos do Sistema Único de Saúde (SUS). A decisão foi publicada no Diário Oficial da União.
 
A pasta já tinha anunciado, no ano passado, a compra desses 3,5 milhões de kits do teste rápido do tipo IgM/IgG que seriam distribuídos para estados e municípios. Trata-se de um teste sorológico capaz de detectar os anticorpos contra o vírus presentes no organismo e diagnosticar a infecção mesmo depois de o vírus já ter sido eliminado. O exame leva 20 minutos para informar o resultado.
 
Antes, o único teste disponível no SUS era o PCR, de biologia molecular. O método consiste em multiplicar a quantidade de RNA do vírus na amostra coletada, ou seja, amplificar o material genético do vírus para que seja possível identificá-lo quimicamente. A limitação do teste molecular é que ele só é capaz de detectar a presença do vírus em um período muito curto de tempo. Os 3,5 milhões de kits de testes foram comprados do laboratório público Bahiafarma por R$ 119 milhões.

Saúde

04 de Abr // | Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou na segunda (3) seis casos de febre amarela em macacos encontrados em Salvador. Os casos positivos foram identificados em Ilha Amarela, São Tomé de Paripe, Vila Laura e Itaigara. Desde o início de março, 41 macacos foram capturados na capital, mortos ou aparentemente doentes, para realização de exames laboratoriais de detecção da febre amarela.

 

Três tiveram diagnóstico descartado para a doença, enquanto outros 32 aguardam resultados dos exames. Após a identificação dos macacos com suspeita do agravo, equipes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) são destacadas de imediato para os locais onde os animais foram encontrados para realização do bloqueio espacial com borrifação de inseticida com o intuito de eliminar possíveis mosquitos infectados.

 

"A estratégia visa reduzir as chances de vetores infectados circular, acabando assim com a cadeia cíclica da doença", explica a doutora Isabel Guimarães, coordenadora de Vigilância à Saúde. Os animais vivos são encaminhados para Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama (CETAS), onde ficam em observação até o resultado dos exames. As amostras são enviadas para o Laboratório da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, onde são feitas as análises.

Saúde

03 de Abr // G1 | Saúde
Mais duas mortes de macacos causadas por febre amarela foram confirmadas na manhã desta segunda-feira (3), na Bahia. Com os dois novos casos registrados, o número de mortes de macacos por febre amarela no estado sobe para 25. Os novos casos foram registrados nas cidades de Feira de Santana, a 100 quilômetros de Salvador, e Biritinga, a cerca de 190 quilômetros da capital.
 
As informações são do coordenador-geral do Núcleo Regional de Saúde de Feira de Santana e região, Edy Gomes. É o segundo caso de morte de macaco por febre amarela em Feira de Santana. A morte confirmada nesta segunda ocorreu no bairro Papagaio. A primeira, confirmada no dia 30 de março, foi no bairro Sim. Gomes disse que a informação dos novos registros em Feira e Biritinga já foi repassada à Secretaria de Saúde da Bahia.
 
A Sesab destacou que um novo boletim atualizado com número de casos confirmados só será divulgado no final da semana. Os municípios que registraram mortes de animais causadas pela doença são Alagoinhas, Biritinga, Camaçari, Catu, Cordeiros, Feira de Santana, Ituberá, Nova Viçosa, Ouriçangas, Pedrão, Salvador, Santa Rita de Cássia, São Felipe e São Miguel das Matas.

Saúde

02 de Abr // | Saúde
Contrariando de queda vista no Brasil no início deste ano, os estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Ceará, Goiás, Amazonas, Roraima, Pará e Tocantins apresentaram uma alta no número de casos de chikungunya. O Ministério da Saúde divulgou dados da doença por estado, contabilizados até a 10ª semana epidemiológica - de 1º de janeiro de 2017 até o último dia 11 de março.
 
No somatório de casos no Brasil, a tendência é contrária a esses estados. Nesse período até a 10ª semana epidemiológica em 2016, o país registrou 80.686 casos de chikungunya. Já neste ano, o total passou para 17.525, o que representa menos de um quarto. Os estados da Bahia e Pernambuco, entre os mais antigidos no ano passado, apresentaram queda bruscas nas notificações:
 
os números passaram de 28.737 e 27.926 casos para 2.725 e 490, respectivamente. Zika e dengue:  No mesmo boletim, o ministério divulgou os dados de zika e dengue referentes a esse mesmo período analisado da chikungunya. Em 2017, foram registrados 3.961 casos prováveis do vírus da zika no país, com uma taxa de incidência de 1,9 caso/100 mil habitantes. Destes, 942 (23,8%) foram confirmados.

Saúde

02 de Abr // | Saúde
A aposentada Luiza (nome fictício) tem 68 anos e sempre priorizou hábitos saudáveis. Alimentação balanceada, caminhadas e aulas de dança faziam parte da sua rotina diária. Até ano passado, ela se orgulhava de não tomar nenhum remédio, "nem para controlar níveis de colesterol, muito menos para diabetes".
 
Mas as coisas mudaram depois de um breve relacionamento, o primeiro em 15 anos de viuvez, durante o qual Luiza contraiu HIV. Essa é uma história menos incomum do que parece. De acordo com dados do Ministério da Saúde, apesar de ter caído em quase todas as faixas etárias nos últimos dez anos, a taxa de detecção do vírus entre as mulheres apresentou um aumento de 24,8% no grupo com mais de 60 anos.
 
Em 2005, essas mulheres representavam 2,9% do total de pacientes diagnosticadas com HIV. Em 2015, eram 6,4%. Luiza conheceu Manoel, de 62 anos, em bailes e competições de dança para terceira idade. Também aposentado, ele tinha saído de um relacionamento muito longo quando os dois começaram a namorar. Mas a relação não engatou. Poucos meses depois do início, Luiza decidiu acabar o relacionamento. O porquê nem ela sabe.

Saúde

02 de Abr // | Saúde
A pesquisa clínica com a fosfoetanolamina sintética, mais conhecida como "pílula do câncer", foi suspensa pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, primeira instituição a realizar testes da substância em humanos. Iniciado em julho do ano passado, o estudo já havia incluído até agora 72 pacientes com 10 diferentes tipos de tumor, dos quais 59 já passaram por reavaliação.
 
Apenas um doente, no entanto, apresentou algum benefício. Ele sofre de melanoma. "Pela maneira como evoluiu, não é possível eticamente continuar o estudo como ele vinha. É um número muito ruim considerando a expectativa ao redor do produto", explicou Paulo Hoff, diretor-geral do Icesp e responsável pela pesquisa, em coletiva de imprensa realizada nesta última sexta-feira (31).
 
O especialista esclareceu que, por enquanto, nenhum outro paciente será incluído na pesquisa até que sejam melhor avaliados os resultados obtidos. Há possibilidade de apenas os pacientes do grupo de melanoma continuarem no estudo. A previsão inicial era de que até 1 mil pacientes fossem incluídos nos testes se as respostas nos primeiros fossem positivas.

Saúde

02 de Abr // Gildásio Cavalcante | Saúde

Cerca de 200 primatas, de diferentes espécies, vivem no Parque Zoobotânico de Salvador, localizado no bairro de Ondina. Apesar das dúvidas e apreensão de baianos e turistas, eles não oferecem risco à população de infecção por febre amarela. A coordenação do parque, que é ligado à Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema), tem recebido ligações e perguntas de visitantes e esclarece que não há motivo para medo desses animais nem para agressões a outros macacos que vivem na natureza.

 

“Os primatas são hospedeiros assim como nós, humanos. Mesmo que um macaco esteja doente, ele não é capaz de fazer a transmissão direta ao homem”, explica o coordenador e médico veterinário do Zoo de Salvador, Vinícius Dantas. O veterinário acrescenta que, “na verdade, a morte deles [primatas] serve como um alerta para a vigilância sanitária saber da presença do vírus e do risco da doença chegar aos humanos, mas não através do macaco. Temos que tratar esses animais como parceiros e não como vilões”.

 

De acordo com a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), fragmentos do vírus da febre amarela foram encontrados em quatro macacos mortos na capital baiana, nos bairros de Vila Laura, Paripe e Itaigara.

Saúde

02 de Abr // Gildásio Cavalcante | Saúde

Uma liminar da Justiça obrigou a prefeitura de Feira de Santana, a contratar médicos de diversas especialidades para a rede pública de saúde em um prazo de dez dias sob pena de multa.

 

A decisão, assinada pelo juiz Roque Ruy de Araújo, atendeu a uma ação movida pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA), que apontou déficit no número de profissionais da cidade.

 

Ao CORREIO, a secretária de Saúde do município, Denise Mascarenhas, disse  que ainda não havia recebido nenhuma notificação da Justiça, mas que a determinação será cumprida com a  contratação os profissionais necessários dentro do prazo estipulado pela liminar judicial.“Não contratamos médicosespecialistas por concurso.

Saúde

01 de Abr // Gildásio Cavalcante | Saúde
O aumento de até 4,76% no preço dos remédios anunciado pelo governo deve impactar mais os idosos, de acordo com o pesquisador do Fundação Getúlio Vargas (FGV/Ibre), André Braz. Mesmo em vigor desde a  publicação na edição do Diário Oficial da União (DOU) de ontem (31),  ainda de acordo com o especialista, o reajuste deve ocorrer com mais intensidade, a partir da segunda quinzena de abril.
 
"A terceira idade sentirá mais o reajuste. No entanto, ele veio abaixo da inflação de 2016 – que foi de 6,29% - isso reduzirá o impacto no custo de vida. Algumas farmácias ainda devem praticar preços antigos, enquanto durarem os estoques", afirma Braz. 
 
O pesquisador acrescenta que algumas farmácias ainda devem praticar preços antigos, enquanto durarem os estoques. Segundo Braz, as novas encomendas devem trazer remédios com o reajuste, o que deve ocorrer com mais intensidade a partir da segunda quinzena de abril. 
 
"A expectativa era de um reajuste na ordem de 3,5% para todas as classes terapêuticas, à exemplo de 2016, quando o reajuste foi de 12,5% para todos os medicamentos. Os reajustes não devem ser orientados pela inflação passada, mas sim, pela real necessidade de cada setor. Órgãos reguladores avaliam a necessidade de reajuste, equilibrando os interesses da sociedade e dos fabricantes", ressalta o pesquisador.
 
 Descontos

Saúde

31 de Mar // | Saúde
O Ministério da Saúde estuda fracionar as doses da vacina da febre amarela para imunizar um número maior de pessoas com o mesmo número de doses, segundo o Bom Dia Brasil. Pelo país, os repórteres do Bom Dia Brasil se depararam com filas nos postos de vacinação. E, em muitos postos, as doses estão acabando antes do previsto.
 
No Rio, a dona de casa Luciana Mattos está atrás da vacina para ela e a filha Clara, de dois anos, mas não está encontrando. "É o segundo posto hoje", disse Luciana. De dezembro de 2016 até 17 de março deste ano, o Ministério da Saúde recebeu 1.561 notificações de casos suspeitos de febre amarela no Brasil. Destes, 448 foram confirmados, 850 são investigados e 263 foram descartados.
 
Em Minas Gerais, o número de casos chega a 379. O Espírito Santo tem 93 e, São Paulo, 4. De acordo com o Ministério da Saúde, a taxa de letalidade da doença é de 32,1% e 188 municípios brasileiros tiveram febre amarela. Desde o início do surto, 144 pessoas morreram devido à doença no país. Por enquanto, não há confirmação de que a febre amarela tenha chegado às áreas urbanas, onde a transmissão iria ocorrer por meio do Aedes aegypti.

Saúde

31 de Mar // | Saúde

O primeiro caso de morte por suspeita de febre amarela na Bahia ocorreu em Cândido Sales, na região de Vitória da Conquista, no sudoeste. A informação foi confirmada nesta sexta-feira (31) pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab). Segundo a pasta, trata-se de caso importado. O paciente era oriundo da cidade de Téofilo Otoni, em Minas Gerais, e veio à óbito na cidade baiana.

 

Até o momento não há morte confirmada da doença na Bahia. O último boletim epidemiológico registra 16 casos notificados, sendo que nove estão sob investigação e sete foram descartados. Em nota, ao Bahia Notícias, o Ministério da Saúde informou que liberou, nesta quinta-feira (30), R$ 19,2 milhões para 526 cidades afetadas pela doença nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo.

 

Além dos municípios, as Secretarias Estaduais de Saúde (SES), dos respectivos estados, também irão receber. Os valores deverão ser aplicados em ações de prevenção na área de vigilância para a febre amarela. O recurso foi definido a partir da estimativa da população a ser vacinada em cada município, com base nos valores per capita estabelecidos para o repasse do Piso Fixo de Vigilância em Saúde.

Saúde

30 de Mar // | Saúde

Em resposta ao surto de febre amarela no Brasil, a Organização Mundial da Saúde anunciou nesta quinta-feira (30) que chegaram ao Brasil no dia 24 de março as 3,5 milhões de doses de vacina contra a doença. Elas faziam parte de um estoque de emergência controlado pelo Grupo de Coordenação Internacional sobre o Fornecimento de Vacinas.

 

Financiado pela Aliança Gavi, o carregamento será coberto em um estágio posterior pelo próprio governo brasileiro, que se comprometeu a pagar pela ajuda. O estoque de vacinas ainda terá de voltar a ser preenchido para que volte a ter 6 milhões de doses. "O governo do Brasil, com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde e da OMS, está trabalhando para garantir a proteção de sua população e evitar uma proliferação ainda maior do vírus da febre amarela, que é transmitida a humanos por mosquitos", indicou a OMS.

 

"O Brasil está conduzindo campanhas de vacinação em vários Estados, enquanto fortalece o monitoramento e administração de casos através do País, desde que o surto começou em janeiro de 2017". Segundo a OMS, mais de 18,8 milhões de doses já foram distribuídas pelo governo, enquanto a entidade e outros organismos internacionais mobilizaram 15 especialistas estrangeiros para ajudar a dar uma resposta.

Saúde

30 de Mar // | Saúde
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (29) o Projeto de Lei 5501/13, do Senado, que muda o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90) para obrigar o Sistema Único de Saúde (SUS) a adotar protocolo com padrões para a avaliação de riscos ao desenvolvimento psíquico das crianças. A matéria será enviada à sanção.
 
Segundo o texto, os procedimentos de análise médica deverão ser aplicados nos primeiros 18 meses de vida da criança com a finalidade de facilitar a detecção de risco para o seu desenvolvimento psíquico. Os procedimentos serão feitos em consulta pediátrica de acompanhamento. A proposta entrará em vigor 180 dias após sua publicação.
 
O projeto contou com parecer favorável do deputado Delegado Francischini (SD-PR), pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Para ele, a aprovação da medida mostra que houve uma convergência de todos os partidos em torno de um tema com resultados positivos para a sociedade. “Com a aplicação desse protocolo, os profissionais de saúde poderão orientar os pais no primeiro momento da vida de uma criança com autismo”, afirmou.

Saúde

30 de Mar // | Saúde

As unidades próprias do Farmácia Popular devem acabar. Em reunião marcada para esta quinta, 30, em Brasília, o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde vai apresentar seu voto favorável à extinção desse formato do programa, lançado em 2004 e um dos símbolos do governo Lula (PT).

 

O conselho vai propor que recursos sejam transferidos para custear a compra de medicamentos distribuídos nas unidades básicas de saúde. As discussões sobre o fim das unidades próprias começaram há alguns meses. Ministério da Saúde e secretários estaduais já haviam se manifestado favoravelmente a essa ideia. Faltava apenas o aval de representantes de secretários municipais, que agora será formalizado na reunião tripartite, marcada para esta quinta.

 

Caso a decisão se confirme, serão mantidas apenas as redes de farmácias particulares credenciadas, o braço do programa batizado de "Aqui tem Farmácia Popular". "O modelo da unidade própria é dispendioso, pouco eficaz. É muito dinheiro para pouco remédio distribuído", resumiu o presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde, Mauro Guimarães Junqueira.

Saúde

29 de Mar // | Saúde

Salvador já registra quatro mortes de macacos por febre amarela confirmadas. Os animais foram encontrados nos bairros do Itaigara, Vila Laura e Paripe. Por conta disso, a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) decidiram intensificar as ações de controle do vírus na capital baiana.

 

Cerca de 400 mil doses extras da vacina foram liberadas nesta quarta-feira (29), com o objetivo de imunizar os indivíduos que não possuem duas doses registradas no cartão de vacinação. No total, serão disponibilizadas 2 milhões de doses para atingir a cobertura vacinal de 100% da população que ainda não está imunizada.

 

 A Bahia registrou em 2017, até 28 de março, 16 casos suspeitos de febre amarela em oito municípios: Coribe (4), Feira de Santana (1), Ilhéus (1); Itamaraju (2), Itiúba (1), Mucuri (1), Nova Viçosa (1), Teixeira de Freitas (3) e dois casos com pessoas residentes no estado de Alagoas que passaram por vários locais na Bahia. Destes, sete casos foram descartados laboratorialmente e nove permanecem em investigação.

Saúde

28 de Mar // | Saúde
O Ministério da Saúde publicou no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira, 28, portaria em que inclui ioga, biodança, meditação e outras 11 terapias alternativas no Sistema Único de Saúde (SUS). São elas: arteterapia; ayurveda; dança circular; musicoterapia; naturopatia; osteopatia; quiropraxia; reflexoterapia; reiki; shantala; e terapia comunitária integrativa.
 
Com a portaria, as 14 atividades passam a compor a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Já faziam parte desse grupo homeopatia; medicina tradicional chinesa; medicina antroposófica; plantas medicinais e fitoterapia; e termalismo social/crenoterapia. Segundo o texto, um dos objetivos da inclusão das 14 práticas no SUS é "valorizar os saberes populares e tradicionais e as práticas integrativas e complementares".
 
O ministério levou em conta uma orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) que "incentiva e fortalece a inserção, reconhecimento e regulamentação destas práticas, produtos e de seus praticantes nos sistemas nacionais de saúde". "Neste sentido, (a OMS) atualizou as suas diretrizes a partir do documento Estratégia da OMS sobre Medicinas Tradicionais", diz o texto do Diário Oficial.

Saúde

28 de Mar // | Saúde

O Ministério da Saúde estuda a inclusão da vacina contra a febre amarela no calendário rotineiro de imunização das crianças de todas as regiões do Brasil, não só das áreas consideradas endêmicas. A proposta é que já comece a valer a partir de 2018. As crianças receberiam duas doses - a primeira aos 9 meses e a segunda aos 4 anos.

 

"Estamos estudando a possibilidade de introduzir a vacina. É preciso avaliar o risco-benefício. Você tem que colocar na balança qual o benefício de dar essa vacina (em áreas que não têm casos da doença). O benefício é que em longo prazo, em 20 anos, teremos toda a população do Brasil imunizada e não precisaremos fazer uma campanha. Vou vacinando gradativamente. Mas tem os riscos", afirmou a coordenadora do PNI, do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

 

A mudança no cenário da transmissão de febre amarela está entre os fatores que os técnicos da pasta avaliam. "Não havia transmissão da doença no Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. Com idas e vindas da população o tempo todo, a pessoa que mora no Rio Grande do Norte (um dos Estados que não têm transmissão da doença) pode vir trabalhar no Rio ou em São Paulo; traz o filho pequeno. Há cinco anos, o cenário era outro. Temos que nos adaptar a esse outro cenário".

Saúde

27 de Mar // | Saúde
A mensagem que circula pelo Whatsapp faz um alerta para que as pessoas mantenham aspirina na cabeceira da cama no caso da iminência de um ataque cardíaco. Ela é verdadeira. A mensagem aponta como sintomas de ataques cardíacos dor no braço esquerdo, dor intensa no queixo, náuseas e suores abundantes.
 
Segundo a mensagem, diante da dor no peito, é importante dissolver imediatamente duas aspirinas na boca e engolir com um pouco d'água. Em seguida, ligar para os serviços de emergência. A mensagem merece credibilidade, segundo o médico Celso Amodeo, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). O texto recomenda ainda que a pessoa sente em uma cadeira ou em um sofá e force uma tosse para fazer o coração "pegar no tranco".
 
Segundo Amodeo, a aspirina funciona como um antiagregante plaquetário e ajuda a evitar o agravamento de um possível infarto, provocado pelo entupimento das artérias. A aspirina só não é recomendada caso haja uma contraindicação médica (como em caso de alergia ou hipersensibilidade, por exemplo). Amodeo afima ainda que o ato de tossir pode, de fato, estimular o coração, revertendo o agravamento de uma arritmia.

Saúde

27 de Mar // | Saúde

Tanto as mulheres quanto os homens brasileiros têm preferência pela depilação completa da região genital feminina. A informação foi obtida a partir de uma pesquisa do Ambulatório de Estudos em Sexualidade Humana da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto (SP).

 

Desenvolvido pela psicóloga e especialista em sexualidade humana, Maria Luiza Sangiorgi, o estudo apontou ainda a ausência de sintomas clínicos vaginais após a extração dos pelos pubianos. Foi considerado um questionário respondido por 52.787 mulheres e 17.133 homens, com idade acima de 18 anos e de todas as regiões do Brasil, segundo o G1.

 

Os resultados apontaram que 64,3% das mulheres e 62,2% dos homens preferem a área genital feminina completamente depilada. No entanto, o motivo não é o mesmo para os dois gêneros. Enquanto as mulheres escolhem esse tipo de depilação por conta da higiene, os homens elencam a beleza como principal fator. A escolha é mais frequente entre pessoas com maior frequência sexual e mulheres mais satisfeitas com a aparência dos órgãos genitais.

Saúde

24 de Mar // | Saúde

O Centro de Diabetes e Endocrinologia do Estado da Bahia, em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde e a World Diabetes Foundation, englobará mais de 7 mil pacientes diabéticos de 16 municípios baianos em um programa internacional. A iniciativa visa desenvolver ações de prevenção primária e evitar complicações macro vasculares até 2019.

 

Mais de 800 profissionais de saúde serão qualificadosO termo de compromisso para a implantação do programa, que terá um investimento de mais de R$1,5 milhão, foi assinado na última quarta-feira (22), com a presença do secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, da diretora geral do Cedeba, Reine Chaves, e de representantes dos 16 municípios.

 

"Entendemos que o caminho para a redução do diabetes passa pelo controle dos fatores de risco - obesidade, sedentarismo, alimentação inadequada e o consumo de álcool. Já para os pacientes diagnosticados é importante garantir o acesso ao tratamento para evitar as complicações que reduzem a qualidade de vida do paciente - cegueira, amputações, doenças renais - e trazem problemas para a família, além de terem um custo muito alto", destacou o secretário.

Saúde

23 de Mar // | Saúde

Uma piscina pública com cerca de 900 mil litros de água (similar a uma piscina semiolímpica) pode ter até 75 litros de urina. A quantidade de xixi é equivalente a um barril e meio de chopp ou a 0,0083% do volume de água. Se considerar banheiras de hidromassagem, a concentração de xixi era o triplo da encontrada nas piscinas.

 

O levantamento consta no estudo realizado pela universidade de Alberta, em Edmonton, no Canadá, que analisou 31 piscinas e banheiras de hidromassagem públicas em diferentes cidades do país. Os resultados foram publicados na revista da Sociedade Americana de Química. De acordo com a pesquisa, citada pelo Uol, a quantidade de xixi representa até 570 vezes mais daquela existente na água encanada.

 

A presença da urina não representa risco de dano à saúde, exceto em caso de a pessoa ter algum tipo de infecção, mas é preciso estar atento para os elementos que podem surgir com a reação da ureia e da amônia, presentes na urina, com o cloro e demais produtos químicos usados na limpeza das piscinas. Entre eles está o cloreto de cianogênio, usado na 1ª Guerra Mundial em altas concentrações como gás tóxicos.

Saúde

22 de Mar // | Saúde
Os pesquisadores dos Estados Unidos desenvolveram um teste para fertilidade masculina que pode ser feito em casa e com a ajuda de um smartphone. O acessório conectado ao celular tem um custo de US$ 4,45 (cerca de R$ 14) e mostra o resultado em segundos, de acordo com artigo publicado pela revista "Science Translational Medicine" nesta quarta-feira (22).
 
Até agora, um teste básico para rastrear a fertilidade dos homens precisava ser feito em um hospital ou clínica, com a ajuda de técnicos para operar equipamentos de alto custo. Os resultados podem demorar alguns dias ou semanas. O teste caseiro são desenvolvido pelos especialistas do Brigham and Women's Hospital e do Massachusetts General Hospital, em Boston.
 
"Queríamos uma solução para tornar os testes de infertilidade masculina tão simples e acessíveis quanto os testes de gravidez em casa", disse Hadi Shafiee, pesquisador do BWH. "Os homens têm que fornecer amostras de sêmen em quartos de hospital, uma situação em que eles, muitas vezes, experimentam estresse, constrangimento, pessimismo e decepção. Exames clínicos atuais são laboratoriais, demorados e subjetivos.




Classificados


Enquete



Mais Lidas