Notícias

Política

Política

17 de Fev // Gildásio Cavalcante | Política

O governador Rui Costa (PT) revelou nesta sexta-feira (16) uma primeira reunião entre legendas aliadas do Partido dos Trabalhadores para discutir o cenário da eleição presidencial e contou que pretende participar do segundo encontro, previsto para o final de fevereiro. “Se confirmar, estarei presente”, afirmou.

 

Ao contrário de outros petistas – que usualmente têm se recusado a comentar uma possível eleição sem Lula e insistem que “não há plano B” – Rui considerou novamente a possibilidade até de apoio a um candidato de fora do Partido dos Trabalhadores.

 

“Se Lula puder ser candidato, ótimo. Se não puder, vamos discutir um nome. Não necessariamente precisa ser do PT, porque a gente tem que passar ideia de que o interesse maior é a nação brasileira”, declarou.

Socialistas e tucanos – Sobre a relação entre o PSB, seu aliado local, e os tucanos em São Paulo, Rui disse não acreditar que o vice-governador de São Paulo, Márcio França, vá se filiar ao PSDB, do governador Geraldo Alckmin.

Política

17 de Fev // Gildásio Cavalcante | Política

O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) determinou liminarmente (provisoriamente) retirar das ruas os outdoors colocados pelo deputado estadual Soldado Prisco (PPS), que cobram “promessas não cumpridas” pelo governo da Bahia.

 

Mensagens como “Rui Costa, cadê o pagamento da URV” e “Cadê o retorno da Conder? Servidor não é palhaço” foram espalhadas pela capital baiana e interior do Estado.

 

A juíza auxiliar Carmen Lúcia Santos Pinheiro avaliou que trata-se de uma “propaganda eleitoral antecipada”, contendo “dizeres com cunho negativo direcionado ao atual governador do Estado”.

Política

17 de Fev // Gildásio Cavalcante | Política

O presidente Michel Temer ignorou o Conselho da República ao tomar sua decisão de decretar intervenção na segurança pública do Rio. O colegiado é um órgão superior de consulta da Presidência e compete a ele pronunciar-se sobre intervenção federal, estado de defesa e estado de sítio.

 

A consulta é opcional e o presidente não precisa seguir sua orientação, mas juristas dizem que, por se tratar de uma situação extrema, que não é adotada desde a Constituição de 1988, Michel Temer deveria ter ouvido o colegiado, ainda mais por ser constitucionalista.

 

O presidente também não acionou o Conselho de Defesa Nacional, que tem entre suas atribuições, assim como o Conselho da República, opinar sobre decretação de intervenção federal. Interlocutores do presidente Temer o aconselham a convocar o Conselho da República e apostam que ele fará isso em breve. Observam que a Lei 8.041/90 não estabelece que a reunião deve anteceder a edição do decreto.

Política

17 de Fev // Gildásio Cavalcante | Política

O prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), é apontado como o nome mais provável para assumir a candidatura das oposições ao governo no caso de o prefeito ACM Neto (DEM) desistir de disputar a sucessão estadual.

 

Na verdade, Ronaldo quer ser candidato ao Senado na chapa de ACM Neto, embora o prefeito e seu grupo prefiram o democrata como candidato a vice, onde poderia carrear seus votos, que dizem não serem poucos na região, para a candidatura a governador.

 

Políticos de Feira asseguram, no entanto, que a disposição de Ronaldo de participar das eleições de outubro é plena. Se for indicado candidato a governador, então, “ele sai correndo”, afirma um aliado do prefeito de Feira.

Política

17 de Fev // Gildásio Cavalcante | Política

Em ano de eleição, 17 dos 22 municípios baianos que receberam investimentos do governo do Estado para o Carnaval são da base do governador Rui Costa (PT). O levantamento foi feito pelo Bahia Notícias, com base na lista de cidades apoiadas pela Superintendência de Fomento ao Turismo (Bahiatursa).

 

E, entre as prefeituras da base, a maior parte delas são administradas pelos dois partidos considerados mais importantes no grupo político do petista: PSD e PP. O PSD é, atualmente, considerado o “todo-poderoso” na base de Rui, com seus 83 prefeitos, sete deputados estaduais e o comando da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) e da União dos Municípios da Bahia (UPB). Já o PP, sigla do vice-governador João Leão, tem se tornado a dama a ser cortejada por Rui e o prefeito ACM Neto (DEM).

 

De olho em um possível apoio dos progressistas para sua eventual campanha ao governo estadual, o democrata tem se articulado visando trazer o PP ao seu grupo político. Segundo o levantamento feito pela reportagem, seis das 17 prefeituras são do PSD: São elas: Cairu, Alcobaça, Lapão, Palmeiras, Rio de Contas e São Sebastião do Passé. Outras quatro são governadas por prefeitos do PP: Porto Seguro, Prado, Santa Maria da Vitória e São Félix do Coribe. Já os outros municípios administrados por legendas da base aliada são: Belmonte, Camamu, Juazeiro, Itacaré, Maragogipe e Mucuri.

Política

16 de Fev // | Política

Durante a inauguração da Avenida Mário Sérgio Pontes de Paiva, o governador da Bahia, Rui Costa (PT) disse que vai torcer por um empate no clássico Ba-Vi deste domingo (18), pela sexta rodada do Baianão. Vitória e Bahia se enfrentam no estádio do Barradão. A via, de quatro quilômetro de extensão, liga a Avenida Paralela e o estádio do Leão.

 

"O resultado ideal é o empate no domingo para comemorar a inauguração dessa via para todo mundo sair feliz", afirmou Rui Costa, que torce pelo placar de 2 a 2. "Para ter gol para todo lado para comemorar", completou. Rui Costa também comentou o fato do primeiro clássico Ba-Vi do ano ter a presença das duas torcidas.

 

Além de pedir que os torcedores dos dois clubes, compareçam ao Barradão preparados para receber gozações, em caso de derrota. "É mais emocionante, mais vibrante ver uma torcida vibrar, fica mais colorido. A gente tem superar esse estigma de que as pessoas não podem conviver juntas. Isso é um absurdo! Torcedores do Bahia e Vitória podem e devem estar juntos. Aliás, podem até ser casais. Um torcer para o Bahia e outro torcer pelo Vitória.

Política

16 de Fev // | Política

A intervenção federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro pode impedir que a votação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados seja feita na próxima semana, como previsto pelo governo. A afirmação foi feita pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) segundo informações da Folha de S. Paulo.

 

"Não é razoável na segunda ou terça aprovar um decreto e na quarta suspendê-lo [para aprovar a Reforma]. Isso inviabiliza a próxima semana", declarou Maia. O novo adiamento é ancorado em uma questão legal: a Constituição não pode ser modificada "na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio".

 

Para que a reforma entrasse em votação, a intervenção, prevista para ser votada na próxima segunda-feira (19) ou terça-feira (20), teria que ser suspensa. No entanto, de acordo com a publicação, o deputado ponderou que por se tratar de uma ação excepcional, ele ainda vai estudar o que fazer. "Só temos uma opção: a decisão tem que dar certo. Se não der certo, o que significa isso no dia seguinte?", questionou em entrevista a jornalistas.

Política

16 de Fev // Bocão News | Política

Até 15 de março o prefeito ACM Neto (DEM) tornará pública a decisão se terá candidatura para concorrer ao governo da Bahia. Um número sem fim de especulações movimenta os bastidores dos grupos aliados e oposicionistas. Neto avalia diariamente todos os riscos envolvidos na empreitada, especialmente a renúncia da prefeitura de Salvador.

 

Há quem acredite que o martelo já está batido e que o prazo dado pelo demista não passa de “charminho político”. Um deles é o deputado estadual Marcelo Nilo, que, em entrevista a Mário Kertész, na rádio Metrópole, afirmou que Neto não deve temer eventual derrota para Rui porque “é rico” e tem como se manter sem mandato eleitoral.

 

Além disso, Neto terá lugar de fala em todo o país como presidente nacional do Democratas. “Claro que sai [candidato]. Isso é charminho. Se ele não sair, vai deixar de ser líder da oposição. Se sair e ganhar, ele é governador. Perdendo, daqui a quatro anos é muito forte. Rui não poderá ir para reeleição. [ACM Neto] tem estrutura para viver sem mandato, ele é um homem rico e vai ser presidente nacional do Democratas”.

Política

16 de Fev // | Política

O vereador e cantor Igor Kannário (PHS) deu um escorregão em sua vida política enquanto estava em cima do trio elétrico no Carnaval deste ano. Ao criticar a ausência de ACM Neto durante sua passagem pelo circuito Osmar, no Campo Grande. Pessoas próximas ao prefeito relataram a situação ao Bahia Notícias.

 

A atitude irritou ACM Neto e pode complicar a situação dele dentro da Câmara. No domingo, enquanto passava pelo camarote da prefeitura, Kannário cobrou atenção do gestor municipal e aliado político. "O prefeito tinha que estar aqui comigo. Se ele estivesse aqui, eu ia escaldar mesmo. Só quando passa quem a prefeitura apoia, ele fica?", disse.

 

Por meio da assessoria, ele tentou contornar a situação defendendo que "teve a intenção de se dirigir ao governador do Estado, e não ao chefe do Executivo Municipal”. No entanto, o prefeito ACM Netojá havia ficado contrariado com a declaração dada de cima do trio durante o carnaval. Somado à falta de comprometimento do vereador junto à bancada do prefeito ACM Neto, esse fato pode deixar Kannário mais isolado dentro da base.

Política

16 de Fev // | Política

Desistir de concorrer à Presidência da República nas eleições de outubro deste ano ainda não foi uma decisão bem assimilada pelo apresentador Luciano Huck. De acordo com a coluna de Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo, ele está triste “como quem interrompe uma gravidez”, disse um de seus próximos interlocutores.

 

"Vou ali chorar um pouquinho e já volto", afirmou o global a colegas que conversaram com ele depois de bater o martelo. Segundo um amigo de Huck, a sensação é de frustração. "O corpo todo se preparava e se movia para a chegada dessa nova vida. E ela teve que ser interrompida. É frustrante", contou.

 

Conforme a publicação, mais de uma pessoa que convive com o apresentador afirmou que ele estava entusiasmado como nunca para disputar o Palácio do Planalto. Os relatos são de que ele já estava fazendo planos e acreditava que, em dentro de cem dias de governo, poderia aprovar reformas e devolver esperanças aos brasileiros. A possibilidade do apresentador de desistir de vez começou a surgir após uma pressão da TV Globo.

Política

15 de Fev // | Política

Uma perícia contratada pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirma que a empreiteira Odebrecht apresentou provas falsas à Justiça em relação aos repasses de propinas registrados no sistema de contabilidade paralela da empresa, o Drousys. Lula pede suspensão de perícia sobre sistema de propina da Odebrecht

 

De acordo com a Coluna Painel, da Folha de S. Paulo desta quinta-feira, o perito responsável pelas análises aponta marcas de montagens em extratos entregues pela empreiteira ao Ministério Público Federal (MPF) para incriminar o petista, além de inconsistências em datas de transações e em assinaturas.

 

Os documentos analisados integram a ação da Lava Jato contra Lula que investiga o uso do apartamento vizinho ao do ex-presidente, em São Bernardo do Campo. Segundo a acusação, o imóvel foi custeado pela Odebrecht como pagamento de propina. A publicação pontua que o perito que analisou estes últimos documentos é o mesmo que atestou a validade formal dos recibos apresentados por Lula como prova de que o aluguel do imóvel foi pago por ele.

Política

15 de Fev // | Política

O Carnaval é também um momento de exposição em excesso dos gestores públicos. É e sempre foi dessa forma. São durantes os dias da folia que o prefeito de Salvador e o governador da Bahia fazem breves testes de popularidade e também são alvos referenciais dos veículos de imprensa tanto quanto os artistas que fazem a festa.

 

Em 2018, não poderia ser diferente. ACM Neto (DEM) e Rui Costa (PT) contabilizaram, ao longo dos seis dias de festa oficial, muito espaço na imprensa, com o prefeito à frente nesse processo, até pelo caráter de “anfitrião” da festa. Porém foram deles duas ausências muito comentadas ao longo da Folia de Momo.

 

Rui Costa não foi à abertura oficial, dessa vez realizada no Circuito Dodô, na Barra, e preferiu acompanhar a pipoca do cantor Léo Santana, patrocinada pelo governo no Campo Grande. Optou por não encontrar com o prefeito ACM Neto, ainda que fosse aguardada a presença de ambos no Camarote Expresso 2222, onde aconteceu a entrega das chaves ao Rei Momo. Este texto integra o comentário desta quinta-feira (15) para a RBN Digital.

Política

14 de Fev // | Política

Dos 81 senadores eleitos nas eleições de 2010 e 2014, cinco renunciaram, três morreram, dois foram cassados e outros 25 chegaram a se afastar do mandato no Senado. Desde então, 41 suplentes assumiram o cargo em algum momento da legislatura. Os dados são de um levantamento feito pelo G1 e divulgados nesta quarta-feira (14).

 

O principal motivo para o afastamento foi a nomeação para cargos políticos no Executivo, como um ministério ou uma secretaria. Pelo menos 15 senadores titulares saíram temporariamente do Legislativo por esse motivo. Neste ano, o eleitor votará duas vezes para senador. Como o mandato de senador é de 8 anos, 2/3 da Casa serão renovados nestas eleições.

 

O professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) Direito no Rio de Janeiro, Michael Mohallem diz que, em muitos casos, o eleitor não tem consciência de quem são os suplentes em uma chapa para senador – o que pode trazer uma frustração "porque eles não foram escolhidos diretamente". "A verdade é que as pessoas são mais focadas em saber quem é o candidato que puxa a chapa, e não há essa cultura de fazer uma análise da suplência", afirma.

Política

14 de Fev // | Política

O governador Rui Costa afirmou ao jornal Folha de São Paulo que há nomes no PT com força suficiente para assumir o posto caso Lula não participe da disputa. “Há sim. E o nome não precisa ser do PT. Pode ser uma pessoa que tenha a mesma concepção de distribuição de renda e desenvolvimento”, disse.

 

Questionado se poderia citar algum nome como exemplo, ele resolveu não revelar. “Não, prefiro não dar nenhum nome”. Ainda durante a entrevista, o governador reprovou a condenação de Lula pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, a qual confirmou, por unanimidade, a condenação do petista pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

 

“Não há prova, mensagem de celular, bilhete, registro de cartório. Ele nem sequer dormiu uma noite no apartamento. O juiz o condenou dizendo que estava convencido de que ele aceitaria o apartamento. O que estão fazendo é uma perseguição histórica. Algo semelhante só ocorreu com Getúlio Vargas. Na medida em que se impeça o Lula, vai aumentar a insatisfação da população com esse sistema, que é seletivo, e com o Judiciário”.

Política

14 de Fev // | Política

Sem expectativa de manter a unidade dos partidos aliados na eleição, o Palácio do Planalto mudou a estratégia e passou a elogiar o apresentador Luciano Huck, sob o argumento de que ele pode até mesmo ter o apoio do MDB, se for candidato à cadeira do presidente Michel Temer seundo informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

O movimento foi calculado para reagir às articulações do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na tentativa de mostrar que o MDB pode desequilibrar o jogo. Dono do maior tempo de TV na propaganda política, o partido de Temer não pretende avalizar Huck, que hoje flerta com o PPS.

 

Com a nova tática, porém, demarca o território para deixar claro que, se não querem o seu "dote" por medo da impopularidade do presidente, um outsider na política pode levá-lo e sair na frente nessa corrida. Nos bastidores, auxiliares de Temer dizem que tanto Alckmin quanto Maia fazem discurso público favorável à reforma da Previdência, mas, na prática, lavam as mãos e não ajudam a angariar votos para aprovar a proposta.

Política

14 de Fev // | Política

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, apontou o prefeito de Salvador, ACM Neto, como um importante aliado para a eleição presidencial deste ano. Durante entrevista concedida no Campo Grande durante a tarde de terça-feira (13), ele ainda despistou sobre o suposto interesse do PP em deixar a base aliada de Rui Costa e apoiar Neto.

 

"O negócio do PP não sei, mas que qualquer candidato a presidente quer apoio do prefeito, quer", declarou Maia, que estava acompanhado do próprio ACM Neto e do prefeito de São Paulo, João Doria. O presidente da Câmara é apontado como provável candidato a presidência da República pelo DEM, mas ainda prefere não falar como concorrente ao cargo.

 

"A decisão do DEM vai entre março e junho. Como estou na política e política é espaço para escutar, óbvio que qualquer um de nós está nesse processo. Não é constrangimento dizer que o DEM terá candidato", comentou. Na avaliação dele, os políticos precisam entender que o país passa por um processo de renovação. "Se não compreender essa transformação, vamos ficar pra trás e a sociedade vai escolher outros pra governar", afirmou.

Política

14 de Fev // | Política

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou na terça-feira (13) não assumir uma posição de antagonista ao atual vice-governador paulista, Márcio França (PSB). O socialista é cotado para ser o candidato de Geraldo Alckmin à sucessão no Palácio dos Bandeirantes e Doria também é citado como postulante a disputar o cargo pelo PSB.

 

“Se o vice quiser filiar ao PSDB, não há nenhum mal”, defendeu Doria, em entrevista coletiva durante o Carnaval de Salvador. Doria defendeu que o PSDB realize prévias tanto no plano estadual quanto na disputa federal – o nome dele chegou a ser cogitado para disputar o Palácio do Planalto, porém acabou desidratado ao longo dos últimos meses.

 

“Sou filho das prévias. É bom, é saudável. Defendo que a prévia seja a mesma data em São Paulo e em outros estados”, disse Doria, ao ressaltar não se “apresentar” como candidato ao governo de São Paulo. De passagem por Salvador em companhia do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), o prefeito de São Paulo destacou o “sangue baiano” do pai e relatou ter curtido a folia “antes de surgir o primeiro trio elétrico”.

Política

14 de Fev // | Política

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, veio a Salvador para acompanhar o último dia de Carnaval a convite do prefeito ACM Neto. Em entrevista na sala de imprensa, no Campo Grande, Maia voltou a defender a reforma da Previdência, para acabar com privilégios, e uma candidatura do DEM à Presidência da República em outubro.

 

O prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), também veio a Salvador nesta terça. Apesar de o nome dele ser o favorito para a disputa, Maia negou já haver definição e disse que o partido deverá definir a candidatura entre março e junho. "Eu acho que essa eleição está aberta. Aquele que conseguir se organizar politicamente vai ter chance de ganhar".

 

"Eu acredito que a política é um espaço para melhorar a vida das pessoas. Então, não há nenhum constrangimento", afirmou. "O DEM tem bons nomes, tem aqui o prefeito ACM Neto, o ministro da Educação (Mendonça Júnior), o meu nome está colocado. Se a gente entender que isso não é uma aventura, que não vai contra um caminho de mudança que a política brasileira precisa, eu tenho certeza que o DEM terá seu candidato", complementou.

Política

12 de Fev // | Política

O apresentador Luciano Huck usou, em 2013, um empréstimo de R$ 17,7 milhões do BNDES para comprar um jatinho particular da Embraer. O financiamento, do programa BNDES Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos), teve como beneficiária a Brisair Serviços Técnicos e Aeronáuticos Ltda onde Luciano e Angelica Huck são sócios.

 

O Itaú é a instituição financeira intermediária. Huck tem conversado com partidos e políticos sobre uma possível candidatura à Presidência. Oficialmente, ele nega que disputará a eleição. Os juros do empréstimo, datado de 29 de maio de 2013, foram de 3% ao ano, com 114 meses de amortização para o pagamento.

 

A compra foi feita por meio do PSI (Programa de Sustentação do Investimento), que destinava-se a financiar investimentos de empresas, compra de bens de capital, ações de pesquisa e desenvolvimento e exportações. O programa oferecia juros subsidiados —ou seja, parte do empréstimo era coberta pelo Tesouro, já que a correção era inferior aos 6,75% da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada até o ano passado nos empréstimos do BNDES.

Política

11 de Fev // | Política

O apresentador Luciano Huck deve se encontrar com dirigentes do PPS depois do Carnaval para negociar sua possível candidatura à Presidência da República pelo partido. A ideia do encontro é traçar uma estratégia para tentar o nome de Huck o quanto antes. O global já se reuniu com Fernando Henrique Cardoso, do PSDB.

 

Huck também teve se encontrado com representantes do DEM. O PPS declarou interesse no nome do apresentador para a disputa e nos últimos meses passou a estreitar relações com o movimento 'Agora', do qual Huck faz parte. Uma das ações foi assinar uma carta-compromisso para um trabalho conjunto no período de eleições.

 

"Essa decisão é muito solitária, mas deixamos claro que ele teria aqui no partido protagonismo no processo decisório das eleições", disse o presidente nacional do partido, Roberto Freire. Segundo ele, a situação do PPS é melhor do que as do PSDB, onde o governador Geraldo Alckmin tem se mostrado insatisfeito com o "namoro" do partido com Luciano Huck segundo O Globo. Procurado, Huck não respondeu aos recados deixados em sua caixa postal.

Política

11 de Fev // | Política

O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, telefonou neste sábado (10) para o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), para dar as primeiras explicações sobre a entrevista concedida à agência Reuters. Durante a ligação, os dois agendaram um encontro para o próximo dia 19.


À agência de notícias, Segovia comentou o andamento do inquérito em que o presidente Michel Temer é investigado por supostamente beneficiar uma empresa privada na edição de um decreto sobre o setor de portos. O diretor disse, por exemplo, segundo a Reuters, que a tendência é a PF pedir o arquivamento das investigações.

 

O inquérito tramita no Supremo e é supervisionado por Barroso, que intimou Segovia a dar explicações sobre as declarações à Reuters. Durante a conversa pelo telefone, Segovia disse a Barroso que as declarações foram mal interpretadas e, por isso, levará a transrição da entrevista ao ministro. Responsável pela interlocução do Planalto com o Congresso, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, avaliou que Segovia "verbalizou o óbvio".
 

Política

09 de Fev // | Política

O presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira (9) que acionou a Polícia Federal e o Cade, ligado ao Ministério da Justiça, para investigar os aumentos de preços da gasolina nos postos de combustível. Segundo Temer, quando a Petrobras aumenta o preço nas refinarias, o valor nas bombas de combustível sobe.

 

Mas, de acordo com o presidente Michel Temer, o valor nas bombas não desce quando a Petrobras diminui nas refinarias. Ele deu a declaração ao ser questionado, numa entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, sobre os sucessivos aumentos nos preços dos combustíveis segundo informações do G1.

 

"Ainda hoje determinamos ao Cade e à PF que fiscalize os postos [...] Quando tem aumento, a bomba registra, quando registra redução, a bomba não registra. Não vamos permitir. Vamos botar PF e Cade atrás dessa fiscalização para impedir essa espécie quase de agressão ao consumidor. Essa providência já está sendo tomada", afirmou. O preço médio da gasolina alcançou R$ 4,221 por litro no Brasil na semana passada.

Política

08 de Fev // | Política

Possível aliado do PT no Ceará, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), disse nesta quinta-feira (8) que o único plano B dos petistas, caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não seja candidato, é o ex-ministro e ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT-BA) segundo informações do Estadão.

 

Na opinião de Eunício, o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad "não agrega". "PT só tem um nome. Haddad não agrega. Pode ser intelectual, mas não agrega", disse em conversa com jornalistas na residência oficial do Senado. Eunício Oliveira disse também que, caso Lula consiga ser candidato, ele considera votar no petista.

 

Mas explicou que só fará isso se o MDB não tiver candidato à Presidência ou não obrigar os membros do partido a votar em determinado nome de aliança partidária. "Se meu partido não tiver candidatura própria e minha coligação não me obrigar, eu vou votar no outro candidato. Eu fui ministro do Lula. Ele fez a transposição (do Rio São Francisco) e resolveu o problema da água em quatro estados", disse Eunício Oliveira.

Política

08 de Fev // | Política

O apresentador Luciano Huck voltou a ser cogitado como candidato à Presidência da República após uma série de declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sugerirem que o nome dele seria bom para "arejar, botar em perigo a política tradicional" brasileira de acordo com o colunista Merval Pereira, de O Globo.

 

Nesta quinta (8), Huck e FHC se reúnem para discutir o cenário político nacional, e o ex-presidente trabalha com a hipótese de ter o apresentador como candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, em substituição ao governador de São Paulo Geraldo Alckmin, pré-candidato tucano ao posto e que não decola nas pesquisas.

 

Apesar das movimentações que ainda o mantém na disputa, Huck negou ser candidato ao se defender no TSE sobre eventuais irregularidades na participação dele no programa “Domingão do Faustão” comentando a necessidade de renovação da política. Segundo a Coluna do Estadão, a defesa do apresentador “reitera que não será candidato no pleito deste ano”. Na última pesquisa Datafolha, Huck apareceu com 8% das intenções de voto.

Política

08 de Fev // | Política

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na noite desta última quarta-feira (07) que o governo continua a não ter os 308 novos necessários para a aprovação da reforma da Previdência na Câmara. A contagem indica que há pouco mais de 250 parlamentares dispostos a aprovar a medida, disse ele.

 

Maia falou após fazer apresentação em evento fechado do BTG Pactual. "Hoje infelizmente ainda não temos os 308 votos", declarou, destacando que a estratégia vai ser construir a maioria na Câmara para conseguir chegar ao número necessários. "Uma votação sinalizando que vai perder, há a chance de ter 100 votos ou nem ter quórum", afirmou.

 

A afirmação veio ao ser perguntado se o governo vai insistir com a votação da reforma mesmo sabendo que não tem os votos necessários. Sobre a nova mudança do texto da reforma, que reduziu o tempo de contribuição de 25 anos para 15, entre outras medidas, Maia ressaltou que o importante é com este texto "dialogar com outras forças políticas que não estão no debate", como os prefeitos e governadores segundo informações do Estadão Conteúdo.

Política

08 de Fev // | Política

O presidente do DEM na Bahia, deputado federal José Carlos Aleluia, confirmou nesta última quarta-feira (07) que o prefeito de Salvador, ACM Neto, deve ser sagrado presidente nacional da sigla na convenção do partido, que acontee no próximo dia 8 de março segundo informações do Bahia Notícias.

 

Ainda segundo ele, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), também vai se lançar pré-candidato à Presidência da República no mesmo evento. Em entrevista ao Bahia Notícias, Aleluia declarou que o nome de Neto para comandar a legenda nacionalmente já está se tornando consenso na Executiva nacional.

 

“Os companheiros do partido estão pedindo isso. E Neto será uma boa opção. Acho que ele vai ser eleito sem disputa, como um consenso”, declarou o parlamentar, ao completar também que o prefeito tem admitido a possibilidade, “como uma nova responsabilidade”. Sobre Rodrigo Maia, Aleluia disse que o democrata já está preparando o texto que vai ler na convenção, no qual lançará as bases de sua candidatura ao Palácio do Planalto.

Política

07 de Fev // | Política

Representantes das centrais sindicais reuniram-se nesta quarta-feira (07), com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para pedir que a reforma da Previdência não seja votada este ano na Câmara. As centrais pedem que a questão seja bem discutida com a sociedade nas eleições e que fique a cargo do próximo governo.

 

A reunião ocorreu na residência oficial de Maia em Brasília. "Na medida em que [a reforma] tiver uma derrota acachapante na Câmara, com certeza as bolsas vão cair, o dólar vai subir, será muito ruim para a economia. É bom para o Brasil que a discussão seja feita nas próximas eleições", defendeu o deputado federal Paulinho da Força Sindical (SD).

 

"Não há possibilidade nenhuma de esse assunto que a maioria da sociedade ainda não compreendeu direito e quem compreendeu sabe que será prejudicial se for votado. É preciso retirar da pauta e fazer um amplo debate com a sociedade", disse a vice-presidente da CUT, Carmen Foro segundo a Agência Brasil. Participaram da reunião além da Força Sindical e da CUT, representantes da Nova Central Sindical de Trabalhadores.

Política

07 de Fev // | Política

Cidade dos sonhos! Michel Temer não assume publicamente, mas está cada vez mais convencido de que não tem nada a perder se for candidato à reeleição para defender seu legado. Inflado por otimistas, acredita numa melhora do ambiente econômico capaz de levar sua popularidade a dois dígitos até maio.

 

O presidente tem espalhado essa mensagem entre dirigentes de siglas aliadas e no próprio partido. Quem tem os pés no chão torce para que “a realidade traga o debate para o ponto certo”. Prova dos nove: O flerte de Michel Temer com a eleição será mais um teste de resiliência para o ministro Henrique Meirelles.

 

O titular da Fazenda já sabe que só terá guarida em sua legenda, o PSD, até a primeira semana de março. Depois disso, a cúpula da sigla pretende selar a aliança com Geraldo Alckmin (PSDB). Custo-benefício: No MDB há quem torça para que Meirelles se abrigue no partido até que o quadro se defina. Esse grupo diz que, se o presidente concorre e perde, enterra de vez não só a história de seu governo como também a legenda segundo informações da Folha de S. Paulo.

Política

07 de Fev // | Política

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, criticou a atenção que Ministério Público e Polícia Federal têm dado no combate à corrupção. Durante encontro promovido pela Abrig, o peemedebista disse que a PF tem falhado na fiscalização das fronteiras e, consequentemente, facilita o ingresso de armas e drogas destinadas a facções criminosas.

 

"A segurança pública é uma questão que tem se tornado mais grave até porque o país, nos últimos, fez opção pelo combate à corrupção no lugar de combater bandido. Essa é a realidade", disse o ministro. Segundo ele, as operações contra corrupção são necessárias e até mudaram o Brasil, mas não devem ser tratadas por caráter de excepcionalidade.

 

Marun acredita que a realidade leva a uma dificuldade territorial, como o Estado brasileiro perder na guerra contra o crime organizado. "O Brasil vive uma guerra, não é uma guerra que possa ser combatida. Não temos leis, não reconhecemos estado de guerra. Não adotamos nesse combate leis de guerra. O armamento é de guerra, existe ocupação de território, estabelecimento de outras leis nos territórios ocupados pelo crime. É um estado de guerra".

Política

07 de Fev // | Política

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Sepúlveda Pertence disse nesta última terça-feira (06) que ainda vai avaliar a estratégia para a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas adiantou que não é seu estilo ser agressivo. Sepúlveda disse ainda que a situação do petista é uma perseguição.

 

"É pior, a maior (perseguição) desde Getúlio Vargas", afirmou. Convidado pelo advogado Cristiano Zanin Martins, responsável até aqui pela defesa de Lula, Sepúlveda disse que ainda vai conhecer o processo e combinar "com os companheiros" o que pode mudar na defesa. Sepúlveda é considerado um dos maiores especialistas em processo penal do Brasil. 

 

Ao ser comparado com Zanin e questionado se adotará também uma linha mais agressiva, Sepúlveda rebateu: "não é meu estilo". O ex-ministro minimizou o fato de que ele vai comandar a estratégia e disse que ela será combinada com os outros advogados. O novo advogado do ex-presidente não quis comentar as declarações do novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luiz Fux durante solenidade de posse na última terça-feira.

Política

07 de Fev // | Política

O presidente Michel Temer afirmou, em entrevista à Band exibida na noite de terça-feira (6) que mantém a indicação de Cristiane Brasil (PTB-RJ) para o Ministério do Trabalho e que respeitará a decisão final da Justiça. A nomeação da deputada foi barrada por uma sequência de decisões judiciais e está nas mãos do Supremo Tribunal Federal.

 

"Evidentemente, eu vou obedecer o que o Judiciário acabar decidindo", disse Temer. O presidente defendeu a prerrogativa de o presidente da República nomear ministros e comparou a situação da deputada, que é alvo de processos trabalhistas, com a de um ministro dos Transportes que tenha recebido multas de trânsito ou a de um ministro da Saúde que fume.

 

"Eu estou caricaturando um pouco para demonstrar que até ao nomear eu posso cometer um eventual equívoco administrativo. O que não posso cometer é equívoco jurídico. É por isso que, ao utilizar a competência privativa, como disse, do presidente da República, eu fiz o correto." Michel Temer declarou em entrevista não se arrepender de ter escolhido Cristiane Brasil para o cargo segundo informações do Estadão Conteúdo.

Política

07 de Fev // | Política

Em discurso no plenário do Senado para lançar sua pré-candidatura à Presidência da República, na terça-feira (06), o senador Fernando Collor (PTC-AL) se colocou como um nome de centro, progressista e liberal. Collor relembrou sua eleição em 1989, lamentou que não tenha concluído integralmente o mandato presidencial.

 

Ele garantiu que possui "a experiência, a coragem, o equilíbrio e maturidade" para comandar o país. "O íntimo do meu sentimento público hoje me diz que seria covardia de minha parte renunciar à verdade e desviar de mais um desafio que o destino me impõe. Os temores da história não podem preceder aos ardores da modernidade", declarou.

 

Ele afirmou que o Brasil precisa de "um centro democrático progressista e liberal capaz de promover as mudanças demandadas pelo povo brasileiro" e que os movimentos não devem mais se prender ideologicamente a "meros rótulos da esquerda ou da direita". O ex-presidente criticou o que classificou como um forçado espírito de renovação política e defendeu um "novo pacto federativo" para aglutinar no governo os "melhores quadros".

Política

06 de Fev // | Política

Impedida de tomar posse como ministra do Trabalho, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) decidiu não retornar aos trabalhos na Câmara esta semana, na véspera do carnaval. Segundo a reportagem apurou, ela foi aconselhada por assessores a ficar longe de Brasília para evitar novos desgastes com a opinião pública.

 

Parlamentares do PTB, no entanto, chegaram a fazer um apelo para que ela e o pai, Roberto Jefferson, participassem da reunião da bancada marcada para esta terça-feira, 6. A avaliação de alguns deputados é que o caso já gerou muito ônus à imagem do partido e que ideal seria indicar outro nome para o cargo.

 

Além de a posse de Cristiane estar barrada pela Justiça, no final de semana surgiram novas acusações contra Cristiane que ampliaram o imbróglio em torno da indicação. Conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo no último sábado, Cristiane é alvo de um inquérito que apura suspeitas de associação com tráfico durante a campanha eleitoral de 2010. Jefferson, que é presidente nacional do PTB, resiste a desistir da nomeação da filha.

Política

06 de Fev // | Política

O ex-presidente Fernando Henrique (PSDB) afirmou que uma possível candidatura de Luciano Huck ao planalto seria bom para "arejar, botar em perigo a política tradicional" brasileira. “É preciso que ela [a política] seja desafiada por pessoas portadoras de ideias e processos políticos novos para que o próprio partido possa avançar".

 

A declaração foi dada à Rádio Jovem Pan. Segundo Fernando Henrique, o PSDB já passou por um movimento de renovação (onda azul) que não pegou. "A onda deu na praia", falou. O ex-presidente reiterou que apesar de gostar de Huck e de ser amigo da família dele, isso não significa que irá apoia-lo caso ele se candidate.

 

"Acho que os partidos são importantes e quem não tem partido depois para governar é difícil. Dito isso, acho que Luciano, se ele se dispuser a ser candidato, é um candidato, vamos ver o que ele vai dizer". Sobre o futuro do prefeito de São Paulo, João Dória, FHC declarou que a tendência natural é que ele seja candidato a governador. "Ele sempre que pode quer alçar voos mais altos. A tendência dele será de voos mais altos, me parece", disse.

Política

06 de Fev // | Política

O ex-presidente Lula criticou o juiz Sergio Moro por receber auxílio-moradia nesta terça-feira (06). O petista reproduziu em sua página oficial no Twitter alguns trechos de sua entrevista, na qual criticou o Ministério Público e aconselhou os brasileiros que não receberam reajuste salarial a requererem o benefício.

 

"Agora aprendi uma nova: o povo brasileiro que não tem aumento de salário, por favor, façam como juiz Moro e requeiram auxílio-moradia. Ou façam como os procuradores, porque isso que está na imprensa", afirmou. A reportagem revelou recentemente que o juiz Sergio Moro recebe auxílio-moradia mesmo tendo imóvel próprio em Curitiba.

 

"Como pode uma pessoa que recebe 30 mil requerer auxílio-moradia porque não teve aumento de salário, enquanto o povo está sem despejado, enquanto as pessoas que ganham um salário mínimo não têm mais Minha Casa, Minha Vida?", declarou o ex-presidente em entrevista à "Radio Jornal" de Pernambuco na manhã desta terça. Lula também afirmou que não guarda raiva, mas que tem gente que usa o cargo como dirigente partidário.

Política

06 de Fev // | Política

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou nesta terça-feira (6) que, se a reforma da Previdência não for aprovada em fevereiro, o governo vai partir para "uma política de administração de danos". Segundo ele, o governo de Michel Temer tem como chegar ao fim, sem a reforma segundo informações do Estadão Conteúdo.

 

Em evento da Abrig, que luta pela regulamentação do lobby no Brasil, o ministro disse que o projeto de privatização da Eletrobras tem chance de ser aprovado este ano. Ele reafirmou a defesa da aprovação da reforma da Previdência, mas fez questão de destacar que o governo não vai deixar a discussão do tema passar de fevereiro.

 

Para ele, esse é um direito do governo. Carlos Marun criticou os governadores que, "de dia criticam a reforma e à noite rezam por ela". Ele mencionou dois Estados governados pelo PT em que o déficit previdenciário é elevado: Minas Gerais, com R$ 16 bilhões em 2017, e Piauí, com R$ 1 bilhão no ano passado. O ministro também criticou os parlamentares que dizem que a reforma é necessária, mas que não há clima para a sua aprovação.

Política

06 de Fev // | Política

Mesmo após levar mais de dois anos sem pagar integralmente as emendas impositivas aos deputados estaduais, quando começou a fazê-lo no ano passado, o governo do Estado não chegou a empenhar para nenhum parlamentar pelo menos o valor total - anual - de R$ 1,4 milhão para cada segundo o Bahia Notícias.

 

E a divisão dos R$ 15,4 milhões desembolsados para os deputados no ano passado não foi muito igualitária. Teve gente agraciada com valores graúdos, outros tiveram que se contentar com pouco, enquanto alguns saíram de mãos abanando. O deputado Antônio Henrique Júnior (PP) foi o campeão de emendas de 2017.

 

Ele recebeu R$ 824.980,00. Em seguida, veio Ivana Bastos (PSD), com R$ 780.807,53. O pódio é completado com o deputado Aderbal Caldas, que recebeu do Executivo R$ 762.627,56 para distribuir em ações para sua base eleitoral. No “TOP 5”, ainda estão Eduardo Salles (PP), com R$ 695.623,59, e Nelson Leal (PSL), que obteve R$ 678.899,85. Vale destacar que, no ranking dos mais agraciados, todos os deputados são da base governista.

Política

06 de Fev // | Política

O presidente Temer defendeu a reforma da Previdência em mensagem direcionada a deputados e senadores, na segunda-feira (5), durante a abertura do ano legislativo. No texto, lido pelo primeiro-secretário da Câmara, deputado Giacobo, Temer avaliou o projeto foi "amplamente discutido" com os parlamentares e "chegou a hora de tomar uma decisão".

 

Ele destacou que o governo fez diversos ajustes para "criar regras de transição mais suaves" e que a sociedade está mais aberta à proposta. "Na sessão legislativa que ora se inaugura, nossas atenções estão voltadas para a tarefa urgente de consertar a Previdência. O atual sistema é socialmente injusto e financeiramente insustentável".

 

"É socialmente injusto porque transfere recursos de quem menos tem para quem menos precisa, concentrando renda. É financeiramente insustentável porque as contas simplesmente não fecham, pondo em risco as aposentadorias de hoje e de amanhã", escreveu Temer. Segundo o peemedebista, a reforma "combate desigualdades, protege os mais pobres, responde à nova realidade demográfica de nosso País" segundo o Estadão.

Política

06 de Fev // | Política

Após participar de reunião na casa do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (MDB), disse que foi discutida uma maneira de instituir um novo fundo para "suportar" o rombo da Previdência nos Estados. Participaram da reunião os governadores de dez unidades da Federação.

 

Sartori explicou que Maia levou três economistas para apresentar essa nova proposta. "Todos sabem que os Estados têm dificuldades. Só o Rio Grande do Sul tem um déficit de R$ 10,5 bilhões neste ano que passou", afirmou. "Vamos preparar o terreno para defender os direitos dos estados junto com a União."

 

Além de José Ivo Sartori, participaram da reunião os governadores Luiz Fernando Pezão (MDB-RJ), Renan Filho (MDB-AL), Raimundo Colombo (PSD-SC), Fernando Pimentel (PT-MG), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), Tião Viana (PT-AC), Marconi Perillo (PSDB-GO) e Wellington Dias (PT-PI). O governador de Sergipe, Jackson Barreto (MDB), foi convidado, mas enviou um secretário como representante segundo informações do Estadão Conteúdo.

Política

05 de Fev // | Política

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB) acredita ser alvo de uma "campanha difamatória" por estar impedida de assumir o Ministério do Trabalho. Em nota divulgada nesta segunda-feira (5), ela afirmou que está sendo julgada de forma política e pediu celeridade ao STF na análise do recurso que ela protocolou na Corte para liberar a sua posse na pasta.

 

“Venho sofrendo uma campanha difamatória que busca impedir minha posse no Ministério do Trabalho. Peço, respeitosamente, à ministra Cármen Lúcia que julgue o mais rápido possível essa questão, baseada na existência de duas ações trabalhistas que tive no passado", aponta Cristiane no texto. "Estou sendo julgada política e não juridicamente", concluiu.

 

Cristiane foi escolhida pelo presidente Temer para chefiar a pasta no início do mês passado, mas enfrenta uma série de decisões judiciais que impedem que ela assuma o cargo. Inicialmente, a Justiça Federal em Niterói, no Rio, suspendeu a posse. O juiz Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal Criminal, argumentou que não atende ao requisito da moralidade administrativa por já ter sido condenada por dívidas trabalhistas.





Classificados


Enquete



Mais Lidas