Notícias

Economia

Economia

14 de Dez // G1 | Economia

Dos 27 governadores que tomam posse ou permanecem no cargo a partir de janeiro de 2019, seis vão começar o mandato com uma situação fiscal considerada muito boa ou boa. O tamanho do desafio dos governadores foi mensurado por um estudo realizado pela Tendências Consultorias Integrada. Apenas os governadores de Amapá, Espírito Santo, Amazonas, Rondônia, Tocantins e Paraíba receberão as contas em boas condições.

 

A crise fiscal dos governos estaduais tem um impacto perverso e direto na vida do cidadão. São os estados que fornecem boa parte dos serviços básicos para a sociedade como educação, saúde e segurança pública. Hoje, sem folga no orçamento, boa parte das políticas públicas está sendo comprometida e, em alguns estados, o salário de servidores está atrasado.

 

"A situação dos estados é muito complicada", diz o analista de contas públicas da Tendências, Fabio Klein. O levantamento teve a participação do economista Marcio Milan. Para avaliar a situação dos estados, os analistas deram notas de 0 a 10 com base em dados do Tesouro para seis indicadores das contas públicas: endividamento; poupança corrente, liquidez, resultado primário, despesa com pessoal e encargos sociais e investimentos.

Economia

13 de Dez // Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil | Economia

Frente às decisões tomadas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), 75% dos brasileiros – três em cada quatro – acreditam que o novo governo está no caminho certo. Isso é o que aponta uma pesquisa do Ibope, encomendada pela CNI, divulgada na manhã desta quinta-feira (13).  De acordo com a mesma pesquisa, 14% acham que Bolsonaro e sua equipe estão no caminho errado em relação às suas escolhas.

 

Já 11% não sabem ou não responderam à pergunta. Segundo a avaliação, quanto maior a renda familiar, maior o percentual dos que acreditam que o presidente está no caminho certo. Afinal, enquanto 70% daqueles com renda familiar de até um salário mínimo pensam assim, o número sobe para 82% entre os que têm renda familiar superior a cinco salários mínimos.


Também de acordo com a pesquisa, 64% dos brasileiros ouvidos têm a expectativa de que o governo Bolsonaro será ótimo ou bom. Perguntados quanto às prioridades que o próximo governo deve ter durante a sua gestão, 41% dos entrevistados disseram que é necessário melhorar os serviços de saúde. Além disso, 40% destacaram a promoção da geração de empregos como prioridade para o ano de 2019 segundo informações da Agência Brasil.

Economia

13 de Dez // Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil | Economia

A secretaria especial da Previdência, do futuro Ministério da Economia de Paulo Guedes, terá o mesmo status das outras seis secretarias. Dessa maneira, Marinho se reportará diretamente a Guedes e controlará a sétima secretaria do futuro Ministério. O organograma do futuro ministério está em fase final construção. As então seis secretarias gerais mudarão de nome e também serão chamadas de secretarias especiais.

 

A mudança de nomenclatura se tornou necessária por organização do Poder Executivo no governo Bolsonaro. Ministérios como Defesa e Relações Internacionais já têm o cargo de secretário-geral, o que dá ao ocupante a função de substituir o ministro em caso de ausência do titular. É apenas um secretário-geral por pasta segundo informações do Folhapress.

 

No caso da Economia, Guedes pretende que os secretários reúnam abaixo de si um conjunto de secretarias hoje existentes e dispersas. A escolha então foi por nomeá-los como secretários-gerais. Mas, como a nomenclatura já existia em outros ministérios e tinha outra função, optou-se por batizar essas secretarias então de especiais. Outros dois ministérios terão secretários especiais, para dar conta da fusão de pastas que será conduzida.

Economia

12 de Dez // Foto: Reprodução | Economia

As mudanças propostas pelo governo do estado na estrutura de cargos vai gerar aumento de R$ 9 milhões na despesa com pessoal. As alterações integram o pacote de austeridade enviado pelo governador Rui Costa à Alba com o objetivo de cortar custos e evitar um colapso nas contas do estado. Um estudo ao qual o Correio teve acesso aponta que a medida, ao invés de economizar, vai provocar aumento de custo.

 

O projeto do governo do estado prevê a extinção de pouco mais de 1.800 cargos e a criação de cerca de outros 1.600. Por mês, o custo do governo com pagamento de salários com os atuais 1.800 cargos é de R$ 1,6 milhão, enquanto com os novos cargos criados esse valor sobe para R$ 2,3 milhões. O aumento é de R$ 755,5 milhões por mês segundo o Correio.

 

O estudo foi feito por técnicos em finanças que analisaram o projeto de lei do governo e compararam os cargos por meio da tabela de remuneração do estado. A maioria do cargos que estão sendo extintos são de classificações mais baixas. Serão cerca de mil cargos que recebem a remuneração mínima, que tem a rubrica de DAI-6. Por outro lado, o governo cria quase 300 cargos para a rubrica DAS-3, cuja remuneração mensal é de R$ 2,3 mil.

Economia

12 de Dez // Foto: Valter Pontes/ Coperphoto | Economia

Diante de suas perspectivas para 2019, a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) afirma que vai manter conversas produtivas com o governador Rui Costa e com prefeitos das cidades baianas. A instituição estima que a produção industrial deve crescer 3,1% tanto no estado quanto no país. "Vamos buscar a famigerada política industrial sem nenhum envolvimento político-partidário", frisa Renato Alban.

 

Renato Alban é presidente da Fieb. Ele realizou uma coletiva de imprensa nesta última terça-feira (11), para apresentar os cenários esperados para o setor a partir do próximo ano. De acordo com dados da federação, um crescimento econômico entre 2% e 3% é esperado no quadro nacional, com redução lenta do desemprego segundo informações do Bahia Notícias.

 

Já a Bahia, que é a sexta economia do país e a maior do Nordeste, deve ter um crescimento em torno de 1,8%, abaixo da projeção nacional. Alban explica essa diferença. "Nos dois últimos anos foi a participação relativa, significativa da refinaria Landulfo Alves. Isso em números. No resto é que a gente tem aumentado a matriz industrial, mas não de uma forma tão agressiva", pontua, lembrando a redução de um turno da Ford em 2017.

Economia

11 de Dez // G1 | Economia

A Receita Federal abriu ontem (10) as consultas ao sétimo e último lote do Imposto de Renda de Pessoas Físicas de 2018. Este lote também inclui restituições residuais de 2008 a 2017. As consultas podem ser feitas pelo site da Receita Federal. Também é possível fazer a consulta por meio do aplicativo para tablets e smartphones. Quem não aparecer em um dos sete lotes regulares do IR está automaticamente na malha fina do Leão.

 

Ao todo, serão pagos mais de R$ 319 milhões de reais a 151.248 contribuintes no próximo dia 17 de dezembro. Desse total, R$ 193 milhões referem-se ao sétimo lote do IR de 2018, que contemplará 100.690 contribuintes. Do valor total de restituições, a Receita Federal informou que R$ 127 milhões referem-se aos contribuintes idosos, com mais de 60 anos.

 

Ou também com alguma deficiência física, mental ou moléstia grave, além daqueles cuja maior de renda seja o magistério. Depois dos idosos, contribuintes com deficiência física, mental, moléstia grave ou cuja principal fonte de renda seja o magistério, que têm prioridade no recebimento das restituições, recebem os contribuintes que enviaram a declaração no início do prazo, sem erros, omissões ou inconsistências, se tiverem direito a ela.

Economia

10 de Dez // Foto: Reprodução / EBC | Economia

Na Bahia, 7.821 contribuintes vão receber nesta segunda (10), a retistuição do Imposto de Renda de Pessoas Físicas, no 7º lote. A Receita libera a consulta à lista de quem terá direito ao crédito. O valor será depositado em 17 de dezembro. O lote abrange também restituições de exercícios anteriores (2008 a 2017). Na Bahia, o total do valor que será pago aos contribuintes é de R$ R$ 15.658.326,45 milhões de reais.

 

A maior parte é relativa a 2018: 4.885 contribuintes, num valor total de R$ 9.378.583,97. Assim que abertas, as consultas poderão ser feitas pelo site da Receita Federal. Também é possível fazer a consulta por meio do aplicativo para tablets e smartphones. Terminado o processamento das declarações do IRPF 2018, 30.779 baianos permaneceram retidos na malha.

 

No ano passado, foram 33.466. A quantidade de declarações retidas hoje em malha fiscal corresponde a 2,62% do total de 1.172.546 declarações do IRPF 2018 apresentadas, na Bahia, neste ano. Desse conjunto de declarações retidas em malha, 71,69% apresenta imposto a restituir, 23,99% tem imposto a pagar e 4,32% não apresenta imposto a restituir ou a pagar. As principais razões pelas quais as declarações foram retidas estão logo abaixo.

Economia

10 de Dez // Fernando Frazão/Agência Brasil | Economia

Os indicadores sociais revelam uma realidade perversa para crianças e jovens no Brasil. No ano passado, 12,5% da população brasileira de 0 a 14 anos vivia na extrema pobreza e 43,4% na pobreza, de acordo com dados do IBGE. A pesquisa mostrou um outro dado alarmante do país: entre todos os grupos etários, o porcentual de pobreza por contingente populacional tem maior concentração nas crianças e jovens.

 

Em números absolutos, são 5,2 milhões de brasileiros de 0 a 14 anos na extrema pobreza – o equivalente a quase toda a população da Dinamarca – e 18,2 milhões na pobreza – pouco mais do que o número de habitantes do Chile. É considerado em situação de extrema pobreza quem dispõe de menos de US$ 1,90 por dia, o que equivale a aproximadamente R$ 140 por mês.

 

Já a linha de pobreza é de rendimento inferior a US$ 5,5 por dia, o que corresponde a cerca de R$ 406 por mês. Essas linhas foram definidas pelo Banco Mundial para acompanhar a pobreza global. "A criança pobre tem obviamente menos oportunidade do que a criança não pobre, tem muito menos acesso ao investimento em capital humano", afirma o economista e professor da PUC do Rio de Janeiro José Marcio Camargo. Informações do G1.

Economia

08 de Dez // Foto: Divulgação | Economia

Na Bahia, 7.821 contribuintes vão receber a retistuição do Imposto de Renda de Pessoas Físicas, no 7º lote. A Receita liberará a consulta à lista de quem terá direito ao crédito na segunda (10). O valor será depositado em 17 de dezembro. Conforme o órgão, o lote abrange também restituições de exercícios anteriores (2008 a 2017). Na Bahia, o total do valor que será pago aos contribuintes é de R$ R$ 15.658.326,45 milhões.

 

A maior parte é relativa a 2018: 4.885 contribuintes, num valor total de R$ 9.378.583,97. Assim que abertas, as consultas poderão ser feitas pelo site da Receita Federal. Também é possível fazer a consulta por meio do aplicativo para tablets e smartphones. Terminado o processamento das declarações do IRPF 2018, 30.779 baianos permaneceram retidos na malha.

 

No ano passado, foram 33.466. A quantidade de declarações retidas hoje em malha fiscal corresponde a 2,62% do total de 1.172.546 declarações do IRPF 2018 apresentadas, na Bahia, neste ano. Desse conjunto de declarações retidas em malha, 71,69% apresenta imposto a restituir, 23,99% tem imposto a pagar e 4,32% não apresenta imposto a restituir ou a pagar. As principais razões pelas quais as declarações foram retidas estão abaixo.

Economia

08 de Dez // Foto: Marcos Corrêa / PR | Economia

Para integrantes da equipe econômica e também da assessoria jurídica do governo federal, o presidente Michel Temer (MDB) deve vetar o projeto de lei que livra de punição os municípios que desrespeitarem o limite para gastos com pessoal. Foi essa a sugestão que eles deram ao emedebista, que deve anunciar sua decisão até a próxima semana, segundo informações do blog Painel, do jornal Folha de São Paulo.

 

O projeto foi aprovado pela Câmara dos Deputados na quarta (5). Se sancionado por Temer, ele vai alterar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para garantir que municípios com registro de queda de mais de 10% na arrecadação não sofram sanções se ultrapassarem o limite de gastos de 60% da receita com servidores ativos e inativos.

 

Um adendo é que, de acordo com a publicação, essa regra só vale se a redução for provocada por queda de repasses do Fundo de Participação dos Municípios ou royalties e participações especiais. Atualmente, a regra diz que se uma cidade ultrapassar o teto de gastos e não restabelecer sua situação em até oito meses, ela não poderá receber transferências voluntárias, obter garantia nem contratar operações de crédito até regularizar a situação.

Economia

07 de Dez // Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil | Economia

Após a decisão do ministro Luiz Fux do Supremo Tribunal Federal (STF), que nesta última quinta-feira (6) suspendeu a aplicação de multas contra empresas que não cumprirem a tabela do frete, grupos de caminhoneiros voltaram a ficar agitados com a discussão de uma possível nova paralisação no país. Por grupos de redes sociais, já corre uma convocação para mobilização na madrugada deste próximo domingo (9).

 

Um dos líderes do movimento ocorrido em maio deste ano, Wallace Landim, o "Chorão", disse à reportagem que uma paralisação não está descartada, mas que só vai se posicionar sobre o assunto após conversar com a (Advocacia-Geral da União (AGU). Ele tentará se encontrar com a advogada-geral da União, Grace Mendonça, ainda nesta sexta-feira (7).

 

O encontro, porém, não está confirmado. "Eu só vou me posicionar depois que eu conversar com o pessoal da AGU. Mas não está descartado, não. Se precisar, a partir da próxima semana, a gente já está se articulando", disse Chorão. O diretor do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Estado de São Paulo, Ariovaldo de Almeida Junior, pede que os caminhoneiros reflitam sobre uma paralisação de 24 horas.

Economia

07 de Dez // Foto: Divulgação | Economia

Apesar de o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão ter anunciado em agosto que a proposta de orçamento não prevê concursos para 2019, o projeto de lei orçamentária anual (PLOA) do ano que vem projeta a criação de 2.095 cargos. Em 2018, não houve previsão de criação de novas vagas. Além disso, o governo federal pode contratar ainda até 40.632 servidores por concurso público no ano de 2019.

 

Esses servidores são para ocupar cargos que já existem e estão vagos ou para substituir terceirizados. O ministério explicou que a proposta incluiu uma reserva orçamentária para concursos no ano que vem, mas não há previsão de autorizações para a realização das seleções. “O próximo governo poderá conceder novas autorizações”, informou o ministério.

 

Segundo a proposta, as 2.095 novas vagas a serem criadas são para a composição do quadro de pessoal de novas universidades nas regiões de Catalão (GO), Delta do Parnaíba (PI), Rondonópolis (MT), Jataí (GO) e Agreste de Pernambuco (PE), além da Agência Nacional de Águas. O Ministério do Planejamento ressalta que em 2019 os concursos públicos nos órgãos do Poder Executivo Federal permanecem restritos segundo informou o G1.

Economia

07 de Dez // Foto: Adriano Machado/Reuters | Economia

O governo de Michel Temer (MDB-RJ) deixará como herança ao menos R$ 335,6 bilhões de investimentos já engatilhados, fruto de privatizações e concessões realizadas nos últimos anos, e outros R$ 195 bilhões em projetos em fase de preparação segundo informações do Folhapress. Apesar das cifras bilionárias, para o mercado, o valor é baixo perto do que o país precisa para reduzir seu déficit na área de infraestrutura.

 

"O investimento anual deveria ser de R$ 350 bilhões a R$ 400 bilhões de reais por ano. Há espaço para isso, em [setores como] estradas, aeroportos, portos, energia", afirma António Bernardo, presidente da consultoria alemã Roland Berger. "O governo teve boas intenções, mas não concretizou muito. O desenvolvimento precisaria ser muito mais rápido", diz ele.

 

O raio-x dos investimentos gerados durante a gestão Temer foi destacado em um relatório produzido pelo Ministério da Fazenda para deixar um balanço e orientações à equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Entre os leilões bem sucedidos estão concessões de exploração de campos de petróleo --responsáveis pela maior parcela do valor--, construção de linhas de transmissão de energia, aeroportos, terminais portuários, entre outros.

Economia

07 de Dez // Foto: Reprodução / EBC | Economia

O preço dos alimentos da cesta básica aumentou em 16 das 18 capitais brasileiras pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos ( Dieese). As altas mais expressivas foram em Belo Horizonte (7,81 por cento), São Luís (6,44 por cento), Campo Grande (6,05 por cento) e São Paulo (5,68 por cento). Houve queda em Vitória (-2,65 por cento) e Salvador (-0,26 por cento).

 

A cesta mais cara foi a de São Paulo (R$ 471,37), seguida de Porto Alegre (R$ 463,09), Rio (R$ 460,24) e Florianópolis (R$ 454,87). Os menores valores foram observados em Salvador (R$ 330,17) e Natal (R$ 332,21). Durante o ano de 2018, todas as capitais acumularam alta, com destaque para Campo Grande (14,89%), Brasília (13,44%) e Fortaleza (12,03%).

 

De outubro a novembro deste ano, os alimentos que apresentaram alta na maior parte das capitais pesquisadas foram tomate, batata, óleo de soja, pão francês e carne bovina de primeira. Já o leite integral teve queda de preços em 16 capitais. Com base nesses valores, o Dieese estimou em R$ 3.959,98 o salário mínimo necessário para a uma família de quatro pessoas no mês de novembro, o equivalente a 4,15 vezes o mínimo atual, de R$ 954 reais.

Economia

05 de Dez // Foto: Arquivo Agência Brasil | Economia

O número de pessoas na faixa de extrema pobreza no Brasil aumentou de 6,6% da população em 2016 para 7,4% em 2017, ao passar de 13,5 milhões para 15,2 milhões. De acordo com definição do Banco Mundial, são pessoas com renda inferior a US$ 1,90 por dia ou R$ 140 por mês. Segundo o IBGE, o crescimento do percentual nessa faixa subiu em todo o país, com exceção da Região Norte onde ficou estável.

 

Os dados fazem parte da Síntese dos Indicadores Sociais 2018, divulgada hoje (5) pelo IBGE, que entende o estudo como “um conjunto de informações sobre a realidade social do país”. O trabalho elaborado por pesquisadores da instituição tem como principal fonte de dados para a construção dos indicadores a Pesquisa Pnad Contínua de 2012 a 2017.


O estudo mostra que também aumentou a proporção de pessoas abaixo da linha de rendimentos. Em 2017, era de 26,5%, enquanto no ano anterior ficou em 25,7%. Os percentuais significam a variação de 52,8 milhões de pessoas para 54,8 milhões. De acordo com definição do Banco Mundial, são pessoas com rendimento até US$ 5,5 por dia ou R$ 406 por mês. A maior parte dessas pessoas, mais de 25 milhões, estava na Região Nordeste.

Economia

04 de Dez // Foto: Reprodução/ EBC | Economia

Com a alta de impostos sobre combustíveis, a carga tributária atingiu 32,43% do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passado, o maior valor em quatro anos, segundo números divulgados pela Receita Federal. Na comparação com 2016, a carga teve uma leve alta de 0,14 ponto percentual, que pode ser atribuída principalmente, segundo o órgão, à elevação de PIS/ Cofins sobre combustíveis (gasolina e diesel) em 2017.

 

O Brasil possui uma carga tributária em patamar similar ao de países desenvolvidos, que devolvem os impostos à sociedade na forma de serviços de maior qualidade. Quando a comparação é com países da América Latina, no ano de 2016 o Brasil só perdia para Cuba, que possuía carga tributária de 41,7%, segundo dados da própria Receita Federal.

 

A carga média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, entidade considerada uma espécie de clube de nações ricas, foi de 34,3% do Produto Interno Bruto no ano retrasado. Mesmo estando levemente abaixo da média, o Brasil paga mais impostos em relação ao seu produto bruto do que países como EUA (26%), Chile (20,4%), Canadá (31,7%) e Israel (31,2%), por exemplo segundo o Folhapress.

Economia

04 de Dez // G1 | Economia

A venda de veículos novos subiu 13,1% em novembro, segundo a Fenabrave. De acordo com balanço divulgado, foram 230.938 unidades emplacadas, contra 204.181 no mesmo período do ano passado. O volume engloba automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. No ano, já foram vendidos 2,33 milhões de veículos, quantia 15,1% superior aos 2,02 milhões registrados entre janeiro e novembro de 2017.

 

Apenas entre os automóveis e comerciais leves, novembro teve 221.317 exemplares novos emplacados. O número é 12,2% maior do que no mesmo mês de 2017. Na época, foram vendidas 197.240 unidades. Entre as demais categorias, as motos tiveram alta de 17,7% de alta em novembro, com 76.839 unidades emplacadas, ante 65.291 em novembro passado.

 

A alta entre caminhões e ônibus foi ainda maior, de 41,2% no primeiro caso, e 28,8% no segundo. A maior alta percentual foi de implementos rodoviários, com 84,6% mais em novembro. A Chevrolet encerrou mais um mês na liderança do mercado brasileiro, e se encaminha para fechar também o ano como a marca mais popular do país. Em novembro, a marca americana teve 20,46% de participação, com 45.271 veículos emplacados.

Economia

04 de Dez // Foto: Reprodução/ EBC | Economia

Os principais responsáveis pela inadimplência de boa parte da população no país são o crediário (65%) e o cartão de crédito (63%),  Outros tipos de dívidas que levaram ao registro do nome em entidades de proteção ao crédito são empréstimo pessoal em bancos ou financeiras (61%), crédito consignado (60%), cheque especial (57%), financiamento de automóvel (45%), mensalidades escolares (26%) e conta de telefone (20%).

 

Já s boletos de TV por assinatura e internet chega a (18%), a conta de água e luz (11%), o aluguel (10%) e condomínio (8%). As contas em atraso que não levam à negativação, segundo o levantamento, são empréstimos com parentes e amigos (38%), parcelas do cartão de crédito (20%), crediário (20%) e cheque especial (20%) segundo a Agência Brasil.

 

Quando falta dinheiro para honrar todos os compromissos, o brasileiro prioriza o plano de saúde (89%), o boleto do condomínio (86%), o aluguel (82%), as contas de água e luz (79%), a televisão por assinatura e internet (75%), a conta de telefone fixo e celular (65%) e a mensalidade escolar (58%) segundo estudo divulgado ontem (3) pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Economia

03 de Dez // Foto : Tácio Moreira / Metropress | Economia

O governador reeleito Rui Costa (PT) culpou gestões anteriores a de Jaques Wagner (PT) pelo déficit de R$ 4,08 bilhões de reais na Previdência Estadual, e que pode chegar a R$ 8 bilhões no ano de 2022, segundo a Secretaria da Fazenda do Estado segundo informações do Bahia Notícias. De acordo com ele, os chefes do Executivo, que administraram a Bahia antes do PT, não deixaram recursos no caixa.

 

“[Antes de Wagner], governadores usavam o dinheiro para fazer serviços públicos e não guardou. Quando Wagner entrou tinha zero no caixa da Previdência. Portanto, todo dinheiro vem do desconto mensal de [quem está] na ativa. O estado tira da receita corrente para pagar o déficit”, declarou o petista, em entrevista ao radialista Mário Kertész, na rádio Metrópole.

 

O governador, ainda, indagou para onde foi o recurso da privatização da Coelba. “Não foi parar na Previdência”, frisou. Rui Costa ressaltou que o ex-governador da Bahia, Antônio Carlos Magalhães, fez um concurso na década de 90 e não nomeou todos os aprovados. O resultado, segundo ele, é que os concursados ingressaram na Justiça e “vão se aposentar sem nunca ter trabalhado”. “Sabe quanto é essa conta? R$ 260 milhões de reais”, criticou.

Economia

02 de Dez // Foto: Wilson Dias/Agência Brasil | Economia

O recém-nomeado secretário da Previdência e Receita Federal da equipe econômica do novo governo, Marcos Cintra, defendeu que a discussão sobre a reforma da Previdência seja iniciada apenas após o estabelecimento do novo Congresso, no ano que vem. Em entrevista publicada no sábado (1), pelo jornal Folha, Cintra disse considerar que debater o assunto agora traria "muita polêmica e poucos resultados".

 

Apesar de o próprio presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), e seu futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, já terem defendido a aprovação de partes do projeto de reforma da Previdência encaminhado por Michel Temer e que tramita atualmente no Congresso Nacional, Marcos Cintra defendeu que a ideia de "fazer um projeto dessa [nova] administração".

 

"Iniciar agora os debates em cima dos princípios básicos e fundamentais seria prematuro. É muito calor e pouca luz. Muita polêmica e poucos resultados. Os principais pontos de qualquer reforma são conhecidos de todos. A questão é o ritmo, a velocidade, a composição e a intensidade. A ideia é fazer um projeto dessa administração, aproveitando tudo de todas as propostas que possam contribuir", disse o futuro secretário ao jornal Folha.

Economia

02 de Dez // Foto: Reprodução | Economia

O governador Rui Costa encaminhou na sexta-feira (30), à Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), o Projeto de Lei que propõe uma nova reforma administrativa do Estado. De acordo com o governo, entre as medidas previstas estão o corte de mais de mil cargos comissionados e a extinção da Conder. Na próxima segunda (3), o governador Rui Costa concederá entrevista coletiva para falar sobre o novo projeto de reforma.

 

Também podem ser extintos por Rui o Centro Industrial Subaé e a Superintendência de Desenvolvimento Industrial e Comercial, que se tornarão superintendências integradas à estrutura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. A Bahia Pesca poderá ser adquirida pela iniciativa privada, ou, ainda, ser gerida por meio de uma Parceria Público-Privada.

 

Contudo, segundo o governo, as atividades industriais e pesqueiras permanecerão na agenda do Estado. A Reforma Administrativa, além de extinguir cargos comissionados, também reduz o número de diretorias e extingue cargos de presidente de empresas, a exemplo da Prodeb. Empresas e autarquias do Estado devem passar por um processo de reestruturação, de modo a operar com uma estrutura enxuta e eficiente segundo o Bahia Notícias.

Economia

02 de Dez // Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil | Economia

A Agência de Energia Elétrica (Aneel) anunciou que a bandeira tarifária para dezembro será verde. Isso significa que não haverá cobrança extra para os consumidores neste último mês do ano. O último mês em que a bandeira verde havia sido aplicada foi abril. A Agência alerta que, mesmo com a bandeira verde, é importante manter as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício de energia elétrica.

 

Ainda segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica, apesar de os reservatórios das principais hidrelétricas do país ainda apresentarem níveis reduzidos, há expectativa de que a estação chuvosa continue a aliviar as condições desfavoráveis de armazenamento, reduzindo a pressão sobre o custo da geração de energia segundo informações do G1.

 

"Mesmo com a bandeira verde é importante manter as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício de energia elétrica", declarou a Aneel. O sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o "custo real" da energia gerada ao consumidor. Elas são definidas mensalmente a partir das cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2), indicando se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

Economia

01 de Dez // Foto: Reprodução / EBC | Economia

Funcionários públicos de cinco estados ainda não sabem quando receberão o 13º salário com os governos. No Rio Grande do Sul e no Rio Grande do Norte, o benefício de 2017 ainda não terminou de ser pago, o que significa que o deste ano também vai atrasar. No Rio de Janeiro, o governo já avisou que não vai pagar a 1ª parcela até esta sexta (30), mas se comprometeu a fazer o depósito de 2018 no próximo mês.

 

Em Minas Gerais e em Pernambuco, ainda não há datas para o pagamento. Nos últimos anos, a maioria dos estados tem enfrentado dificuldades para fechar as contas por causa da crise econômica. Com menos arrecadação e mais gastos com pessoal, atrasos em pagamentos de salários e benefícios tornaram-se comuns em parte deles segundo o G1.

 

Um estudo do Ipea divulgado nesta semana mostra que, apesar de recuperação das receitas neste ano, a situação fiscal continua ruim. Isso porque os gastos com as folhas de pagamento continuaram crescendo. “O esforço de contenção dos gastos com servidores ativos não foi suficiente para compensar o rápido crescimento dos gastos com pessoal inativo”, disse Cláudio Hamilton dos Santos, pesquisador do Ipea e um dos autores do estudo.

Economia

30 de Nov // Foto: André Carvalho / Ag Haack | Economia

O governador reeleito Rui Costa admitiu em vídeo publicado nas redes sociais que o pacote econômico enviado recentemente à Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) traz medidas amargas, mas necessárias para a população segundo informações do Bahia Notícias. Ele ressaltou que a gestão estadual busca combater o déficit na previdência, que até o final do ano deve chegar a R$ 4,08 bilhões de reais.

 

"As medidas são necessárias, são medidas amargas. É como dar um remédio amargo. A gente não gosta, mas é necessário dar para que ele possa sobreviver e voltar a ter a saúde plena. As medidas podem ser duras, mas são necessárias e devem ser tratadas com seriedade", comentou destacando o aumento da alíquota da previdência estadual de 12% para 14%.

 

Rui também comentou o projeto que fixa o salário do governador como teto do funcionalismo público. "Havia uma polêmica judicial sobre o alinhamento do que está na Constituição Federal e por isso muitos estavam ganhando acima do teto. Estamos corrigindo isso". De acordo com o governador, o reajuste salarial dos ministros do STF, que traz como consequência o aumento do teto constitucional federal, poderia provocar grave impacto na Bahia.

Economia

30 de Nov // Foto: Agência Brasil | Economia

O estado da Bahia apresenta a segunda maior diferença entre homens e mulheres na expectativa de vida ao nascer, segundo dados divulgados nesta última quinta-feira (29), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o órgão, uma mulher nascida em 2017 tem hoje uma esperança de vida de 78,4 anos, 9,2 anos a mais do que os homens, que tendem a viver em média 69,3 anos na Bahia.

 

A diferença reflete a tendência observada nos resultados de toda a região Nordeste e está acima da média nacional, que é de 7,1 anos. O resultado só é menor do que o anotado no estado de Alagoas, onde a diferença é de 9,6 anos. A expectativa de vida média geral da Bahia registrada no período é de 73,7 anos, menor do que a média nacional, que é de 76 anos.

 

A sobrevida média dos idosos de 65 anos se manteve estável na Bahia. A expectativa atual, medida em 2017, é que uma pessoa com essa idade viva por mais 18,1 anos (18 anos, 1 mês e 6 dias). Assim como nos dados ligados à expectativa de vida ao nascer, a sobrevida feminina também é maior que a dos homens. Espera-se que uma mulher de 65 anos viva, hoje, mais 19,9 anos (19 anos, 10 meses e 24 dias), chegando a 84,9 anos de idade.

Economia

29 de Nov // | Economia

O Senado Federal deve pautar, na próxima terça-feira (4), o projeto que congela o coeficiente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) até que seja realizado novo Censo Demográfico – previsto para 2020. A medida anunciada pelo presidente Eunício Oliveira (MDB-CE) é uma resposta à pressão feita por prefeitos que estiveram esta semana em Brasília para evitar que 135 municípios brasileiros percam recursos.

 

O presidente da UPB, Eures Ribeiro, foi um dos interlocutores junto ao Senado. Ele explica que na Bahia 56 municípios tem risco de ter cortes no repasse do fundo, uma vez que a estimativa populacional apontou queda no número de habitantes para que esses municípios desçam uma casa no coeficiente que serve de base para a distribuição dos recursos do FPM.

 

A queda populacional foi divulfada em agosto deste ano pelo IBGE. "Estimativa não é a realidade e temos como provar isso com os dados sociais dos municípios, tanto que estamos recorrendo. Mas, enquanto não houver uma certeza com a realização do censo, não é justo que os municípios percam recursos que vão inviabilizar serviços básicos", afirmou o gestor que também é vice-presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Economia

29 de Nov // Foto: Reprodução / Paja | Economia

Empresários do setor de máquinas procuraram a equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro, para demonstrar preocupação com os valores reservados para subsidiar a compra de tratores segundo informações do Folhapress. Por meio do programa Moderfrota, o governo federal banca taxas de juros mais baixas para o financiamento de tratores para produtores agrícolas. Os recursos entram no Orçamento como subsídios.

 

As taxas para produtores com faturamento de R$ 90 milhões por ano é de 7,5% ao ano. Para os maiores, a taxa é de 9,5% ao ano. A taxa é tabelada pelo governo federal. Na safra atual (2017-2018), o governo reservou R$ 8,9 bilhões para bancar o subsídio. A demanda, segundo João Marquesan, superou a expectativa e cresceu 58% em relação à safra passada.

 

Marquesan é presidente do conselho de administração da Abimaq (associação que reúne fabricantes de máquinas e equipamentos Com isso, o setor prevê que a disponibilidade de recursos acaba antes de março, quando começam as grandes feiras do setor voltadas à venda de máquinas agrícolas. Marquesan levou o problema à futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na última quarta-feira (28), no gabinete de transição, no CCBB.

Economia

29 de Nov // Foto: Everton Silveira/Folhapress | Economia

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), indicado ontem (28), para o Ministério da Cidadania no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, confirmou que será cumprida a promessa de um 13º benefício do Bolsa Família para os integrantes do programa. Terra disse que haverá espaço no orçamento para o pagamento do décimo terceiro, em função da eliminação da fila de espera para o benefício ocorrida nos últimos anos.

 

Já foram cortadas cerca de 5 milhões de bolsas de famílias após cruzamento de dados com outras fontes de renda das pessoas atendidas no país. "O presidente [Bolsonaro] pediu isso, e vai ser cumprido. Com esse ajuste que se fez, saíram aqueles que não precisavam do programa, é mais fácil conseguir o recurso para o 13º também", explicou.

 

Osmar defendeu a continuidade de um pente-fino no programa, mas descartou, no momento, a possibilidade de reajuste no valor do benefício. "Por enquanto, não. Temos que ver como vai evoluir a receita e despesa [do futuro governo], houve aumento importante do Bolsa Família nos últimos dois anos, acima da inflação",lembrou o futuro ministro. Terra ressaltou que o objetivo do programa é focar na geração de emprego e renda dos beneficiários.

Economia

28 de Nov // Foto: Divulgação | Economia

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) busca junto a deputados e senadores no Congresso Nacional uma emenda de R$ 150 milhões de reais para seu orçamento do ano que vem, valor referente aos preparativos e compra de uma parcela dos equipamentos do Censo 2020 segundo informações do Valor Econômico. O valor é parte dos R$ 3,4 bilhões totais necessários até 2020 para a realização do censo.

 

Em meados do ano, o órgão solicitou ao Ministério do Planejamento um orçamento adicional em 2019 de R$ 344 milhões de reais para os preparativos do Censo. O Ministério do Planejamento, porém, fez uma previsão de R$ 200 milhões de gastos e sugeriu ao IBGE fazer mais com menos. Essa diferença está agora sendo buscada diretamente no Congresso.

 

Segundo Roberto Olinto, presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a emenda teria passado por um primeiro filtro no Congresso Nacional e segue para a Comissão Mista de Orçamento. "Sem os recursos, teríamos que adiar a compra de parte dos equipamentos do Censo para 2020. Isso é possível de ser feito, mas traz um risco de cronograma. Uma concorrência pode ser contestada e atrasar", disse o presidente do órgão.

Economia

27 de Nov // Foto: Marcelo Brandt/G1 | Economia

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) pediu nesta terça (27), que as principais distribuidoras de combustíveis esclareçam por que a redução do preço da gasolina nas refinarias não tem chegado para o consumidor final. As empresas terão um prazo de 15 dias para atender ao pedido. O preço médio da gasolina praticado pela Petrobras nas refinarias acumula queda de quase 20% em novembro.

 

"O pedido atende à atribuição da Agência de zelar pela proteção do consumidor quanto a preços, qualidade e oferta de produtos", diz a ANP. "A Agência tem adotado medidas para dar maior transparência à formação de preços. Dessa forma, foi observada a redução significativa de preços da gasolina A, sem que essa decisão tenha chegado ao consumidor final."

 

A Petrobras reajusta quase diariamente o preço da gasolina nas refinarias, como parte de sua política de preços que tem o objetivo de acompanhar as cotações internacionais. O repasse ou não para o consumidor final depende dos postos de combustíveis do país. Números da Petrobras sugerem que os postos vêm aumentando sua margem de lucro. Atualmente, 16% do preço final corresponde aos custos e lucro dos distribuidores e postos de gasolina.

Economia

26 de Nov // Foto: José Cruz/Agência Brasil | Economia

A organização do governo de transição conta com a participação de integrantes das equipes do presidente Temer e de seu sucessor, Jair Bolsonaro. Para organizar as atividades na economia, foram definidas 15 áreas, que tratam desde privatizações à situação dos servidores públicos e a relação com os organismos internacionais. As informações podem ser acessadas em um documento no Ministério do Planejamento na internet.

 

O relatório contém 176 páginas e discrimina cada setor em detalhes. O texto discrimina as seguintes áreas: Reformas e Orçamento; Regra de Ouro; Reformas Microeconômicas; Plano Plurianual e Estratégia Nacional; Estruturas e Modelos Organizacionais; Perfil da Força de Trabalho; Remuneração dos Servidores e Centralização das Atividades de Gestão.

 

Também detalha os setores de Gestão de Patrimônio; Governo Digital; Investimentos Prioritários; Concessões e Parcerias e Perspectivas das Estatais, além de Privatização da Eletrobrás e Organismos Internacionais. De acordo com o Planejamento, o objetivo é “subsidiar o processo de transição de governo 2018-2019, de forma transparente e republicana”. Os textos se entrelaçam para fornecer à nova equipe a abrangência e estratégia de cada setor.

Economia

26 de Nov // Foto: Reprodução | Economia

Nesta segunda-feira (26), o Instituto Nacional do Seguro Social começa a pagar a segunda parcela do 13º salário dos aposentados e pensionistas. Os depósitos serão feitos até 7 de dezembro, junto com a folha mensal de pagamento do mês de novembro. Pelo calendário do INSS, os primeiros a terem o valor depositado serão os segurados que recebem até um salário mínimo e possuem cartão com final 1, desconsiderando-se o dígito.

 

Quem ganha acima do mínimo começa a receber a partir do próximo dia 3 de dezembro. Já para os trabalhadores assalariados, a primeira parcela deve ser depositada até 30 de novembro, conforme determina a lei, e a segunda, até o dia 20 de dezembro. A segunda parcela do 13º, totaliza R$ 21,4 bilhões de reais, que corresponde a 50% do valor de cada benefício.

 

30,1 milhões receberão o benefício do Seguro Social em todo país. A primeira parcela foi paga entre os últimos dias 27 de agosto e 10 de setembro. O número de beneficiários é 0,6% maior do que o calculado para o ano de 2017. Em relação ao montante que será injetado na economia, o valor cresceu 2,8% neste ano sem considerar a inflação. O valor médio do 13º salário que será pago em 2018 é estimado em R$ 2.320 segundo informou o G1.

Economia

26 de Nov // Foto: Divulgação | Economia

Relatório da ONG Oxfam Brasil revela que a redução na desigualdade de renda estancou pela primeira vez em 15 anos no país segundo informações do Folhapress. O documento atribuiu a piora a uma série de limitações econômicas, em particular à recessão, ao aumento do desemprego e à crise nas contas dos governos, que limita o fôlego de políticas públicas voltadas aos mais pobres e ao investimento.

 

De acordo com a ONG, a desigualdade de renda domiciliar per capita, medida pelo Índice de Gini, permaneceu inalterada entre 2016 e o ano passado, interrompendo um processo de queda iniciado no de 2002. O relatório utiliza os números da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

 

Consequência disso, o Brasil passou de 10º para o 9º mais desigual do mundo em uma lista de 189 países, segundo o relatório do Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), que também usa o Índice de Gini. Nesse período, houve o aumento da pobreza. Em 2017, o Brasil contava 15 milhões (7,2% da população) de pessoas consideradas pobres pelo Banco Mundial —renda de até US$ 1,9 (R$ 7,3) por dia segundo estudo.

Economia

25 de Nov // Foto: Everton Silveira/Folhapress | Economia

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse no sábado (24), que vai submeter os programas sociais do governo federal a auditorias para verificar se há pessoas recebendo benefícios sem necessidade. Ao participar de evento da Brigada de Infantaria Paraquedista, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, ele afirmou que não vai acabar com nenhum programa, mas criticou a dependência de beneficiários que têm condições de trabalhar.

 

"Projeto social tem que ser para tirar a pessoa da pobreza e não para mantê-la num regime de dependência. Não queremos nenhum brasileiro dependendo do Estado. Ninguém é irresponsável a ponto de acabar com qualquer programa social, mas todos serão submetidos a auditorias para que aqueles que podem trabalhar entrem no mercado de trabalho", disse.

 

Bolsonaro participou nesta manhã do 73º aniversário da Brigada de Infantaria Paraquedista, onde marchou com colegas do batalhão. Durante entrevista a jornalistas, ele disse que a indicação do filósofo Ricardo Vélez Rodríguez para o Ministério da Educação atendeu a princípios dos valores familiares. O presidente eleito defendeu a valorização e o respeito à criança como fundamentais para a comunidade evangélica e o Brasil como um todo.

Economia

25 de Nov // Agência Brasil | Economia

O Brasil deve fechar o ano de 2018 com recorde de exportação de algodão e se consolidar na segunda posição do mercado mundial da pluma. Nunca na história do país houve tanta colheita de algodão como na última safra, são 2,1 milhões de toneladas segundo informações da Agência Brasil. É uma quantidade atingida exatamente no momento em que ocorrem negociações externas em relação ao produto.

 

Enquanto o consumo doméstico é mantido estável em cerca de 700 mil toneladas, as exportações deverão alcançar 1,2 milhão de toneladas, um recorde que pode render a segunda posição do país no mercado internacional. A safra já foi toda colhida e parte dela ainda estará sendo beneficiada até junho de 2019 antes de ser levada para fora do país.

 

Mas os embarques estão no auge sendo muito provável que antes do final do ano seja alcançado também o recorde de envio, segundo o presidente da Associação dos Exportadores de Algodão, Henrique Snitcovski. Ele informou que o maior volume total exportado até agora tinha ocorrido em 2011, com um volume de 1,03 milhões de toneladas de algodão e a maior remessa em um único mês foi em outubro do ano seguinte (188 mil toneladas).

Economia

24 de Nov // Foto: Reprodução/TV Fronteira | Economia

Há uma nova oportunidade para antecipar o fim do programa de subsídio ao diesel, do governo federal, na virada de novembro para dezembro, afirmou na sexta-feira (23), o diretor-geral da agência reguladora ANP, Décio Odonne, em meio a uma queda acentuada dos preços do combustível no cenário internacional. As informações são da Reuters. Atualmente, o subsídio já foi praticamente zerado na maior parte do país.

 

É o que informou Oddone, devido a regras do programa que calculam a subvenção diariamente, de acordo com preços externos. Apenas nas regiões Norte e Nordeste permanecem alguns centavos por litro de subsídios. Os preços do petróleo no mercado internacional atingiram na sexta os menores níveis, após uma queda de cerca de 20% no acumulado do mês.

 

Odonne ressaltou que, entre outubro e novembro, a oportunidade chegou a ser discutida, mas no fim prevaleceu o entendimento de que o subsídio deveria terminar conforme estabelecido inicialmente pelo programa, em 31 de dezembro. "Acredito que é uma oportunidade muito boa para que a gente aproveite este momento... mas essa decisão não é nossa, é do governo", disse Oddone após participar do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica.

Economia

23 de Nov // Foto: Divulgação | Economia

Já na lista dos mais vendidos e procurados nas últimas edições da Black Friday, os celulares, eletrodomésticos e TV’s são os itens mais desejados nesta edição. A conclusão é de uma pesquisa encomendado pelo Mercado Livre ao Ibope Conecta. De acordo com a pesquisa, 44% dos consumidores irão adquirir três produtos na black Friday 2018. Outros 17% querem comprar quatro ou mais. O restante (39%) ainda não decidiu.

 

Em relação ao preço, 47% dos entrevistados pretendem gastar mais de 500 reais. Outros 13% declararam que os gastos ficarão entre 350 e 500 reais. Apenas 5% dos consumidores querem desembolsar menos de 100 reais. A pesquisa também aponta que 50% dos consumidores do país querem adiantar suas compras do Natal, aproveitando os descontos.

 

Para a data comemorativa, os principais presentes serão nas categorias de moda e acessórios (30%), celulares (21%) e eletrodomésticos (20%). A black friday Brasil 2018 começa hoje e já é apontada como a segunda data para o varejo nacional, atrás apenas do Natal. A expectativa é que as lojas virtuais brasileiras recebam mais de 8,8 milhões de pedidos, segundo informações da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Economia

23 de Nov // Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil | Economia

O economista Rubem de Freitas Novaes, indicado para a presidência do Banco do Brasil no governo de Jair Bolsonaro, afirmou nesta última-feira (22), que a orientação da próxima gestão será a busca por eficiência, o enxugamento e a privatização de ativos da instituição. Ele disse ter recebido essas recomendações diretamente do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e do próprio presidente eleito.

 

"A orientação é enxugamento e privatização do que for possível. Vamos buscar resultados e tornar o banco cada vez mais competitivo, mas de uma maneira enxuta", afirmou. Novaes descartou, por enquanto, a possibilidade de privatização total. Perguntado sobre quais braços de atuação do banco poderiam ser negociados, ele evitou adiantar o que tem em mente.

 

"Isso está muito prematuro para eu detalhar. Primeiro, preciso tomar ciência da situação do banco, das pessoas que estão lá, pensar na formação da equipe", disse. Novaes, que já foi diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), defendeu ainda a venda de ativos do banco por meio da venda de ações no mercado de capitais, buscando oferecer aquilo que pode interessar os investidores segundo a Agência Brasil.

Economia

23 de Nov // Foto: Reprodução / EBC | Economia

Depois de liberações de recursos nos últimos meses, a equipe econômica decidiu contingenciar R$ 2,36 bilhões de despesas discricionárias do Orçamento Geral da União de 2018, segundo o Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado na quinta-feira (22), pelo Ministério do Planejamento. A cada dois meses, o Planejamento apresenta o relatório, que orienta a execução do Orçamento.

 

O documento contém previsões para a economia, a receita e a despesa. Dependendo dos números, o governo corta ou libera recursos para cumprir a meta de déficit primário e o teto de gastos federais. De acordo com o relatório, o corte de R$ 2,36 bilhões é necessário para que o Governo Central cumpra a meta de déficit primário de R$ 159 bi estipulada para 2018.

 

O déficit primário é o resultado negativo das contas do governo antes do pagamento dos juros da dívida pública. A distribuição dos cortes conforme os ministérios e os demais órgãos federais será definida por um decreto que será editado até o dia 30. Segundo o Ministério do Planejamento, a queda da previsão de receitas, em ritmo maior que a redução nas projeções de despesas, justificou o contingenciamento adicional segundo a Agência Brasil.

Economia

23 de Nov // Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil | Economia

Há poucos dias da Black Friday 2018, o comércio brasileiro começa a perceber a movimentação dos consumidores. Muitos brasileiros já estão acompanhando os preços dos produtos que desejam adquirir. De acordo com pesquisa da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), em parceria com a Ferraz Pesquisa de Mercado, aproximadamente 37% das compras da Black Friday são antecipação para o Natal.

 

Segundo a pesquisa Varejo e Consumo, os itens mais desejados no país são eletrônicos (68%), Eletrodomésticos (50%) e Vestuários (49%). Seguida de livros (26%); serviços/ produtos de beleza (24%); viagens/ passagens aéreas (18%); games (18%); artigos esportivos (16%); cupons promocionais (14%); e carro e moto/ artigos para carro e moto (6%).

 

Já os que vão presentear, preferem optar por Vestuários (53%), Eletrônicos (44%) e Livros (39%). Vale destacar o crescimento do segmento de viagens. Muitos brasileiros esperam a data para aproveitar a black Friday passagens e conseguir preços mais atrativos para destinos nacionais e internacionais. Segundo estudo do Ebit, o comércio eletrônico deve faturar R$ 2,43 bilhões durante a Black Friday de 2018, alta de 15% na comparação com o ano passado.





Classificados


Enquete



Mais Lidas