Notícias

Violência

Violência

11 de Nov // G1 | Violência

Um homem de 25 anos foi preso suspeito de matar a sogra a facadas, nesta última  quinta-feira (8), em Salvador. De acordo com a Polícia Civil, Sidinei Santos Coutinho confessou o crime e diz ter agido a pedido da companheira, identificada como Vanilda Coutinho de Souza, de 49 anos. A mulher é procurada. Conforme a polícia, em depoimento, o suspeito contou que a Vanilda tinha interesse nos bens da mãe.

 

Ela ainda disse que ela tinha pedido para que ele contratasse homens e armasse um falso assalto, para que, durante a ação, a vítima fosse morta. Segundo a polícia, Sidinei acabou cometendo o crime ele mesmo. A vítima, identificada como Zenilda Coutinho dos Souza, de 78 anos, foi atacada dentro da casa na localidade de Vila Canária, no bairro de Pau da Lima.

 

O suspeito usou uma peixeira para cometer o crime. Em seguida, o homem fugiu, com documentos da vítima. De acordo com a polícia, Sidinei usou um cartão bancário de Zenilda para pegar um empréstimo no valor de R$ 3 mil. O suspeito teria comprado mercadorias e drogas com o dinheiro roubado da vítima. O suspeito foi preso horas após a ação por agentes do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio e da 2ª Delegacia de Homicídios.

Violência

05 de Nov // | Violência

Um casal foi preso pela Polícia na tarde desta segunda-feira (5), na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) na cidade de Candeias, na região metropolitana de Salvador, por homicídio e estupro de uma criança de apenas cinco meses segundo informações da Secretaria de Segurança Pública da Bahia. A criança foi levada à unidades hospitalares, mas não resistiu às lesões e morreu nesta manhã.

 

A criança havia sido levada à uma unidade de saúde do município com sinais de espancamento. Pela gravidade da situação, ela foi encaminhada ao Hospital Municipal de Candeias por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). No hospital foi constatada na criança lesão grave no olho, no nariz, na boca e sinais de violência sexual.

 

A mãe afirmou que a garotinha tinha conjuntivite e por isso a levou à um pronto socorro, mas na unidade hospitalar foi constatada exposição do globo ocular. A mãe informou que a lesão foi causada por um colírio. A criança não resistiu e veio a óbito na manhã desta segunda-feira. Os pais foram presos por homicídio e estupro. Eles serão encaminhados à Salvador para realizar o exame de corpo delito e retornarão à Candeias segundo a SSP-BA.

Violência

12 de Out // Foto: Mike Segar / Reuters | Violência

A Organização das Nações Unidas (ONU) se diz “profundamente preocupada” com o clima de violência nas eleições brasileiras e cobra que líderes políticos nacionais condenem, explicitamente, tais atos. Numa declaração emitida nesta sexta-feira (12), em Genebra, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos deixou claro que a situação brasileira tem sido considerada “delicada”.

 

A organização internacional pede investigações imparciais sobre os crimes registrados. A ONU já havia condenado a facada no candidato do PSL, Jair Bolsonaro, em setembro. Também nesta sexta, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos emitiu um comunicado reforçando a preocupação internacional diante da tensão no Brasil segundo o Estadão.

 

A comissão "condena atos de violência no contexto eleitoral no Brasil e expressa preocupação com a incidência desproporcional em mulheres e população LGBTI, sigla de Lésbicas, Gays, Bissexuais". O órgão ainda fez um "chamado para estimular um debate de ideias pacífico e democrático". O acirramento da política em meio à disputa eleitoral tem desembocado em episódios de violência física, facada contra Bolsonaro e até um assassinato.

Violência

10 de Out // G1 | Violência

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, disse nesta última terça-feira (9) que o homem suspeito de esfaquear e matar um mestre de capoeira na Bahia cometeu um excesso. Bolsonaro lamentou o episódio e afirmou que não tem nada a ver com o caso, pois não tem controle sobre seus apoiadores. O acusado pelo crime foi identificado como Paulo Sérgio Ferreira de Santana, de 36 anos.

 

“Pô, cara! Foi lá pergunta essa invertida... quem tomou a facada fui eu, pô! O cara lá que tem uma camisa minha, comete lá um excesso. O que eu tenho a ver com isso? Eu lamento. Peço ao pessoal que não pratique isso. Eu não tenho controle sobre milhões e milhões de pessoas que me apoiam”, disse o candidato, adversário de Fernando Haddad, candidato do PT.

 

Segundo Bolsonaro, há violência e intolerância vindas dos simpatizantes de seu adversário. “A violência veio do outro lado, a intolerância veio do outro lado. Eu sou a prova, graças a Deus, viva disso aí”, disse. Em Salvador, a Justiça decretou a prisão preventiva de Paulo Sérgio Ferreira de Santana, de 36 anos, suspeito de matar o mestre de capoeira Moa do Katendê, durante uma discussão política na madrugada da última segunda-feira (8).

Violência

24 de Set // Bocão News | Violência

Moradores da cidade de Ibititá, na Bahia, estão revoltados com um caso de estupro ocorrido neste mês de setembro. A garota de 10 anos começou a passar mal e foi levada para o hospital da cidade. De acordo com uma vizinha da vítima e amiga da família, a suspeita do estupro se confirmou com os exames realizados pelo médico que atendeu a criança.

 

O diagnóstico foi encaminhado para o delegado de Polícia Civil, Paulo Ribeiro. O agente solicitou um laudo ao Instituto Médico Legal de Irecê e aguarda o retorno. "Enquanto isso, quem cometeu esse crime solto, a família está indignada. O avô não sabe o que fazer", diz a amiga da família que denunciou o caso ao BNews.

 

O acusado do crime seria o dono de um comércio onde a vítima e seus familiares costumavam ir. Segundo a Polícia Civil, o caso foi registrado na delegacia no dia 12 de setembro pela tia da garota. A vítima e familiares já foram ouvidos na unidade, além do homem que é apontado pela tia como autor do crime. No entanto, para seguir com as investigações, a Polícia Civil ressalta que o delegado Paulo Ribeiro necessita que a perícia e o laudo sejam concluídos.

Violência

24 de Set // Foto: Bocão News | Violência

O domingo foi de sangue nas cidades da Região Metropolitana de Salvador. Doze pessoas foram assassinadas no domingo (23) segundo dados divulgados nesta segunda-feira (24) pela Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA). Esse foi o final de semana mais violento do mês de setembro, segundo dados disponibilizados pela SSP-BA.

 

Além das 12 mortes de domingo também houve um homicídio no sábado totalizando 13 mortes no final de semana. Seis mortes aconteceram em Salvador, três em Camaçari, uma em Mata de São João e duas em Candeias. Onze das 12 pessoas mortas são do sexo masculino. Foram 11 adultos e um adolescente.

 

As primeiras mortes aconteceram na avenida Radial A, na localidade Beira Rio em Camaçari. Um homem, de identidade ignorada, foi executado às 1h49. Na mesma situação também foi morta Bruna Santos dos Santos, de 24 anos. Onze minutos depois foi assassinado Felipe dos Santos Alves, de 24 anos, na Praça João Alfredo no bairro do IAPI em Salvador. No bairro de Canabrava, às 4h22, foi morto William de Carvalho Santos, 22 anos.

Violência

09 de Set // G1 | Violência

Um homem de 56 anos invadiu a casa da ex-esposa, de 36, e a atacou com golpes de tesoura, na última sexta-feira (7), no distrito de Arraial D'Ajuda, em Porto Seguro, sul da Bahia. A mulher foi atingida nos olhos, mãos e rosto. De acordo com a polícia, o ataque ocorreu na frente dos três filhos do casal, de 8, 15 e 18 anos. Nenhum deles ficou ferido.

 

Ainda segundo a Polícia Civil de Porto Seguro, a mulher tentou fugir, mas José Bispo dos Santos conseguiu alcançá-la. Ela foi encaminhada para o Hospital Luiz Eduardo Magalhães, em Porto Seguro, mas não teve o estado de saúde divulgado. José Bispo fugiu do local e está foragido segundo informações do G1.

 

Em depoimento para Polícia, a vítima contou que ela e José foram casados por 18 anos e estavam separados há cerca de 20 dias. Ela ainda contou, na delegacia, que já havia sido agredida pelo homem com um martelo, alem de já ter sofrido ofensas verbais e psicológicas. Segundo ela, anos atrás, José cortou o cabelo dela com um facão. O caso será investigado pela Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Porto Seguro.

Violência

05 de Set // G1 | Violência

Um ano após o início do Monitor da Violência, desenvolvido pelo G1 em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP e com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 26% das 99 mortes violentas registradas na Bahia entre os dias 21 e 27 de agosto de 2017 tiveram inquéritos concluídos. De acordo com o levantamento, quatro casos tiveram os julgamentos realizados no estado.

 

Na Bahia, o índice de condenados é um pouco acima da média nacional: 3%, o que representa três condenados. Além deles, uma acusada foi inocentada em júri popular, o que totaliza quatro julgamentos de um total de 99 mortes. Ou seja, aproximadamente 4% das mortes tiveram julgamentos realizados na Bahia, um ano após os crimes.

 

Com relação aos inquéritos policiais, 26 foram concluídos, 56 continuam em andamento, um foi arquivado e o restante não foi informado pelas autoridades responsáveis. Sobre os processos judiciais, das 99 mortes, 15 viraram denúncias à Justiça, 67 ainda não foram denunciados, um foi um caso de suicídio e o restante não foi informado. Em Salvador, foram registradas 31 mortes entre 21 e 27 de agosto de 2017. Um ano após o levantamento, apenas em quatro casos os inquéritos foram concluídos.

Violência

31 de Ago // G1 | Violência

Uma mulher suspeita de matar e enterrar o próprio filho, um bebê de um mês, voltou a ser presa três dias após receber liberdade provisória, que tinha sido concedida durante audiência de custódia. Conforme informou a direção da Vara do Júri de Itabuna, Rosemare de Oliveira foi solta nesta última segunda-feira (27), e presa, novamente, na quinta-feira (30).

 

A Justiça detalhou que Rosemare voltou para a prisão após o promotor titular da Vara do Júri de Itabuna recorrer da decisão da audiência de custódia feito durante esta semana. Após o pedido do promotor, a juíza titular decretou a prisão preventiva de Rosemare e ela foi encaminhada para o Conjunto Penal de Itabuna.

 

Rosemare passou por exame de sanidade mental nesta última quarta-feira (29). A previsão é de que o resultado saia em 10 dias. De acordo com a Justiça, essa avaliação é que deve definir se Rosemare será presa ou encaminhada para o Hospital de Custódia, em Salvador, para tratamento. Ela é ré primária. Rosemare de Oliveira, de 39 anos, é suspeita de matar o filho de um mês e depois enterrar o corpo da criança embaixo de uma árvore, em Itabuna.

Violência

27 de Ago // Acorda Cidade | Violência

Com a morte do policial Florisvaldo Moreira Santos, ocorrido no domingo (26), Feira de Santana registra 30 homicídios no mês. No ano, já são 273. Foram seis mortes neste final de semana. O fato com o PM ocorreu após o policial perseguir um carro onde estavam a ex-companheira dele e um homem, identificado como Ronaldo Jerônimo de Souza Carvalho.

 

Na perseguição, o carro do casal bateu em um poste, houve troca de tiros e o policial veio a óbito. Ainda no domingo, Jeferson da Silva Cerqueira, de 22 anos, foi morto a tiros no bairro Feira 7. Homens não identificados surpreenderam a vítima. O jovem morreu no local após ser atingido no pescoço, cabeça e costas.

 

Também nste último domingo no bairro Mangabeira, o dono de academia e mestre de capoeira José Domingos Santa Rosa Ferreira foi morto com vários tiros, por volta das 13h20. Segundo a polícia, a suspeita é que o crime tenha sido praticado por vingança, após uma briga. Dois homens que estavam a pé viram José Domingos dentro de um estabelecimento, se aproximaram e dispararam contra ele segundo informações do site Acorda Cidade.

Violência

27 de Ago // Foto: Jornal Cruzeiro do Sul | Violência

O segundo-sargento do Exército Gilson Alberto de Souza Amaral foi morto a tiros na madrugada de domingo (26), em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ele foi morto quando estava em um bar no bairro de Austin. Homens em duas motos teriam se aproximado do local por volta das 3h30 e disparado contra o militar, que foi atingido pelo menos três vezes.

 

Gilson é o quinto militar morto no Rio desde que a intervenção federal na segurança foi decretada pelo presidente Temer, em fevereiro deste ano. Na semana passada, três militares (um cabo e dois soldados) morreram em uma operação das forças de segurança nos complexos de favela do Alemão e Penha, zona norte no Rio.

 

Em junho deste ano, um soldado morreu após um acidente de trânsito na Avenida Brasil. Eles se somam à estatística de 65 policiais militares mortos no Estado do Rio neste ano. Segundo o Comando Militar do Leste, o sargento era lotado no Batalhão Escola de Comunicações, em Deodoro, zona oeste da capital, e estava desde março de 2017 afastado de suas funções em razão de um tratamento de saúde segundo informações do Folhapress.

Violência

22 de Ago // Bahia Notícias | Violência

No período de 2015 a 2017, a Bahia registrou 41 casos de feminicídio e 15 de tentativas de crimes contra mulheres, de acordo com o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). Em sua maioria, as vítimas contabilizadas pelo órgão possuem a cor parda (61%) e de 19 a 40 anos (57%), faixa etária semelhante à média da idade dos agressores.

 

Os dados ainda mostram que 57% dos crimes foram cometidos com arma branca e no horário da noite (39%). O levantado feito pelo TJ-BA, por meio da plataforma do Sistema de Automação da Justiça para compor o trabalho “O silêncio acabou”, é inferior aos casos contabilizados pelo Anuário de Segurança Pública 2018.

 

O Anuário registrou 74 casos de feminicídio somente em 2017. O secretário de Segurança Pública do Estado, Maurício Barbosa, defendeu que o sistema de identificação de feminicídios na Bahia é fiel ao número de ocorrências apresentados pelos estudos. Em 2017, de acordo com o anuário, 474 homicídios tiveram mulheres como vítimas, mas apenas cerca de 15% dos casos foram contabilizados como feminicídio segundo o BN.

Violência

20 de Ago // | Violência

Uma média de seis mortes por dia neste final de semana. Esse é o balanço dos homicídios em Salvador e na Região Metropolitana (RMS). Segundo os dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), foram registrados 12 casos entre sábado (18) e este último domingo (19), na capital baiana e municípios vizinhos.

 

A maior parte dos casos ocorreram no sábado, total de oito, com destaque para dois duplos homicídios, nos bairros de Lobato e de Castelo Branco, que vitimou Wellington Santos Silva, 30 anos, assessor do vereador Kiki Bispo. Além disso, dois adolescentes, de 15 e 17 anos, foram mortos em Pojuca e Simões Filho respectivamente.

 

Neste último domingo (19), foram contabilizadas quatro ocorrências. Ainda de acordo com os dados da Secretaria, divulgados através do site oficial do órgão, a metade dos homicídios foram cometidos em Salvador, em diferentes bairros da capital baiana. A outra parte dos casos ocorreram nas cidades de Simões Filho (2), Pojuca (3) e Vera Cruz (1). Além das mortes, o final de semana também registrou outras cinco tentativas de homicídios.

Violência

12 de Ago // Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil | Violência

Os assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes completam neste domingo (12) 151 dias, mas seguem sem solução. O prazo supera o dobro do levado até o indiciamento dos culpados em dois outros casos. Na morte da juíza Patricia Acioli, em 2011, foram 50 dias entre o crime e o indiciamento dos responsáveis.

 

Já no sumiço do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza (levado por policiais na Rocinha), em julho de  2013, o prazo foi de 75 dias até todos serem formalmente indiciados pela polícia segundo informações da Agência Brasil. A demora nas investigações do caso Marielle preocupa especialistas em segurança pública.

 

Eles argumentam que o avançar do tempo é inimigo da resolução do caso, embora concordem que é preciso haver um trabalho fundamentado, com provas fortes, para prender os verdadeiros culpados. “Estou muito preocupado. Esperava um prazo mais curto. Quanto mais o tempo passar, mais difícil será resolver o caso”, declarou o sociólogo Ignácio Cano, coordenador do Laboratório de Análise da Violência, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Violência

10 de Ago // | Violência

A Bahia foi o quinto estado brasileiro que mais investiu em segurança pública no ano passado. O dado é do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018, divulgado nesta quinta-feira (9) segundo o Bahia Notícias. De acordo com o estudo feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, foram R$ 4,1 bilhões aplicados na área pelo estado.

 

À frente da Bahia no ranking das unidades da federação que mais investiram em segurança, aparecem São Paulo (1º lugar, com R$ 11,5 bilhões), Minas Gerais (2º lugar, com R$ 9,1 bilhões), Rio de Janeiro (3º lugar, com R$ 8,5 bilhões) e Paraná (4º lugar, com R$ 4,3 bilhões). 6.247 baianos foram vítimas fatais de crimes.

 

Dos R$ 4,1 bilhões injetados pela Bahia, a rubrica “demais subfunções” foi a que mais recebeu recursos. Foram R$ 3,7 bilhões para esta subárea. Já o quesito policiamento também ganhou atenção mais especial por parte do estado. Nele, foram investidos R$ 357 milhões. Apesar do título de uma das unidades da federação que mais investiu, isso não impediu a Bahia de ganhar, novamente, o ingrato título de estado onde ocorreram mais mortes violentas no Brasil.

Violência

09 de Ago // Foto: Reprodução / Agência Brasil | Violência

A edição de 2018 do Anuário de Segurança Pública apontou que a Bahia teve, em 2017, aproximadamente 9 estupros por dia e pelo menos uma tentativa. Com 3.270 registos pelo estudo, a Bahia concentraria 5% dos casos de violência sexual do país. O estado do Nordeste aparece no ranking em 8° lugar com maior número de atentados.

 

Só acaba perdendo para São Paulo (11.089 casos), Minas Gerais (5.199), Paraná (4.952), Rio de Janeiro (4.952), Rio Grande do Sul (4.373), Santa Catarina (3.993) e Pará (3.334). Para o montante de dados, o anuário classificou como “estupro” a conjunção carnal, foram contabilizados atos libidinosos e atentados violentos ao pudor.

 

Nas tentativas de estupro, passou a valer também tentativas de atentado violento ao pudor. Em relação a 2016, ainda segundo o anuário, a Bahia assistiu a um crescimento no número de estupros. Foram 2.845 contra 3.270 em 2017, o que representa um aumento de 13%. Nas tentativas o aumento foi de 366 casos em 2016 para 416 em 2017, aumento de 14%. Roraima, Acre e Rio Grande do Norte são os estados brasileiros com menos casos de estupro.

Violência

09 de Ago // Bahia Notícias | Violência

A Bahia foi o estado que mais registrou vítimas fatais de crimes violentos em 2017. Segundo o Anuário de Segurança Pública de 2018, a Bahia, sozinha, concentrou 11% de homicídios com intenção de matar (homicídio doloso), assaltos à mão armada (latrocínios) e lesões corporais seguidas de morte. Os crimes, somados, compõem a categoria de crimes violentos.

 

Ao todo, 6.247 baianos foram vítimas fatais desses crimes, também conhecidos como Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI). A Bahia tem mais crimes violentos seguidos de morte do que o estado de São Paulo, que concentra 45,34 milhões de pessoas e registrou 3.891 casos de CVLI, segundo o anuário.

 

A taxa alta pode indicar uma distorção dos dados ou ainda uma máscara posta para diminuir o o número de casos no estado do Sudeste. Além de numeroso, o número de mortes aparece estável no estado. Em 2016, o anuário apresentou a Bahia com 6.635 mil casos, o montante é, apenas, 388 maior que o revelado em 2017. No outra ponta da lista encabeçada pela Bahia, Roraima foi o estado que menos registrou Crimes Violentos Letais Intencionais.

Violência

09 de Ago // Foto: Fernando Frazão / Ag. Brasil | Violência

A taxa de mortes violentas no Brasil atingiu 30,8 para cada 100 mil habitantes no ano passado, quando morreram dessa forma 63.880 pessoas, um avanço de 3% em relação às 61.283 registradas em 2016. O índice de 2017 foi o maior da série histórica, iniciada em 2013. Em 2017, disparou também a quantidade de mortos pela polícia.

 

Foram 5.144 em 2017, uma média de 14 mortos por dia, um avanço de 20% em relação ao ano anterior. Ao mesmo tempo, o número de policiais mortos recuou 5%. Foram 367 no ano passado. A violência contra a mulher também cresceu. O país registrou 60.018 estupros em 2017, 8% acima do que registrou no ano anterior.

 

Mais mulheres também foram assassinadas: foram 4.539 no ano passado. Todos esses dados aparecem em levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, organização de pesquisadores da área e que compila estatísticas de secretarias estaduais de segurança e das polícias Civil e Militar de todos os estados do país. O critério para a soma de mortes violentas inclui homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte.

Violência

08 de Ago // Foto: Jonas Pereira/ Agência Senado | Violência

O Senado aprovou na terça-feira (7) um projeto de lei que cria o crime de importunação sexual. A tipificação pode enquadrar, por exemplo, casos registrados de homens que ejacularam em mulheres no transporte público. A aprovação marca os 12 anos da Lei Maria da Penha, que fortaleceu o combate à violência contra a mulher no Brasil.

 

O texto segue para sanção. A lei foi sancionada em 7 de agosto de 2006. A importunação sexual é a prática de ato libidinoso na presença de alguém, sem que essa pessoa dê consentimento. Após a sanção, esses atos se tornarão crimes sujeitos a punição de um a cinco anos de prisão segundo informações do Folhapress.

 

Também haverá aumento de pena em um terço caso crimes de estupro sejam cometidos em local público e transporte público ou se ocorrer à noite, em lugar ermo, com emprego de arma ou meio que dificulte a defesa da vítima. O texto, que altera o Código Penal, também amplia o rigor das punições para casos de estupro coletivo e divulgação de cena de estupro. Hoje, o crime de estupro gera pena de seis a dez anos de prisão no país.

Violência

31 de Jul // | Violência

Um dos líderes da rebelião que matou quatro pessoas na extinta cadeia pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoal, na cidade de Manaus, em janeiro do último ano, comeu o coração de duas vítimas. Segundo informações da TV A Crítica, o detento João Pedro de Oliveira Rosa, conhecido como 'Paulista', chegou a pedir sal para comer o órgão.

 

O Ministério Público do Amazonas denunciou 20 criminosos pela rebelião, incluindo João Pedro. A denúncia aponta que eles mataram, torturaram, esquartejaram e retiraram os órgãos das vítimas. O documento também classifica os crimes como cruéis e macabros. Na denúncia constam detalhes de como começou a rebelião.

 

Conforme a denúncia, além de torturar, matar, degolar, e esquartejar as vítimas, os criminosos também arrancaram os órgãos delas. O detento João Pedro de Oliveira Rosa, o “Paulista”, chegou a comer o coração de duas vítimas. A cadeia pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoal havia sido reativada provisoriamente na época da rebelião para receber detentos ameaçados de morte depois do massacre no Complexo Penitenciário Anísio Jobim.

Violência

27 de Jul // | Violência

A facção criminosa PCC planeja uma série de ataques a fóruns de todo o país em busca de armas que estão guardadas pela Justiça. A suspeita é da Polícia Civil de São Paulo e foi divulgada nesta quinta-feira pelo jornal Folha de S. Paulo. No Espírito Santo, a Sesp afirma que monitora constantemente as informações ligadas a esses grupos.

 

A suspeita surgiu através de interceptações telefônicas feita pela polícia. Nessas ligações, membros da facção falam de uma ordem dada por comandantes do grupo para a realização de levantamento de fóruns em todo o território nacional que possam ter estoques de “ferramentas”, como os criminosos chamam as armas.

 

Essas orientações, segundo relatório policial a que a Folha teve acesso, teriam partido de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, onde está presa a cúpula da facção, incluindo Marco Camacho, o Marcola, tido como o principal chefe do PCC. Segundo a ordem, os criminosos deveriam levantar informações sobre prédio e endereço e, em seguida, enviar fotos desses locais para auxiliá-los em futuras ações segundo informações do jornal Folha.

Violência

26 de Jul // | Violência

O jardineiro Marcelo Espírito Santo da Silva, de 30 anos, foi preso em flagrante acusado de estuprar a própria filha, de sete anos, na cidade de Novo Gama, Goiás, na divisa com o Distrito Federal. A denúncia foi feita pela mãe da criança, que, desconfiada dos olhares do marido sobre a menina, escondeu um celular na casa e gravou o crime.

 

No dia anterior à prisão, a mulher camuflou o telefone em um móvel da sala, deixou a câmera ligada e saiu ao quintal para colocar para dormir na rede o outro filho, de dois anos. Constatado o estupro, a mãe recorreu ao Conselho Tutelar no dia seguinte e acionou a polícia, que prendeu o suspeito em flagrante.

 

O homem foi indiciado por estupro de vulnerável e pode pegar entre oito e 15 anos de prisão. Um vídeo feito por um conselheiro tutelar mostra momentos após a prisão, e Silva nega o crime ao mesmo tempo em que admite ter feito algo errado. "Eu só queria provocar a minha esposa", disse ao ser questionado sobre o porquê de ter abusado da menina. As investigações são conduzidas pela Polícia Civil de Novo Gama segundo informações do Uol.

Violência

22 de Jul // Gildásio Cavalcante | Violência

Uma médica atendeu o próprio pai em um hospital na zona norte do Rio de Janeiro, após ele ter sido atingido por uma bala perdida durante uma troca de tiros entre criminosos na manhã deste domingo.

 

Segundo o jornal O Globo, outras duas pessoas também foi baleadas na mesma ocorrência e foram levadas para o Albert Schweitzer, assim como o pai da médica. 

 

Segundo informações da 34ª DP (Bangu), onde o caso foi registrado, policiais do 14º Batalhão de Polícia Militar (Bangu) informaram que houve uma tentativa de assalto na Rua Bernardo de Vasconcelos, quando foram acionados por volta das 7h10.

 

No entanto, enquanto roubavam o carro de um casal, bandidos de uma comunidade próxima começaram a atirar na direção dos criminosos, que reagiram.

Violência

22 de Jul // Gildásio Cavalcante | Violência

Ronei Guerra dos Santos, apontado pela polícia como traficante, foi preso com uma espingarda, 1kg de drogas e um simulacro de revólver, na cidade de Feira de Santana, a cerca de 116 km de Salvador. Guarnições da 65ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Feira de Santana) apreenderam os materiais no bairro Calumbi, na noite de sábado (21).

 

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), equipes do Pelotão Especial Tático Ostensivo (Peto), utilizando motocicletas, realizavam rondas, na Rua do Sossêgo, quando perceberam o nervosismo de um homem.

 

Ronei estava na frente de uma casa onde guardava uma espingarda calibre 28, cerca de 1 kg de maconha e cocaína, duas balanças, um rádio transmissor e um simulacro de revólver.

Violência

17 de Jul // | Violência

Uma mulher de 44 anos e o filho dela, de 22, foram presos em flagrante na cidade de Paulo Afonso, norte da Bahia. De acordo com a Polícia Militar, os dois mataram um homem, que é marido da mulher e pai do jovem. À polícia, mãe e filho confessaram autoria do crime. Os nomes dos suspeitos e da vítima não foram divulgados pela PM.

 

Eles disseram que mataram a vítima porque ele cometia abusos contra a mulher e a ameaçava usando duas espingardas.  O homem foi morto a golpes de machado enquanto dormia. Depois de cometerem o assassinato, mãe e filho enterram o corpo. O crime aconteceu na tarde desta última segunda-feira (16).

 

A polícia chegou aos suspeitos após receber denúncia anônima sobre a localização deles. Após serem presos, mãe e filho contaram à polícia onde o corpo estava enterrado. Na casa onde os três moravam, a polícia encontrou o machado usado no crime e as duas espingardas, que seriam usadas para ameaçar a mulher. Ela e o filho foram levados para a delegacia de Paulo Afonso, onde aguardam decisão judicial. O corpo foi encaminhado para o IML.

Violência

27 de Jun // | Violência

A advogada Sílvia da Silva Carvalho, 56 anos, que morava na Rua Caldense, bairro Baraunas, em Feira de Santana, foi sequestrada e morta a tiros na noite de ontem (26) segundo o Acorda Cidade. Segundo a polícia, o crime ocorreu por volta das 20h30 na Estrada do Alecrim Miúdo, na Fazenda Jenipapo II, distrito de Maria Quitéria.

 

Ainda de acordo com a polícia, quatro homens que estavam em um veículo de dados ignorados seguiram a advogada Silvia quando ela saiu do escritório, que fica em frente ao Complexo de Delegacias do Sobradinho, por volta das 19h20. Ela foi morta com cerca de cinco disparos de arma de fogo.

 

O delegado Gustavo Coutinho informou que a secretária da advogada também foi levada na ação dos sequestradores. “Ela saiu do escritório e estava em seu veículo. Após contornar um posto de combustível, os homens em outro carro sinalizaram para que ela parasse, mostraram a arma e pediram que ela sentasse no banco do carona e a secretária no banco do fundo. Próximo ao conjunto Cordeirópolis a secretária passou para outro carro".

Violência

16 de Jun // | Violência

A Polícia Civil de Feira de Santana registrou 10 mortes em 24 horas na cidade neste sábado (16). Quatro pessoas foram assinadas num intervalo de uma hora, entre às 13h e 14h de ontem. O primeiro crime aconteceu às 4h30 da manhã, quando o policial militar Wagner Silva Araújo de 28 anos foi vítima de latrocínio. Todas as vítimas foram homens e mortos a tiros.

 

Policial: O policial militar Wagner Silva Araújo, de 27 anos, lotado na 67ª Companhia Independente de Polícia Militar (67ª CIPM), foi assassinado com um tiro no peito na madrugada desde sábado (16), na Rua Uberlândia, transversal com Rua dos Maias, bairro São João em Feira de Santana.

 

O policial estava dentro do carro, indo para casa, quando viu o assalto e trocou tiros com os criminosos. Praça da Matriz: George Antônio Souza de Jesus, de 28 anos, morador do Jardim da Paquera foi alvejado com cerca de oito tiros na Praça da Matriz. Segundo informações passadas a polícia, um homem ainda não identificado desceu de um veículo celta branco e disparou os tiros. George tinha passagens pela polícia por tráfico de drogas e roubo.

Violência

15 de Jun // | Violência

Um abismo social, econômico e de infraestrutura separa os dez municípios brasileiros que têm as menores taxas de homicídio do país (6,3 mortes por 100 mil habitantes) das dez cidades que concentram os maiores números de assassinatos  (103 mortes por 100 mil habitantes, em média). É isso o que aponta o relatório do Atlas da Violência 2018.

 

Documento mapeou as mortes violentas nos municípios com população superior a 100 mil residentes, em 2016, com base nos dados do Sistema sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, e cruzou essas informações com indicadores de educação, pobreza, mercado de trabalho, habitação, gravidez na adolescência e vulnerabilidade juvenil.

 

Se a distância entre as taxas de homicídios (6,3 no primeiro grupo contra 103 no segundo) desses municípios impressiona, a comparação dos demais índices desses locais aponta igualmente para extremos, sugerindo que paz ou violência se alimentam de fatores como escolaridade, saneamento básico e ocupação de jovens adultos. Percentual de crianças pobres? Nas cidades com menos mortes, 6,2% das crianças são pobres, nas cidades violentas, 25,3%.

Violência

15 de Jun // | Violência

Cinco das dez cidades brasileiras com as maiores taxas de mortes violentas, dentre aquelas que têm mais de 100 mil habitantes, estão na Bahia. É o que indica o Atlas da Violência 2018 com dados referentes a 2016, que foram divulgados nesta sexta-feira (15). No ano do estudo, o país tinha 309 municípios com número de habitantes superior a 100 mil.

 

Feita com dados do Ministério da Saúde, a pesquisa é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Eunápolis, no extremo sul do estado, é a cidade baiana com o segundo pior dado do pais. Segundo o Atlas, o município teve uma taxa de 124,3 mortes violentas para cada grupo de 100 mil habitantes.

 

Os números só foram piores do que a registrados em Queimados, no Rio de Janeiro, onde a taxa de homicídios, no mesmo período, foi de 134,9. Logo depois de Eunápolis, estão mais três cidades baianas. Segundo o Atlas da Violência 2018, o terceiro município mais violento do país foi Simões Filho, na região metropolitana de Salvador. Por lá, a taxa foi 107,7 mortes violentas para cada cada grupo de 100 mil habitantes segundo informações do G1.

Violência

12 de Jun // | Violência

Jean Carlos tinha apenas 16 anos. Samuel estava saindo de uma mercearia. Genilson tinha ido a um forró. Eliomar era pai de uma garotinha de dois anos segundo o Correio. Evandro estava com a namorada. Gonzaga, o cabo da PM, só queria voltar para casa. A lista continua – e, com ela, cresce a quantidade de histórias interrompidas.

 

A lista sangrenta segue com nomes de 30 pessoas: todos homens, quase todos moradores de bairros periféricos de Salvador e da Região Metropolitana (RMS). A maioria era jovem; tinha idades entre 15 e 29 anos. E, como outros tantos que amargam as estatísticas da violência nos últimos anos, ficaram pelo caminho.

 

Todos morreram entre sábado e domingo – o fim de semana que se tornou o mais violento do ano. Entre uma morte e outra, o intervalo foi apenas de uma hora e 36 minutos. Isso mesmo: praticamente a duração de uma viagem de carro entre Salvador e Feira de Santana e metade do tempo necessário para assistir ao filme Titanic. Só para dar uma ideia, houve um aumento de 50% em relação ao fim de semana que, até então, tinha o maior número de mortes.

Violência

12 de Jun // | Violência

O Atlas da Violência 2018 divulgado nesta última semana, revelou que dos 22.918 casos de estupro registrados pelo SUS (Sistema Único de Saúde) no Brasil, cerca de 68% das vítimas eram menores de idade de acordo com os dados divulgados pelo Instituto de pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

 

Segundo o Atlas, os crimes de estupro cometidos contra crianças de 13 anos de idade correspondem a 50,9%, 17% das vítimas eram adolescentes e 32,1% maiores de idade. Quando se trata de estupro coletivo, o indíce continua alarmante. Do total, 43,7% são crianças, 20,1% adolescentes e 36,2% adultos.

 

Apesar disso, o levantamento ainda não corresponde a realidade da violência cometida contra a mulher no Brasil. Como aparece no estudo, os números de estupros recolhidos pela polícia foi mais que o dobro do que os coletados pelo Sistema Único de Saúde. As polícias brasileiras registraram um total de 49.497 estupros e o orgão de saúde atendeu apenas 22.918 no mesmo período. A pesquisa também apontou a alta taxa de recorrência nos casos.

Violência

11 de Jun // | Violência

A Secretaria da Segurança Pública do Estado investiga se a onda de violência em Salvador e na Região Metropolitana no último fim de semana foi uma retaliação pela morte de dois policiais militares na semana passada. Entre sábado (9) e domingo (10), 29 pessoas foram mortas, incluindo o cabo da PM Gustavo Gonzaga da Silva, 44 anos.

 

De acordo com o titular da pasta, o secretário Maurício Barbosa, a SSP investiga até mesmo a possibilidade de ação de um grupo de extermínio. Em entrevista ao Correio, Barbosa destacou que foi um fim de semana ‘atípico’ – especialmente por sair de uma sexta (8) em que não houve nenhum assassinato para registrar 17 no dia seguinte.

 

“Hoje temos uma reunião técnica para apurar a possibilidade de ação de grupos de extermínio ou possível retaliação à morte do policial, ou até mesmo ação do tráfico. Mas obviamente foi um final de semana atípico. Duas semanas atrás, tivemos um fim de semana com cinco homicídios e chamou a atenção por ser logo após a morte do policial”, explicou. Ele citou, ainda, uma “possível revolta” da tropa, diante da brutalidade com a qual o cabo foi morto.

Violência

11 de Jun // | Violência

No final de semana, entre os dias 9 e 10, a capital baiana e a Região Metropolitana de Salvador (RMS) registraram 29 homicídios. Em nota nesta segunda (11), a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP) classificou o fim de semana como "atípico". No final de semana anterior, 2 e 3 de junho, a RMS e Salvador tiveram 10 mortes.

 

Confira a nota da Secretaria da Segurança sobre os casos violentos: A Secretaria da Segurança Pública informa que este último final de semana (9 e 10 de junho) foi atípico e com um número de morte violentas em Salvador e mais 13 municípios da Região Metropolitana acima da média de 2018, que é de 10 casos.

 

Lembra que recentemente, na semana entre os dias 28 de maio e 3 de junho, em Salvador e região metropolitana, foram contabilizados apenas 10 crimes contra a vida, número mais baixo se igualando a uma semana do ano de 2012. Esclarece que dos 29 casos deste final de semana mais recente, em 11 ocorrências as vítimas tinham passagens pela polícia. Em outros 10 as mortes foram por envolvimento com o tráfico de drogas.

Violência

11 de Jun // | Violência

Para cada jovem de 13 a 25 anos que morre assassinado, o Brasil perde cerca de R$ 550 mil. Em 20 anos, o país teve um prejuízo acumulado de mais de R$ 450 bilhões devido ao elevado número de homicídios. A conclusão é de um estudo inédito da Secretaria de Assuntos Estratégicos do governo federal, obtido com exclusividade pela Folha.

 

Para calcular o valor que o país desembolsou por causa da violência, o relatório mensurou os gastos do setor público e privado em seis áreas: segurança, seguros e danos materiais, custos judiciais, perda da capacidade produtiva, encarceramento e serviços médicos e terapêuticos segundo o Folha Press.

 

Em 2015, a criminalidade custou 4,38% do PIB brasileiro, o que equivale a aproximadamente R$ 285 bilhões. De 1996 a 2015, os recursos destinados à segurança pública subiram expressivamente. Contudo, o estudo defende que eles não foram aplicados de maneira eficiente. Para se ter uma ideia, no mesmo período, o número de homicídios cresceu 49%, e a taxa de assassinatos por 100 mil habitantes, 14%, segundo dados do sistema de saúde.

Violência

10 de Jun // | Violência

Entre a 1h42 de sábado (9) e 3h36 deste domingo (10), Salvador registrou 18 homicídios. Na estatística, está a morte do policial militar Gustavo Gonzaga, 44 anos, ocorrida no final de linha de Santa Cruz às 4h03 na madrugada de ontem. A primeira morte do sábado ocorreu por volta de 1h40 na Rua Aristides de Oliveira, no bairro Santa Mônica.

 

A vítima do sexo masculino não foi identificada, conforme informações do boletim de ocorrências da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA). Ainda na madrugada de ontem, a polícia registrou a morte de Wagner Sapucaia de Oliveira, 24, na pracinha da primeira etapa de Castelo Branco.

 

Mario Souza Santos, 39, foi morto na Fazenda Grande do Retiro, na Primeira Travessa das Pitangueiras, às 15h42. Às 17h50, no bairro de São Cristóvão, foi registrada a morte de Samuel da Cruz Batista, 23, na Rua Leste. No bairro do Uruguai, uma vítima do sexo masculino ainda não identificada foi morta na Rua Professor José Santana às 17h59. Em Periperi, às 19h57, foi morto o menor com iniciais R. L. F. M., 17 anos, na Rua da Glória.

Violência

06 de Jun // | Violência

O número de mortes por arma de fogo na Bahia mais que dobrou entre 2006 e 2016, segundo o Atlas da Violência, pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgados nesta última terça-feira (5). Em números absolutos, o estado lidera o ranking nacional nesse tipo de ocorrência.

 

Nos dez anos analisados pela pesquis Atlas da Violência, os registros de mortes por arma de fogo subiram 126,9% no estado. Em 2006, foram contabilizadas 2402 mortes, enquanto que em 2016 o número foi de 5449. As armas foram usadas por criminosos em 76% dos homicídios contabilizados no ano de 2016.

 

No ano de 2016, o estado ficou na frente do Rio de Janeiro (4019 mortes) e de Pernambuco (3475), que aparecem em segundo e terceiro lugares, respectivamente. Caso seja levado em consideração a taxa de homicídio cometido por pessoas que usaram armas de fogo, por 100 mil habitantes, a Bahia cai para o sexto lugar entre os estados do país. Em 2016, o estado ficou com taxa de 35,7 mortes por 100 mil habitantes segundo informações do G1.

Violência

05 de Jun // | Violência

A Bahia é o segundo estado que mais mata mulheres, em números absolutos no país. De acordo com o Atlas da Violência 2018, divulgado nesta terça-feira (5), foram 441 homicídios no ano de 2016, o que equivale a 5,7 mulheres assassinadas a cada 100 mil habitantes do estado. A Bahia perde em número apenas para São Paulo.

 

Foram registrados 507 homicídios de mulheres no mesmo ano (2,2/100 mil) em São Paulo. Produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), o levantamento aponta ainda um crescimento de 81,5% no número de homicídios de mulheres na Bahia, entre 2006 e 2016.

 

O número é cinco vezes maior do que o aumento observado no Brasil, de 15,3%. O texto explica que não é possível identificar a parcela que corresponde a vítimas de feminicídio, já que não há informações sobre este tipo específico de crime na base de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade. "No entanto, a mulher que se torna uma vítima fatal muitas vezes já foi vítima de uma série de outras violências de gênero, por exemplo:

Violência

05 de Jun // | Violência

O Atlas da Violência 2018 reforçou um dado já conhecido pela população brasileira: a concentração de homicídios na população negra do país é consideravelmente superior à de não negros. Em 2016, a taxa de homicídios de negros no Brasil foi de 40,2 a cada 100 mil habitantes, enquanto o índice de não negros é de 16, na mesma proporção.

 

Apesar de não ser o estado com maior discrepância, a Bahia registra uma diferença superior à observada nacionalmente: são 52,4 negros mortos contra 15,6 não negros, a cada 100 mil habitantes. Os maiores índices de homicídios de negros foram registrados em Sergipe (79/100 mil) e Rio Grande do Norte (70,5/100 mil).

 

O levantamento foi produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e pelo Fórum Brasileiro de Segurança. A Bahia está atrás ainda de Alagoas (69,7/100 mil), Pernambuco (60,4/100 mil), Amapá (59,4/100 mil), Pará (57,7/100 mil) e Goiás (55,5/100 mil). "O caso de Alagoas é interessante, o estado teve a terceira maior taxa de homicídios de negros (69,7/100 mil) e a menor taxa de homicídios de não negros do Brasil (4,1/100 mil).

Violência

05 de Jun // | Violência

A Bahia é o estado do país com o maior número de mortes violentas de jovens entre 15 e 29 anos, segundo dados do Atlas da Violência, pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgados nesta terça-feira (5), com base em informações do Ministério da Saúde segundo o G1.

 

Desde 2009, o estado lidera o ranking nacional, em números absolutos de mortes, segundo apontou a pesquisa. Em 2006, 2007 e 2008 quem liderou foi o Rio de Janeiro. Em 2006, conforme o levantamento, o estado contabilizou 1.947 mortes de pessoas entre 15 e 29 anos. Já em 2016, foram contabilizados 4.358 mortes.

 

É um aumento de 123,8% em dez anos. O percentual só fica atrás dos registrados nos estados do Rio Grande do Norte (382,5%), Maranhão (130%) e Acre (128,2%). No ano passado, também em números absolutos, Rio e Minas apareciam na segunda e terceira colocação, respectivamente. Considerando a taxa de homicídios por 100 mil jovens na faixa etária de 15 a 29 anos, a Bahia ficou em quarto lugar no ranking nacional em 2016, com 114,3.

Violência

04 de Jun // | Violência

Ao menos 11.578 pessoas foram assassinadas nos três primeiros meses deste ano no Brasil. Mapa mostra quase 4 mil mortes em março. É o que mostra o índice nacional de homicídios criado pelo G1, uma ferramenta que permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. O número de vítimas é ainda maior que esse.

 

Isso porque a estatística não comporta os dados de cinco estados, que não divulgam todos os números. Dois deles não informam os números de nenhum dos três meses. O número consolidado até agora contabiliza todos os homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, que, juntos, compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

 

Foram cerca d 3.716 casos apenas em março deste ano. O mapa faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Desde o início deste ano, jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitam os dados via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo Fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.





Classificados


Enquete



Mais Lidas