Notícias

Após ser preso com com arma, ex-prefeito de Itagimirim paga fiança de R$ 90 mil e é liberado

Foi liberado na tarde de quinta-feira (18) da delegacia de Eunápolis, no sul da Bahia, o ex-prefeito de Itagimirim Rogério Andrade de Oliveira. Ele havia sido preso na quarta-feira (17), após ser flagrado com uma arma e munições, durante um cumprimento de mandados de busca e condução coercitiva. Rogério pagou fiança no valor de R$ 90 mil e vai responder ao processo em liberdade.
 
Rogério Andrade de Oliveira e o ex-secretário municipal Rilson Neris Miranda, que também foi preso e segue na delegacia, são investigados em uma operação da Polícia Civil por furto de bens e documentos da prefeitura. Eles eram alvos de condução coercitiva na operação, mas acabaram autuados por posse ilegal de arma, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA).
 
Outros antigos auxiliares do ex-prefeito foram conduzidos coercitivamente na operação. Sérgio Murilo Cerqueira Menezes, que é secretário de Educação, Rafael César do Amaral e Wesley José Gonçalves são suspeitos de vários crimes contra o município, conforme a polícia. Os mandados foram cumpridos nas casas das pessoas ligadas aos investigados situadas em Itagimirim e também nas cidades de Itapebi, Santa Cruz Cabrália e Belmonte.
 
O ex-prefeito Rogério Oliveira estava com uma espingarda calibre 12 e munições. Com Rilson, foram encontradas munições calibre 762 usadas em fuzil, segundo a polícia. As investigações da operação estão a cargo da 23ª Coordenadoria Regional de Polícia Civil do Interior (Eunápolis) e foram iniciadas após requisição do Ministério Público.
 
Os indiciados são investigados pelo desaparecimento de peças de veículos automotores e tratores, de documentos contábeis da administração municipal, aparelhos de ar-condicionado, computadores, scaneres, impressoras, móveis do gabinete e da recepção, objetos de decoração e outros bens públicos. Durante as buscas da polícia, foram apreendidos documentos, cheques, um armário e uma cadeira do mobiliário da prefeitura. Também são investigados os crimes investigados de improbidade administrativa e ausência de prestação de contas ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), de portarias de nomeações e de pastas de pagamentos dos servidores.

 

De acordo com o advogado de Rafael Cesar, Antônio Pitanga, o cliente dele foi secretário de Educação a partir de abril de 2016, ainda na gestão de Rogério Andrade, que deixou a prefeitura após perder a disputa para Devanir Brillantino, atual prefeita de Itagimirim. Apesar da mudança, Rafael foi convidado a permanecer no cargo e tomou posse em fevereiro deste ano.


O secretário Rafael foi liberado da Delegacia de Eunápolis na tarde de quarta-feira, após prestar depoimento. Ele nega que tenha roubado qualquer documento ou bens da prefeitura e informou que vai entregar um relatório para a polícia que possa ajudar nas investigações. "A prefeitura atual fez um relatório de patrimônio e documental onde foi observada a falta de documentos. O secretário enviou esse relatório técnico ao MP [Ministério Público]", explicou Pitanga.


O promotor de Justiça, Helber Luiz Batista, da Comarca de Itagimirim, confirmou que o relatório de todas as secretarias foi encaminhado ao órgão, mas as pessoas que foram conduzidas até a delegacia foram apontadas por testemunhas como autoras do delito.


"Toda a gestão atual relatou os documentos suprimidos e móveis que não estavam nas áreas municipais. No entanto, o pedido de busca e apreensão teve como fundamento o que estava nos autos, onde existem depoimentos de testemunhas que apontam como esses bens foram subtraídos. Então, todos os apontados precisaram ser ouvidos", relatou Batista.


Categorias

Bahia




Classificados


Enquete



Mais Lidas