Notícias

Delação da JBS: Bacelar pediu para comprar deputados e barrar impeachment

O empresário Joesley Batista, dono da JBS, afirmou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que o deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) o pediu R$ 150 milhões para comprar votos contra o impeachment de Dilma Rousseff. Joesley e o irmão Wesley Batista fecharam acordo de delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato.
 
O conteúdo dos depoimentos já foi homologado pelo Supremo Tribunal Federal e o sigilo das informações, retirado e divulgado. Segundo o dono da JBS, em 16 de abril de 2016, um dia antes da votação do impeachment na Câmara, Bacelar o procurou em casa. Nessa conversa, o deputado apresentou uma lista com os nomes de 30 deputados e disse que precisava de R$ 5 milhões para comprar os votos de cada um deles.
 
"João [Bacelar] apareceu lá em casa e disse: 'Quem me deu seu endereço foi o Antônio Carlos' [ex-ministro dos Transportes de Dilma]. Ele falou: 'Joesley, a gente precisa comprar uns deputados lá pra ganhar a eleição [a votação do impeachment]'", disse o delator aos investigadores. Joesley, então, disse ter ficado surpreso com o pedido do deputado e perguntou o que ele tinha "a ver com isso".
 
"Ele [Bacelar disse]: 'Tem aqui uma lista'. Me mostrou uma lista com 30 deputados. 'R$ 5 milhões cada um, 30 deputados, nós ganha o impeachment (sic). Eu: 'Uai, 30 deputados ganham o impeachment?", acrescentou o empresário. Diante do pedido de Bacelar, diz Joesley, ele respondeu ao deputado que não tinha condições de comprar 30 deputados e autorizou que Bacelar negociasse os votos de cinco deputados, ao valor de R$ 3 milhões cada.
 
Joesley afirmou ainda, no depoimento à PGR, que solicitou os nomes dos cinco deputados porque iria ver, na televisão, se, de fato, os parlamentares votariam contra o impeachment. Ele diz que não lembra os nomes desses cinco deputados porque eram do "baixo clero".
 
"Mas eu conferi na época [...] é deputado do baixo clero, um monte de nome, que só na época conferi. Deu 5 dele e lá tô eu com uma dívida de R$ 15 milhões. Eu lembro que eu conferi", disse. O delator acrescentou, na sequência, que, dos R$ 15 milhões, pagou R$ 3 milhões e que o restante ainda precisava ser pago. Segundo Joesley Batista, João Caros Bacelar ainda cobra o dinheiro que não foi repassado.
 
"Pronto, tô eu pagando o João [Bacelar] esses R$ 15 milhões. Já pagou R$ 3 [milhões], faltam 12 [milhões]", declarou. "Esse é um dos casos que eu parei de pagar, que eu interrompi os pagamentos. É um dos que eu interrompi, ele me cobra, outro dia eu paguei mais 500", acrescentou. Em seguida Joesley diz que dos R$ 15 milhões, parte seria paga a Bacelar e outra parte ao ex-ministro Antônio Carlos Rodrigues.
 
"Ele [Bacelar] me disse [...] que o Antônio Carlos, acho que é presidente do PR hoje, disse que o PR já tinha pago por conta dele e que aí tinha que ressarcir o Antônio Carlos, entendeu? E aí a outra parte dava direto pra ele. Foi essa história”, contou. A continuidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff foi aprovada por 367 votos favoráveis e 137 contrários.

Categorias

Política




Classificados


Enquete



Mais Lidas