Notícias

Delator cita pressão por repasse 'de dinheiro do presidente Temer' a coronel Lima

O contador Florisvaldo Caetano de Oliveira, apontado como responsável por realizar pagamento de propina do Grupo J&F a políticos, afirmou ter sido orientado pelo ex-diretor de Relações Institucionais Ricardo Saud a entregar "o mais rápido possível" R$ 1 milhão ao coronel aposentado João Baptista Lima Filho segundo informações do Estadão.

 

Segundo o contador, o ex-diretor justificou o pedido de celeridade por se tratar de "dinheiro do Michel Temer". Florisvaldo Caetano de Oliveira afirmou também ter recebido reclamação do coronel Lima por não ter feito o repasse logo no primeiro encontro que os dois tiveram, no início de setembro de 2014.

 

As declarações constam do anexo complementar 6 da colaboração premiada de Florisvaldo, apresentada em 31 de agosto de 2017 e na qual ele relata detalhes do repasse que havia sido narrado de forma simplificada em maio. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu na quinta-feira passada (10) ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, a "adoção das providências cabíveis em relação a detentores de foro no STF".

 

O único citado com foro no STF no caso específico é Temer. Esse foi um dos 76 pedidos de encaminhamento a fatos trazidos na complementação da colaboração premiada de executivos e ex-executivos do grupo empresarial. Florisvaldo relatou que no contato inicial com o coronel Lima, em 2 de setembro de 2014, na sede da Argeplan Arquitetura & Engenharia, em São Paulo, não levou o dinheiro porque achou "mais adequado um primeiro encontro para acertar os detalhes da entrega".

 

"O coronel reclamou que eu não tinha levado a quantia naquele momento", disse. Ele relatou que foi questionado por Saud se já tinha feito o repasse. "Ricardo então ficou preocupado, reclamou muito e disse 'isso já era para ter sido entregue, é dinheiro do Michel Temer', pedindo para que eu providenciasse a entrega o mais rápido possível e o avisasse", afirmou.

 

Florisvaldo disse que até então desconhecia a finalidade da entrega. Dois dias depois, ele contou que voltou ao escritório de Lima com o valor em espécie e acompanhado do diretor financeiro do Grupo J&F, Demilton Castro. A presença de Demilton, de acordo com o delator, era para auxiliá-lo "a subir os degraus com aquela quantidade de dinheiro em espécie".

 

Conforme o relato, ao chegarem ao escritório, no entanto, foram recebidos pelo coronel Lima na calçada em frente ao edifício. "Ele pediu que colocássemos os valores no porta-malas de um carro que ele apontou." "Naquele momento, eu questionei se não haveria problemas com a câmera externa de segurança e com a frente espelhada do prédio, ao que o coronel respondeu que estava tudo bem. Então, eu e Demilton colocamos os valores no tal porta-malas e fomos embora".

 

Já havia investigações sobre supostos pagamentos da J&F ao coronel Lima sob suspeita de que tivessem como destinatário Temer. A PGR solicitou que essas informações sejam juntadas ao inquérito 4483, no qual foram denunciados o presidente e os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, atualmente comandando o Ministério de Minas e Energia.

 

A Procuradoria-Geral da República pediu também envio de cópia à Justiça Federal do Distrito Federal, onde tramita uma ação penal para apurar se membros do MDB da Câmara formaram organização criminosa. Procurado, o Palácio do Planalto não se manifestou sobre as declarações do delator. Em relação ao pedido de Raquel Dodge para autuação da petição e a adoção de medidas cabíveis, a Secretaria de Comunicação da Presidência da República respondeu: "Não podemos prever o futuro".


Categorias

Política




Classificados


Enquete



Mais Lidas