Foto: Feijão Almeida/GOVBA

Uma pesquisa do Datafolha encomendada pela ONG Todos Pela Educação mostra que 7 em cada 10 estudantes pretendem estudar e trabalhar durante o ensino médio. Em média, eles esperam ganhar R$ 860 por mês, segundo o levamento divulgado nesta última quinta-feira (4).

É justamente esse um dos entraves para que o ensino integral — tão defendido por especialistas para melhorar a aprendizagem — tenha uma maior adesão dos jovens, indica o levantamento.

Um terço dos 462 estudantes ouvidos afirmam que não se matriculam em escolas integrais porque precisam ou querem arranjar um emprego.

A pesquisa foi feita de janeiro a fevereiro de 2024, com jovens de 14 a 16 anos que entraram no ensino médio (público ou particular) no começo deste ano. Com abrangência nacional, o levantamento incluiu 113 municípios de diferentes portes, de todas as regiões.

Pergunta do Datafolha: Qual é o principal motivo de você não estudar em escola de tempo integral?

  • 26%: O período integral é muito cansativo.
  • 20%: Quero trabalhar para ter meu próprio dinheiro/ter independência financeira.
  • 15%: Não tenho tempo para outras atividades não profissionais (como cursos, esportes etc.).
  • 14%: Não tenho vontade de ficar mais tempo na escola.
  • 13%: Preciso trabalhar para ajudar minha família financeiramente.
  • 4%: Nunca ouvi falar de escola em tempo integral.
  • 3%: Na região/cidade não tem.
  • 1%: Pratica esportes a semana toda/no período da tarde.
  • 1%: A distância da escola de turno integral é grande; teria de pegar ônibus.
  • 2%: Não sabem/outras respostas.

💰Quanto os alunos acham que receberiam mensalmente?

➡️Em média, os estudantes do ensino médio esperam receber R$ 860 por mês.

➡️Entre os entrevistados mais pobres (com renda familiar mensal de menos de 2 salários-mínimos), a expectativa é ganhar R$ 760.

➡️Há uma diferença entre gêneros também: as mulheres acham que receberiam R$ 806; e os homens, R$ 908.

Os valores pagos pelo Pé-de-Meia, programa recém-lançado pelo governo federal para incentivar a permanência escolar de jovens de baixa renda, não chegam a esses patamares esperados pelos alunos:

  • incentivo para matrícula: R$ 200 por ano;
  • incentivo de frequência: R$ 1.800 por ano;
  • incentivo para conclusão do ano: R$ 1.000 por ano;
  • incentivo para o Enem: parcela única de R$ 200.

Pé-de-Meia tem grande relevância, mas precisa de ajustes, afirma Todos Pela Educação

Segundo o Ministério da Educação (MEC), uma das principais causas de evasão no ensino médio é a necessidade de trabalhar e de ajudar a família financeiramente.

Para evitar que os alunos abandonem a escola, a pasta lançou o programa Pé-de-Meia: os estudantes mais pobres que estiverem matriculados em uma instituição de ensino, frequentarem as aulas, forem aprovados e prestarem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem ganhar até R$ 9,2 mil ao longo dos três anos.

Para o Todos Pela Educação, a iniciativa está na direção certa, porque:

  • combina pagamentos mensais com outros que ficam retidos na poupança;
  • repassa o dinheiro diretamente para os alunos, e não para os responsáveis;
  • impõe condições de frequência escolar mínima;
  • dá um apoio financeiro para o jovem.

Por outro lado, a partir do resultado da pesquisa do Datafolha, especialistas da ONG afirmam que fica evidente a necessidade de um incentivo financeiro maior para os jovens de escolas integrais, que não terão como trabalhar nem por meio período.

“Para o estudante que deseja ou precisa trabalhar, estudar em uma escola integral segue muito desafiador, mesmo com o auxílio do Pé-de-Meia. Um caminho para mitigar esse problema é determinar, no desenho da política, que estudantes com matrículas em escola de tempo integral recebam repasses recorrentes adicionais ao valor padrão estabelecido pela política”, afirma o parecer do Todos Pela Educação. G1