Reprodução

“A democracia hoje corre risco de termos a ditadura de volta pelo voto”, essa é a avaliação do ex-ministro da Justiça do governo Fernando Henrique Cardoso, José Carlos Dias. Em sua atuação como o advogado criminalista, ele defendeu 512 presos e perseguidos políticos pela ditadura militar.

Atualmente Dias lidera a Comissão Arns Contra a Violência, criada em março, agora integrada pela CNBB, Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e OAB. “Nós nos unimos de novo na luta contra o ódio e a violência”, comenta em entrevista à Folha. Ele critica a postura do presidente Jair Bolsonaro, a quem atribui perfil “absolutamente desequilibrado”.

E diz que a comissão recém-criada ter por objetivo conter os retrocessos que o comportamento do presidente pode criar. “Tenho muito receio de um retrocesso nas conquistas democráticas que tivemos nos últimos 30 e tantos anos. A sociedade civil hoje tem pulmões que a fazem respirar, e a Comissão Arns pretende ser um desses pulmões”, afirmou.