Foto: Marcos Correa

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta segunda-feira (20) que “a pressa é inimiga da perfeição” em relação à vacinação de crianças. “O principal é a segurança. No ano de 2021, considerando o pico, onde houve 4 mil óbitos, crianças de 5 a 11 anos, menos de 150 óbitos. Não que eu esteja menosprezando, cada vida é importante”, afirmou o ministro à imprensa, em Brasília. “Os pais terão a resposta no momento certo, sem açodamento”, continuou o ministro.

Queiroga não explicou a origem desses números. Na última quinta (16), porém, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) afirmou que nenhuma outra doença matou tantas crianças e adolescentes no Brasil em 2021 quanto a Covid-19. De acordo com dados da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19, houve 1.449 mortes de crianças de 0 a 11 anos, sendo 301 entre as faixas de 5 a 11 desde início da epidemia.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou na semana passada uma versão da vacina da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos. O governo Bolsonaro, porém, ainda não disse quando os imunizantes vão começar a ser aplicados. O Ministério da Saúde diz que só vai ter uma posição em 5 de janeiro, após fazer uma consulta pública e consultar a Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19. Essa câmara, porém, já tem consenso a favor da vacinação infantil.

Nesta segunda, o ministro disse que ficou sabendo desse posicionamento pela imprensa. “É necessário que isso seja formalizado para o Ministério”, afirmou. Apesar disso, Queiroga disse que “a sociedade cientifica não baliza conduta no Ministério da Saúde”. O ministro afirmou que só recebeu o documento da Anvisa. Com ele em mãos, disse que não ia se manifestar “com base num documento público de três páginas”.

“Não é um comunicado público que vai fazer o Ministério da Saúde se posicionar de uma maneira ou de outra. Eu preciso de toda a análise. A Análise da qualidade, da evidência científica apresentada, avaliação da amostra de pacientes naquele ensaio clínico. Nós temos que verificar tudo.” G1