Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, deverá permanecer à frente do partido apesar da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes de que ele mantenha contato com Jair Bolsonaro e o general Walter Braga Neto, entre outros investigados, que foram alvo da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal (PF) na semana passada com o objetivo de investigar os atos golpistas do dia 8 de janeiro do ano passado.

Segundo a CNN Brasil, deputados e membros da cúpula do PL expressaram solidariedade a Costa Neto, e indicaram que o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) assumirá um papel no grupo de trabalho eleitoral, além de atuar como interlocutor político do dirigente partidário. O deputado Altineu Côrtes, líder do PL na Câmara, também se juntará ao núcleo de articulação eleitoral do partido.

Apesar da proibição de contato direto estabelecida por Moraes, a liderança formada por Bolsonaro, Valdemar e Braga Netto, conhecida como o núcleo duro eleitoral do PL, mantém o propósito de eleger mil prefeitos nas eleições municipais deste ano. Anteriormente, o trio mantinha uma rotina de reuniões e conversas regulares com presidentes de diretórios regionais, caciques locais e advogados.

Ainda segundo a reportagem, “lideranças partidárias estão reforçando para a defesa de Valdemar a necessidade de pedir autorização para Valdemar e Bolsonaro voltarem a se comunicar, mas a estratégia jurídica ainda não foi fechada”. Brasil247