Foto: Vaner Casaes / ALBA

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Adolfo Menezes (PSD), negou a intenção de antecipar a eleição da nova Mesa Diretora da Casa, que acontece em fevereiro de 2025. No final da sessão que aprovou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que permite a reeleição do chefe do Poder numa mesma legislatura, Adolfo provocou risos no plenário ao convocar, em tom de brincadeira, uma sessão para decidir sobre a antecipação para a próxima quinta-feira (21).

“Foi só uma brincadeira. É assim que eu conduzo também essa Casa. É preciso ter um pouco de humor. Não publique isso não porque algumas pessoas podem ficar com raiva”, disse Adolfo a este Política Livre. “Se depender desse presidente, não acredito em antecipação, como fizeram algumas casas legislativas. Vai acontecer (a eleição) na data certa. Pelo menos agora, com a aprovação da PEC, acabou esse tema para vocês. Já está aprovado”, acrescentou.

O presidente garantiu que ainda não decidiu se vai disputar a segunda reeleição – ele foi eleito em 2021 e reeleito em 2023. “Isso também depende do sentimento da Casa. Eu acho que essa regra de reeleição para presidentes do Legislativo deveria ser mais clara, como funciona para o Executivo. Temos câmaras municipais aí onde os presidentes já estão na oitava reeleição”, frisou.

Durante a sessão de votação da PEC, o deputado Robinson Almeida, que falou pela bancada do PT, deixou claro o entendimento do partido de que a proposta não permite e Adolfo uma segunda reeleição, de acordo com jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF). O mesmo argumento é defendido pelo líder do governo, deputado Rosemberg Pinto (PT), que, embora não admita publicamente, nutre o desejo de suceder a Adolfo no comando da Assembleia.

O posicionamento do PT, no entanto, não é o da maioria da Assembleia. No total, 47 dos 63 deputados assinaram em favor da PEC, apresentada por Nelson Leal (PP), levando em conta uma nova recondução de Adolfo. O líder da oposição, deputado Alan Sanches (União), sinalizou em plenário que a maior parte da bancada, formada por 20 parlamentares, votaria a favor de uma segunda reeleição do atual presidente. Política Livre