Foto: André Durão

Com uma derrota para a Colômbia e um empate com o Paraguai até aqui na Copa América, a Argentina chega na última rodada do Grupo B precisando vencer o Catar para conseguir se classificar. Poderia ser fácil, mas o futebol demonstrado pelos hermanos não inspira muita confiança para conseguir atropelar o adversário convidado da competição.

Em segundo lugar na chave, com um ponto conquistado, a Argentina deverá ficar com a vaga se vencer o Catar no próximo domingo, às 16h (de Brasília), na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, como segundo ou terceiro do Grupo B.

O início ruim deixa os jogadores alertas. Eles se defendem destacando o equilíbrio desta edição da Copa América, lembrando que o Brasil tropeçou para a Venezuela. Messi, por exemplo, ressalta que os venezuelanos levaram perigo ao Brasil e que a Argentina ainda busca um time ideal.

– Esse grupo é muito unido, muito forte, que tem muita gana e muito desejo de ganhar, mas é uma fase. Estamos em busca de uma equipe, de crescer como um grupo. Sabíamos que iríamos passar por esses momentos, porque não é fácil jogar. Venezuela complicou o Brasil também, ficando atrás e saindo no contra-ataque. Agora tem que fazer as coisas muito bem para fazer os três pontos.

Titular contra o Paraguai, no Mineirão, Rodrigo De Paul também citou o tropeço do Brasil como exemplo e ainda lembrou também a vitória complicada da Colômbia contra o Catar, pelo placar mínimo, no Morumbi.

– Sabemos que a Copa América vai ser assim, que as equipes se igualaram muito. Vimos em Brasil contra a Venezuela, a Colômbia contra o Catar. Vamos deixar isso que passou e começar a pensar no Catar, que vai ser muito importante os três pontos – completou. A seleção argentina agora segue para Porto Alegre, onde decide o seu destino contra Catar, no domingo. Globoesporte