EC Bahia

No ‘clássico baiano’ da Copa do Nordeste, deu Atlético de Alagoinhas. Neste sábado (5), o Carcará marcou aos 47 do segundo tempo para virar o placar e vencer o Bahia por 2×1, no estádio Carneirão, em Alagoinhas, no primeiro encontro entre as equipes na história do torneio regional.

Em um duelo marcado por expulsões, o Bahia saiu na frente com gol de Raí, mas o Atlético chegou ao empate aos 45 minutos da primeira etapa, com Iran, e conseguiu a virada em gol de Dionísio, nos acréscimos do segundo tempo.

O resultado determinou a primeira vitória do Atlético de Alagoinhas na história do Nordestão. O Carcará agora soma quatro pontos, no grupo A. Já o Bahia conheceu sua primeira derrota na temporada e soma três pontos no grupo B.

TUDO IGUAL
Diante do rodízio que vem fazendo no elenco, Guto Ferreira promoveu sete alterações em relação ao time que jogou o Ba-VI. Na defesa, Borel, Ignácio e Matheus Bahia foram para o jogo. Já o meio-campo ganhou nova dupla de volantes, com Miquéias e Willian Maranhão. No ataque, as novidades foram Ronaldo e Marcelo Cirino.

O Atlético de Alagoinhas também mexeu no time. Sem o lateral direito Edson, machucado, Paulinho ficou com a vaga. Agnaldo Liz não pôde contar ainda com o volante Leandro Sobral, expulso na estreia do Carcará no Nordestão.

Em casa, o Atlético começou o confronto impondo o seu jogo e envolvendo o Bahia. Depois da triangulação, Dionísio apareceu livre na entrada da área, mas chutou fraco e perdeu a chance de abrir o placar logo no primeiro minuto.

Do outro lado, o Bahia tinha dificuldade para encaixar o seu jogo. O principal motivo era a falta de entrosamento entre os atletas. Quando conseguiu acertar, o gol saiu. Aos 15 minutos, Marcelo Cirino raspou de cabeça no lançamento da defesa e a bola sobrou para Raí dominar e tocar na saída de Fábio Lima, colocando o Esquadrão em vantagem.

Apesar do gol, o Bahia seguiu desorganizado e viu o Atlético pressionar em busca do empate, principalmente em chutes de fora da área com Lucas e Dionísio. Mesmo mais presente no campo de ataque, o Carcará tinha dificuldade para furar o bloqueio do Bahia.

A situação ficou ainda mais complicada para o Atlético a partir dos 37 minutos. Na disputa com Ignácio, o volante Lucas atingiu o rosto do defensor do Bahia e recebeu o cartão vermelho direto. Os jogadores do Atlético ficaram na bronca com a marcação da arbitragem.

Mesmo com um jogador a menos, o Atlético de Alagoinhas conseguiu chegar ao empate. Na cobrança de falta ensaiada, Gabriel recebeu dentro da área e acertou a trave. Na volta, o zagueiro Iran completou para as redes, aos 45 minutos. Nos acréscimos, Fábio Lima ainda fez grande defesa no biquinho de Ronaldo para garantir a igualdade na primeira etapa.

VIRADA DO ATLÉTICO
O gol deixou o Atlético de Alagoinhas animado. O Carcará retornou para o segundo tempo disposto a pressionar o tricolor. O número de atletas voltou a ficar igual aos cinco minutos quando Matheus Bahia acertou um carrinho imprudente e também foi expulso. Guto, que já tinha trocado Miquéias por Rezende, sacou Ronaldo e colocou Djalma na partida.

O jogo passou por um momento de marasmo, com poucas chances claras para as duas equipes. Quando voltou a aparecer no ataque, Miller aproveitou o lançamento, limpou a marcação de Ignácio e tocou de cavadinha na saída de Danilo Fernandes, mas a bola foi para fora. Seria um golaço do Atlético.

Apesar da tentativa do Bahia de controlar o jogo com Daniel no meio-campo, o Carcará continuava com mais intensidade e explorava as descidas rápidas com os laterais.

Só nos minutos finais o Bahia voltou a aparecer no ataque. No cruzamento de Borel, Fábio Lima errou e deixou a bola passar. Rodallega não acreditou, chegou atrasado e não conseguiu completar para as redes. Já aos 44, Rodallega recebeu de Luiz Henrique, mas Fábio Lima fez grande defesa.

Rodallega voltou a ficar frente a frente com Fábio Lima, e o goleiro do Atlético levou a melhor em mais um duelo, aos 45 minutos. Quando o gol do Bahia parecia mais próximo, o Atlético de Alagoinhas deu o golpe de misericórdia. Aos 47 minutos, Rael raspou de cabeça e Dionísio bateu com estilo para virar o placar e decretar a primeira vitória do Carcará na história do Nordestão. Correio da Bahia