EC Bahia

As festas de fim de ano ficaram para trás, e no Bahia a hora de voltar aos trabalhos se aproxima. O tricolor se reapresentará terça-feira (4), quando começará a pré-temporada. O Esquadrão ainda está em fase de reformulação do elenco após a queda para a Série B e, entre chegadas e saídas, precisa definir o futuro de pelo menos cinco jogadores. Desses, três não estão nos planos da diretoria, que procura novas equipes para encaixá-los.

São eles: o goleiro Douglas e os atacantes Oscar Ruiz e Clayson. Douglas e Clayson têm situações parecidas. Os dois estavam emprestados para equipes que disputaram o Brasileirão e não tiveram seus empréstimos prorrogados. O goleiro finalizou a temporada pelo Juventude e conseguiu salvar o clube gaúcho da queda. No entanto, a diretoria do alviverde alegou que o alto salário impediu a renovação.

Para completar, no Bahia Douglas teria uma enorme concorrência. Além de ter contratos longos com Mateus Claus e Matheus Teixeira (ambos até o fim de 2024), o Bahia renovou com Danilo Fernandes, que terminou o ano como titular e fazendo boas atuações. O vínculo de Douglas com o tricolor vai até dezembro de 2022.

O caso de Clayson é ainda mais complexo. O jogador tem contrato até o fim do ano e estava emprestado ao Cuiabá. Apesar de ter feito um bom Campeonato Brasileiro, ele foi devolvido pelo time do Centro-Oeste após ter sido acusado de agredir uma dançarina. A mulher registrou boletim de ocorrência.

Oficialmente o Bahia não se manifestou sobre o assunto. Ao ser questionado sobre a situação do atacante durante a reunião com o Conselho Deliberativo, o presidente Guilherme Bellintani não quis entrar em detalhes. “Estamos debruçados sobre esse tema, e em algum tempo teremos algum desdobramento que eu não diria que é o melhor, mas é o possível dentro da realidade”, disse.

De acordo com apuração do Correio, Clayson vai se reapresentar amanhã, mas a ideia do Bahia é colocar o atleta em outro clube. A rescisão do contrato também não está descartada. Outro que não deve ser utilizado por Guto Ferreira é o  paraguaio Oscar Ruiz, afastado do elenco antes do fim do Brasileirão após não ter dado o resultado esperado. O atacante tem contrato até 2024. Recentemente o Banfield, da Argentina, que é treinado por Diego Dabove, demonstrou interesse na contratação, mas esbarrou no salário considerado alto.

Marco Antônio e Rossi
Dois jogadores que não têm o futuro muito claro são os atacantes Rossi e Marco Antônio. Destaque do time em 2021, o primeiro renovou o contrato até o fim do ano de forma automática após bater metas estabelecidas no contrato, mas usou as redes sociais para dizer que não fará parte do elenco em 2022. O nome de Rossi, no entanto, não foi colocado na lista de jogadores dispensados que o clube divulgou.

Procurado, o Bahia não quis falar sobre o caso. Já a agente do atacante, Carina Magnabosco, sustenta que o vínculo encerrou no dia 31 e ele sairá gratuitamente. Marco Antônio volta depois de ter sido campeão da Série B pelo Botafogo. O atacante não esconde o desejo de permanecer no clube carioca, mas o alvinegro alega não ter dinheiro para comprar os direitos do jogador. Por isso, ele deve iniciar o ano à disposição de Guto Ferreira. (Correio da Bahia)