Divulgação / PCDF

A Justiça do Distrito Federal autorizou a restituição ao bolsonarista George Washington de Oliveira Souza da caminhonete usada por ele no plano de espalhar o caos em Brasília, por motivações políticas, com ações criminosas como a tentativa de explodir uma bomba no Aeroporto Internacional de Brasília, em 24 de dezembro de 2022.

No sábado (24), completou um ano o episódio que assustou o país. A bomba, que teria sido montada por George Washington, chegou a ser acionada, mas, conforme o Metrópoles, não explodiu por um erro, segundo as investigações. Todos os três acusados de planejarem foram condenados e presos.

Diferentemente do carro e dos aparelhos eletrônicos, as armas apreendidas no momento da prisão de George Washington, em 24 de dezembro de 2022, não serão devolvidas. A 3ª Turma Criminal decretou que os itens devem ficar com a União.

O relator do processo, desembargador Jansen Fialho de Almeida, considerou que não é possível devolver o arsenal porque esse é exatamente o instrumento dos crimes de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido e de uso restrito, pelos quais George Washington foi condenado.

George Washington foi considerado culpado por explosão e porte ilegal de armas, munição de uso permitido e de uso restrito. A pena dele foi fixada em 9 anos e 8 meses de prisão, em acórdão da 3ª Turma Criminal. Alan Diego dos Santos Rodrigues acabou condenado, em primeira e segunda instâncias, a uma pena de 5 anos de detenção por explosão.

O terceiro envolvido, Wellington Macedo de Souza, foi condenado, em primeira instância, a 6 anos de prisão por expor a perigo a vida, integridade física ou patrimônio de outro. Ainda cabe recurso. Bahia.Ba