Foto: Alessandro Dantas/PT

O presidente Jair Bolsonaro segue ignorando a notificação do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a interpelação judicial apresentada contra ele pelo jornalista Glenn Greenwald, do Intercept Brasil. O documento, entregue há um mês, contesta Bolsonaro por ataques contra a família do jornalista. No entanto, por conta do silêncio, o presidente pode ser processado. Em julho do ano passado, durante as reportagens que apontaram troca de mensagens comprometedoras entre Sergio Moro e procuradores da Lava Jato, Bolsonaro fez referência a uma portaria do ex-juiz, que estabelece um rito sumário de deportação de estrangeiros considerados “perigosos”. “Ele (Glenn) não se encaixa na portaria. Até porque ele é casado com outro homem (o deputado federal David Miranda, do PSOL-RJ) e tem meninos adotados no Brasil. Malandro, malandro, para evitar um problema desse, casa com outro malandro e adota criança no Brasil”, disparou Bolsonaro. Com isso, o presidente deixou a entender que o objetivo do editor do The Intercept Brasil era, supostamente, evitar ser deportado em função das denúncias da Vaza Jato. A ministra Rosa Weber, do STF, sorteada para analisar a interpelação, afirmou que Bolsonaro deve esclarecer as “expressões caracterizadas por dubiedade, equivocidade ou ambiguidade”. Revista Fórum