Agência Brasil

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de autorizar o Exército voltar a ter aviões deixou integrantes da Força Aérea Brasileira (FAB) irritados, segundo o jornal Estado de São Paulo. Brigadeiros ouvidos pela reportagem criticaram o momento em que a medida foi tomada, quando o Ministério da Defesa enfrenta falta de recursos. Além disso, existe o temor de que a medida afete a operação conjunta das duas Forças. O decreto de Bolsonaro permite ao Exército, após 79 anos, o direito de voltar a ter aeronaves de asa fixa. Até então, decreto de 1986 permitia ao Exército operar apenas helicópteros. “O problema não é o Exército ter sua aviação, mas o momento da decisão, que não é oportuno”, afirmou o tenente-brigadeiro-do-ar Sérgio Xavier Ferolla, ex-presidente do Superior Tribunal Militar (STM). Até o momento, das três Forças, os integrantes da FAB são os que têm se mostrado mais distantes das polêmicas do governo. Nenhum brigadeiro ocupa cargo na Esplanada.