Foto: Agência Brasil

De acordo com o colunista do Metrópoles Guilherme Amado, o ex-presidente da República Jair Messias Bolsonaro (PL) não está otimista com a aprovação das propostas de emenda à Constituição (PECs) limitando poderes do Supremo. Para o ex-mandatário do Palácio do Planalto, tudo será enterrado na Câmara, num jogo combinado com Arthur Lira. Amado aponta que na visão de Bolsonaro, Rodrigo Pacheco apropriou-se da pauta de criar limites ao Supremo por uma necessidade eleitoral em 2026 — seu eleitorado em 2018 era formado basicamente por antipetistas que não queriam a vitória de Dilma Rousseff para o Senado. O Metrópoles ainda aponta que na visão do ex-presidente, o senador teria trabalhado pela aprovação das PECs não por convicção, mas porque saberia que Arthur Lira não vai levar nada à frente. Diante dessa análise, Bolsonaro tem dito que, para a oposição, a movimentação do Senado foi ruim, porque roubou do bolsonarismo a pauta de impor limites ao STF. Bahia.Ba