Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro foi neste último sábado (18) à frente do Palácio da Alvorada para conversar com alunos do colégio Bandeirantes, de São Paulo, que ali estavam para apoiá-lo.

Quando um dos estudantes disse que a imprensa deturpou o que ele disse em Dallas, nos Estados Unidos, sobre as manifestações, o presidente reagiu dizendo que de fato ele declarou que uma parte dos estudantes é idiota útil, massa de manobra dos espertalhões de sempre.

Apesar de confirmar o que foi publicado sobre suas declarações em Dallas, o presidente voltou a criticar a imprensa dizendo que boa parte dela vive de desinformar e deturpar, mostrando o contrario do que acontece.

O presidente disse que os poderes são independentes entre e si e que acredita que as reformas serão aprovadas, mas afirmou que o Congresso é soberano para decidir, mudar e rejeitar. E que este fato é bom, porque do contrário o Congresso teria que acolher tudo que ele fizesse e isso não estaria certo.

Destacando que o foco deve ser o Brasil acima de todos, Bolsonaro defendeu também a aprovação da Medida Provisória que reduziu o número de ministérios e que será votada pela Câmara nos próximos dias.

“Em Dallas, eu falei sim, que eram, faziam lá, uma parte, são idiotas úteis. É verdade, ué. Tô mentindo? O Cara, eu vi aí, um pessoal que teve na rua, ouvindo a molecada. ‘O que você tá fazendo aqui?’ Não sabe de nada”, disse Bolsonaro.

O presidente também voltou a dizer que os estudantes que participaram das manifestações são “massa de manobra dos espertalhões de sempre”. Disse ainda que os protestos são coordenados pelo “pessoal que quer voltar ao poder.”

“Para alguns grupos está difícil a vida. Acabou a teta, né?”, afirmou Bolsonaro aos estudantes.

O presidente disse ainda que “alguns” professores oferecem “facilidades” para convencer estudantes a participarem de protestos.

“É uma minoria que manda na escola. O pessoal fica aí, os professores, alguns, oferecendo ponto, facilidade, aí o cara participa do movimento, nem sabe o que vai fazer na rua”, declarou. G1