(Foto: Paula Fróes/CORREIO)

Maurício Miranda, de 27 anos, é chefe dos garçons do bar Parador Z1, que fica no Rio Vermelho, em Salvador, e já está vacinado. Mas ele não se contenta em dar o exemplo, ‘veste a camisa da vacina’ e ainda faz propaganda. “Eu faço questão de conscientizar amigos e clientes também. Sempre que tenho chance, pergunto se estão vacinados, jogo um comentário, converso sobre e tento incentivar”, diz. No Parador Z1, todos os funcionários já receberam a vacina, assim como no Boteco RV, Casa de Tereza, Boteco Português e Gran Hotel Stella Maris. O movimento faz parte de uma campanha para que todos os bares, restaurantes e hotéis só aceitem colaboradores vacinados.

A iniciativa é da Federação Baiana de Turismo e Hospitalidade da Bahia (FeTUR-Ba). O objetivo é que proprietários e gerentes dos estabelecimentos passem a exigir a vacinação de seus colaboradores com, ao menos, uma dose. Maurício apoia a ideia. Para ele, não há motivo para não se vacinar e a campanha serve de incentivo para que toda a população se imunize o quanto antes. Ele já teve covid-19, assim como sua mãe, que precisou ser intubada, e sabe bem da importância da vacinação.

“Assim que liberou para a minha idade, eu fui receber a minha dose. Agora estou aguardando ansiosamente pela segunda. Eu gostei da campanha e apoio, é importante que a gente dê o exemplo para o restante da população. Nós do comércio somos os maiores interessados que isso tudo passe logo”, afirma.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, Salvador tem 84.920 pessoas de 18 anos ou mais que não se vacinaram nem com a primeira dose. Os atrasados da segunda dose somam 101.241 e, os da terceira dose, 9.889. De acordo com o Vacinômetro, cerca de 1.915.000 pessoas receberam a primeira dose em Salvador. Mais de 960.000 foram imunizadas com a segunda dose e 9.500 com a dose de reforço (terceira dose).

Para o presidente da FeTUR, Sílvio Pessoa, a iniciativa vai proteger funcionários e clientes e deve servir de exemplo para outros tipos de comércio. “Todo mundo quer que os colaboradores estejam vacinados para dar segurança aos clientes. É importante que as pessoas vejam que, além de nós prezarmos pelo cumprimento dos protocolos propostos pelas secretarias de saúde estaduais e municipais, também garantimos mais proteção ao termos colaboradores vacinados”, diz.

Segundo o presidente, ainda não foi registrada resistência por parte dos funcionários quanto à nova medida. “Apenas alguns alegaram que estavam doentes, mas, quando os sintomas gripais foram embora, se vacinaram logo em seguida”, explica ele.

Pessoa coloca que é necessário que o movimento ganhe ainda mais proporção através da ação da prefeitura de Salvador e do Governo do Estado. “Acho que precisamos de uma campanha maior para incentivar essa vacinação das pessoas que trabalham com atendimento ao público no comércio em geral. É uma proteção para eles mesmos e para o público; passa mais segurança e estimula o comércio e o turismo”, finaliza.

No Boteco RV, a gerente Telma Santos deu a letra: só trabalha quem se vacina. “Eu comuniquei a eles que todos deveriam se vacinar porque não poderíamos mais trabalhar com pessoas que não tivessem ao menos a primeira dose. Todos acataram sem resistência. Pedi para eles apresentarem as carteiras de vacinação, fiz cópias e arquivei. É como se fosse mais um documento que temos, assim como RG e carteira de trabalho”, conta ela.

“E é importante lembrar que, apesar da vacinação, os protocolos e cuidados não devem ser abandonados porque a pandemia ainda não acabou. Continuamos utilizando álcool em gel, higienizando tudo e exigindo dos clientes o uso da máscara para circular no estabelecimento. Os funcionários não tiram de jeito nenhum”, ressalta a gerente.

No Boteco Português, o proprietário Giuseppe Salvetti já vem fazendo vista grossa em relação à vacinação dos colaboradores há meses. Um deles foi infectado pela covid-19 em 2020 e ligou o sinal de alerta. “Aqui, desde o início da vacinação em Salvador, a gente já vinha incentivando os colaboradores a procurarem os postos. Conforme as idades iam chegando, fomos conversando com cada um e eles receberam isso de uma forma muito boa. Mas, se apresentassem resistência, o trabalho deles estaria em risco”, explica.

Para Salvetti, o ideal é que todos os estabelecimentos comerciais façam o mesmo, mas que também seja possível exigir que os clientes estejam vacinados. “Acredito que a prefeitura deve também criar algum mecanismo para que a gente possa exigir dos clientes o cartão de vacinação para eles poderem entrar. Nós não fazemos isso hoje, mas, caso haja uma definição do Poder Público, vamos acatar, com certeza. A vacina é a única forma que temos de fugir da pandemia e é preciso incentivar de todas as formas as pessoas que estão resistentes”, coloca o proprietário.

No Gran Hotel Stella Maris, todos os colaboradores estão vacinados e a cobrança também começou no início do processo de vacinação. “Criamos uma campanha interna com nossos funcionários, estimulando que eles se vacinassem. Com a ampliação das idades aptas, a gente intensificou isso e todos os funcionários tiveram que apresentar o cartão de vacinação”, diz a diretora de vendas e marketing do hotel, Viviane Pessoa.

“É uma doença grave, que pode causar a morte, então buscamos a proteção. Além disso, ao termos todos os funcionários vacinados, a gente estabelece um status e passa para o cliente uma espécie de selo de segurança sanitária. Juntamos isso com o cumprimento de protocolos e o hóspede fica mais confiante em utilizar a estrutura do hotel”, ressalta Viviane.

Até o momento não há informação sobre iniciativas dos governos municipal e estadual para exigir a vacinação de funcionários ou clientes. O governador Rui Costa, no entanto, já mencionou a possibilidade de exigir a vacinação de servidores públicos e candidatos de concursos públicos promovidos pelo estado. Rui também afirmou que o acesso a locais públicos geridos pelo estado, como parques, podem passar a exigir o cartão. A exigência também pode alcançar estádios e turistas que cheguem à Bahia.

Outras cidades, como São Paulo, e países, como Estados Unidos e França, já adotam exigência de vacina para determinados locais, como ambientes fechados, estádios e eventos. Procurados pela reportagem, os governos municipal e estadual não responderam sobre a possibilidade de exigir a apresentação do cartão de vacinação para clientes poderem frequentar bares, restaurante e hotéis.

A reportagem procurou a prefeitura e o governo estadual para saber se há pretensão de idealização da campanha para vacinação de funcionários que lidam com o atendimento ao público e para exigência de cartão de vacinação para entrada em estabelecimentos, mas não houve resposta. A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes Seção Bahia (Abrasel Bahia) também foi procurada para informar se pretende aderir à campanha da FeTUR, mas também não respondeu.

Cliente que se vacina ganha duas vezes 

Se vacinar e ficar imunizado já é bom, mas se vacinar e ainda ganhar desconto no comércio é melhor ainda. O Gran Hotel Stella Maris resolveu, além de exigir dos funcionários a vacinação, incentivar que seus clientes busquem a imunização através de uma promoção. Na última quarta-feira (1), o hotel lançou uma campanha que confere desconto para os hóspedes que estiverem com as duas doses da vacina.

Ao fazer a reserva pelo site ou pela central (71 3413-0000), o cliente recebe desconto que varia entre 5 e 10% na tarifa pública, a depender do período desejado. Aí basta apresentar o comprovante de vacinação na hora de realizar o check-in. As reservas também podem ser feitas pelo e-mail [email protected]

O Boteco Português também segue a mesma linha. Até o final de setembro, quem apresenta o cartão de vacinação com ao menos uma dose ganha o famoso pastel de nata. É uma sobremesa tradicional portuguesa e o carro-chefe da casa. “Fizemos em agosto e foi um sucesso, aí decidimos continuar em setembro. Os clientes adoraram e todos os estabelecimentos que têm condições devem fazer também”, diz o proprietário, Giuseppe Salvetti.

Incentivo à vacinação de comerciantes em Cairu

A Associação Comercial e Empresarial de Cairu (ACEC) também lançou uma campanha de incentivo à vacinação contra a covid-19 entre os funcionários dos estabelecimentos comerciais e empresariais do município de Cairu. Entre os objetivos, está a preparação do cenário para a retomada em larga escala do turismo local.

Com o discurso voltado e focado para às empresas, a campanha, feita através das redes sociais, traz informações de incentivo à vacinação, benefícios com a imunização coletiva e identificação do estabelecimento que possui 100% dos seus colaboradores vacinados através da colocação de um adesivo com o selo da campanha no local.

“O objetivo é termos 100% de toda massa trabalhadora vacinada e pronta para receber o volume de turistas que esperamos nos próximos meses. A Secretaria de Saúde do Município fez um ótimo trabalho na campanha de vacinação e os empresários se uniriam para acelerar ainda mais o número de trabalhadores vacinados diretamente ligados ao turismo para que a gente possa chegar a 100% de cobertura”, diz o presidente da ACEC, Christian Willy. (Correio da Bahia)