A movimentação nos bastidores do entretenimento para a realização do Réveillon e do Carnaval de 2022 é forte, mesmo sem a certeza de que a festa vá acontecer em algum cenário próximo. Além das duas grandes festas do calendário soteropolitano, outros projetos também vem sendo trabalhados, ainda que o setor esteja paralisado desde março de 2020. “A gente tem no nosso planejamento um calendário de eventos para ser executados. Nós estamos trabalhamos fortemente nos bastidores neste sentido para deixar esses eventos o mais redondo possível, cada um deles”, explicou Isaac Edington, presidente da Empresa Salvador Turismo (Saltur).

Durante a entrevista para o programa ‘Isso É Bahia’, da rádio A Tarde FM, o chefe da Saltur explicou a alternativa dada pelo secretário de Saúde Leo Prates de um evento indoor no Carnaval, sugestão que causou polêmica pela possibilidade de segregação da festa de rua. “Sei que gerou polêmica a citação do secretário Leo Prates sobre o indoor, o conceito na verdade seria em espaços com controle de acesso, que nós também estamos acostumados a fazer. O Festival Virada é um evento, por exemplo, que é feito em um espaço público, com controle de acesso. É claro que dentro de uma pandemia isso teria outras características”.

Segundo o presidente da Saltur, as festas nunca deixaram de ser planejadas pelo órgão, mesmo sem a previsão de retorno dos eventos. “Quem lida diretamente com esse tipo de atividade, tanto poder público, como iniciativa privada, tem que se preparar mesmo para que a gente possa, no momento adequado avançar. Estou trabalhando longamente, ontem a minha manhã inteira eu estava com a minha equipe de técnicos trabalhando no projeto do Carnaval. Nas coisas que a gente imagina que precisam ser ajustadas no Carnaval”, informou Isaac Edington.

No início do mês o Bahia Notícias trouxe um termômetro do setor de eventos sobre a possibilidade da folia indoor e a opinião de empresários da área sobre a alternativa para a realização do Carnaval. “Nós temos que pensar sim em todas as possibilidades. ‘Não vai ter Carnaval? Ok’, ‘Poderá ter Carnaval, mas de uma forma modificada’, precisamos estar preparados para isso e preparar alternativas para oferecer ao prefeito e ao trade de Carnaval. Eu digo que o momento é precisamos estar preparados para tudo”, disse Edington. (BN)