Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O delegado Rivaldo Barbosa, preso pelo assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, confirmou em depoimento à Polícia Federal que frequentava um dentista que atendia milicianos de Rio das Pedras, no Rio de Janeiro. A informação foi revelada pelo comentarista Octávio Guedes no Estúdio i. À PF, Rivaldo afirmou ter ido ao profissional por indicação da delegada Patrícia Aguiar, madrasta de Kaio Brazão, enteado de Domingos Brazão.

Patrícia Aguiar é namorada de Anselmo Paiva, pai de Kaio Kroff Paiva. A mãe de Kaio, Alice, é casada com Domingos Brazão. De acordo com relatório da Polícia Federal, o dentista de Rio das Pedras atendia também os milicianos Adriano da Nóbrega, Maurição e Marcus Vinícius, conhecido como Fininho. O último é apontado pelo delator Ronnie Lessa como um dos responsáveis por ter fornecido a arma do crime.

Segundo ao depoimento, ao qual o blog teve acesso, Rivaldo diz ter sido apresentado ao dentista por Patrícia durante um almoço. Ele afirma ter sido atendido pelo profissional para fazer tratamento de limpeza e obturação, na Estrada de Jacarepaguá, no máximo quatro vezes. Ele negou ter se encontrado com Adriano da Nóbrega no local.

Em uma publicação em rede social, a delegada Patrícia Aguiar disse ter indicado um profissional em 2015, para um atendimento emergencial. “Diante da necessidade de um tratamento emergencial, indiquei a ele que procurasse minha amiga de infância (a quem conheço desde os 7 anos de idade) que é uma dentista de minha confiança, respeitada, competente, e que possui consultório em Rio das Pedras”, escreveu. O dentista, ouvido pela PF, relatou que viu Rivaldo no período de um ano, sendo a última consulta em 2017.

Ela afirma ainda que não via problema indicar um profissional naquela região, “ainda mais sendo minha amiga”. Patrícia declarou ainda que na época não conhecia Anselmo Paiva, a quem só teria sido apresentada no final de julho e nega ter contato com os Brazão. “Só fui apresentada [a Kaio] mais de um ano depois, no final de 2016, e cujos filhos conheci já adultos (portanto, não sendo madrasta de ninguém)”, alegou.

Ao ser questionado porque optou por ir a um dentista em Rio das Pedras para fazer uma limpeza, Rivaldo disse que “precisava ser um dentista indicado”. A região é uma área de milícia, dominada pelos irmãos Brazão. “[Sobre] a relação de Rivaldo com os Brazão, foram encontrados pontos de contato entre ambos e intermediários. Foi corroborada a história da ida de Rivaldo a Rio das Pedras com a justificativa de ir ao dentista cuja carta de clientes abrange todos os milicianos da área”, assinala a PF em um relatório.

Para a corporação, o fato de “um delegado de tal estirpe” frequentar Rio das Pedras sem ser incomodado “já chama a atenção”. “O período no qual Rivaldo se consultou no local, bem como o breve espaço de tempo sendo atendido pelo profissional denota a verossimilhança dos encontros programados com milicianos no consultório.”

A partir dessas declarações de Rivaldo, a Polícia Federal ouviu, também, o dentista João Marcos Ururahy, que confirmou quatro idas de Rivaldo ao consultório ao longo de 2017. A constatação, para a PF, é “no mínimo suspeita” da relação entre o delegado e a família Brazão.

“Sendo assim, mediante a frequência em tal ambiente em período compatível com a ideação dos atos homicidas, conforme explicitado por Ronnie Lessa em sede de colaboração, se mostra no mínimo suspeito, ante a interação dos milicianos responsáveis pela área com a Família Brazão, notadamente aquele de alcunha Fininho”, assevera. G1