divulgação

A Neoenergia Coelba e a Polícia Civil identificaram e removeram, na última quarta-feira (20), uma ligação clandestina de energia que seria capaz de abastecer 7 mil residências durante 15 dias ou todo o município de Apuarema, municípios próximo a Vitória da Conquista, por um mês.

A irregularidade foi encontrada em uma fazenda de cultivo de café no município de Nova Viçosa – no Sul baiano – e, devido ao ato ilegal, uma pessoa foi conduzida à delegacia para prestar os devidos esclarecimentos.

A operação contou com a participação de oito eletricistas da Neoenergia Coelba, quatro agentes da Polícia Civil e um perito técnico. No local, a distribuidora verificou que a unidade estava ligada diretamente na rede elétrica, caracterizando a ligação clandestina. A energia recuperada na ação foi de 400 mil quilowatts/hora.

“A unidade foi mapeada pela equipe de inteligência da Neoenergia Coelba, que verificou a incompatibilidade do consumo de energia com a atividade realizada no local. Comunicamos a situação à Polícia Civil para a realização de uma operação em conjunto, que confirmou a suspeita da distribuidora sobre a fraude na localidade”, explicou o gerente de Receita da Neoenergia Coelba, Rodrigo Almeida.

Além da pessoa que foi conduzida à delegacia, foi instaurado um inquérito policial contra o responsável pela unidade para apuração do crime. O furto de energia é crime previsto no artigo 155 do Código Penal Brasileiro, com pena de até a oito anos de reclusão pela prática ilegal.

Prejuízos e denúncias

Além de ilegais, os “gatos” representam riscos para a segurança de quem os realiza e da população, já que são realizados por profissionais não habilitados e qualificados. O furto de energia também prejudica o fornecimento de energia da região, podendo causar graves problemas para a rede elétrica e ocasionar a interrupção do abastecimento.

Por isso, o apoio da comunidade ao denunciar uma situação é essencial para que os desvios sejam combatidos. As denúncias são feitas de forma anônima através do telefone 116 ou pelo site da Neoenergia Coelba (www.neoenergia.com). Correio da Bahia