Foto: Amanda Oliveira/Gov-BA

Em abril, conforme os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Bahia registrou a criação de 10.649 novos postos de trabalho com carteira assinada, resultado da diferença entre 84.239 admissões e 73.590 desligamentos. Este é o quarto mês consecutivo com saldo positivo, com os números de emprego formal compilados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), sob responsabilidade do Ministério do Trabalho e Emprego.

Apesar de abril apresentar um saldo inferior aos registrados em março deste ano (+12.834 postos) e abril do ano anterior (+11.749 postos), ainda é o segundo melhor resultado do ano até o momento no estado.

Com o saldo de abril, a Bahia alcançou a marca de 2.088.562 vínculos celetistas ativos, representando um aumento de 0,51% em relação ao mês anterior. Enquanto isso, Salvador registrou um saldo de 3.250 postos de trabalho celetista, elevando o total de vínculos para 657.221 e indicando um aumento de 0,50% em relação a março.

Em abril, quatro dos cinco grandes grupos de atividades econômicas na Bahia registraram saldo positivo de postos de trabalho celetista. O setor de Serviços (+7.453 vagas) liderou a geração de empregos, seguido por Indústria geral (+2.507 vínculos), Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (+1.213 postos) e Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+44 empregos). O grupo de Construção (-568 vagas) foi o único a apresentar perda líquida de postos no mês.

A nível nacional, o Brasil registrou um saldo de 240.033 vagas em abril, enquanto o Nordeste teve 23.667 novos postos. A Bahia (+0,51%) exibiu um aumento relativo do estoque de vínculos ligeiramente menor do que o do país e maior do que o da região nordestina, no período de março a abril.

Das 27 unidades federativas do Brasil, 25 apresentaram crescimento do emprego celetista em abril deste ano. Alagoas (-1.607 vagas) e Pernambuco (-1.103 vínculos) foram os únicos com saldo negativo no mês. A Bahia, com 10.649 novos postos, registrou o oitavo maior saldo do país e uma variação percentual de 0,51%, situando-se na 16ª posição em termos relativos.

No Nordeste, sete dos nove estados experimentaram alta do emprego formal em abril. Em termos absolutos, a Bahia liderou a geração de vagas entre as unidades nordestinas no mês. Em termos relativos, o estado baiano (+0,51%) ficou na terceira posição na região.

Quanto à variação relativa mensal do estoque, Piauí (+0,59%) destacou-se na região nordestina, seguido por Rio Grande do Norte (+0,53%), Bahia (+0,51%), Sergipe (+0,48%), Maranhão (+0,46%), Ceará (+0,42%) e Paraíba (+0,15%). Alagoas (-0,37%) e Pernambuco (-0,08%) apresentaram oscilações negativas.

Analisando o acumulado do ano, a Bahia criou 36.267 novas vagas de emprego até abril de 2024, um aumento de 1,77% em relação ao total de vínculos celetistas no início do ano. Salvador registrou 21.538 novos postos no mesmo período, representando uma variação positiva de 3,39%.

O especialista em produção de informações da SEI, Luiz Fernando Lobo, ressalta que a geração de empregos com carteira assinada continua surpreendendo na Bahia em 2024. O saldo acumulado de janeiro a abril deste ano supera o resultado do mesmo período do ano anterior. No agregado do ano, todos os cinco grandes grupos de atividades econômicas registraram resultado positivo na Bahia.

O setor de Serviços (+25.338 vagas) foi o de maior saldo, seguido por Indústria geral (+5.106 vínculos), Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+3.055 empregos), Construção (+1.710 vagas) e Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (+1.059 empregos). O crescimento do emprego celetista também foi observado no Brasil e no Nordeste no acumulado do ano. A Bahia exibiu um crescimento relativo do emprego formal maior do que o do Nordeste, mas menor do que o do país no ano.