EC Bahia

O pulso tricolor ainda pulsa. Neste domingo, o Bahia entrou em campo precisando vencer o Fluminense para se manter vivo na luta contra o rebaixamento. O Esquadrão alcançou o objetivo e bateu o time carioca por 2×0, na Fonte Nova.

Em um dia de muita chuva em Salvador, Gilberto, sempre ele, foi o herói do tricolor. O centroavante marcou dois gols ainda no primeiro tempo e garantiu  o triunfo que tirou o Bahia da zona de rebaixamento. Com 43 pontos, o tricolor subiu para a 15ª colocação, ultrapassando Cuiabá e Juventude – o time baiano leva vantagem no número de vitórias.

O Esquadrão agora precisa secar os dois concorrentes, que entram em campo nesta segunda-feira (6), para seguir fora do Z4. Na quinta-feira (9), o Bahia pega o Fortaleza, no Castelão, na última rodada do Brasileirão.

SÓ DEU BAHÊA
Com Lucas Mugni e Rodriguinho suspensos, Guto Ferreira optou pela entrada de Edson no meio-campo. Já no ataque, o treinador fez a manutenção de Rossi, deixando Juninho Capixaba – que voltou após cumprir suspensão – no banco de reservas.

A primeira grande chance do jogo foi do Fluminense. Com apenas um minuto, Nino desviou a falta para a área, a bola sobrou para Caio Paulista, completamente livre, ele ajeitou para Fred, mas o centroavante não aproveitou a oportunidade. Depois disso só deu Bahia.

Empurrado pela torcida, o tricolor partiu para o ataque. Gilberto tentou de voleio, enquanto Rossi experimentou de fora da área e por muito pouco não abriu o placar. Aos nove minutos, a cabeçada de Gilberto foi bloqueada pelo braço de Caio Paulista. Os tricolores ficaram pedindo pênalti, mas o árbitro deu apenas escanteio.

Com as linhas avançadas, o Bahia seguiu sufocando o Fluminense. No lançamento de Raí, Rossi tentou de cabeça, mas o goleiro fez a defesa. O camisa 7 voltou a aparecer bem quando recebeu de Gilberto dentro da área e mandou uma bomba. Marco Felipe fez outra grande defesa e salvou o Flu.

Aos poucos o Bahia baixou o ritmo e a partida passou a ficar equilibrada. Quando o Esquadrão voltou a apertar no ataque, o gol saiu. Como num jogo de vôlei, Luccas Claro cortou o cruzamento com a mão e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, Gilberto bateu no canto e abriu o placar, aos 38 minutos.

A tarde era mesmo de Gilberto. Aos 46 minutos, o Bahia puxou o contra-ataque e Rossi lançou para Giba. O centroavante viu o goleiro adiantado e mandou por cobertura, um golaço para ampliar o placar na Fonte Nova.

EMOÇÃO ATÉ O FIM
O Bahia voltou do intervalo com o mesmo time e o terceiro  gol poderia ter saído logo nos primeiros minutos. Danilo Barcelos recuou na fogueira para o goleiro, Rossi chegou primeiro na bola, mas Marcos Felipe esticou a perna e conseguiu cortar na hora da finalização.

Diferente do primeiro tempo, quando pressionou o Fluminense, o Esquadrão mudou a estratégia  e deixou a bola com o time carioca, esperando o momento para encaixar o contra-ataque. A situação quase se complicou no chute fraco de Yago que Danilo Fernandes por muito pouco não tomou um frango. A bola explodiu na trave e na volta Luiz Otávio cortou.

Guto Ferreira decidiu tirar Rodriguinho e colocou Juninho Capixaba em campo. Na primeira jogada, o lateral recebeu em profundidade e soltou o pé. Marcos Felipe evitou o terceiro gol do Bahia. Minutos depois as duas equipes ficaram com um jogador a menos. Rossi e Manoel se estranharam na frente do árbitro e receberam o cartão vermelho direto.

Depois de um momento de tensão entre os times, a bola voltou a rolar, mas sem grandes chances para os dois lados. Já aos 44, Bobadilla chegou a assustar Danilo Fernandes em chute da entrada da área. Aos 47 foi a vez do Bahia ter a chance do terceiro, mas Renan Guedes não aproveitou o contra-ataque. Não fez falta já que o árbitro apitou o fim do jogo e confirmou o triunfo tricolor. (Correio da Bahia)