Foto: Bahia Notícias

O cenário de intenções de voto para o governo na Bahia muda quando os candidatos aparecem colados em presidenciáveis. É o caso do senador Jaques Wagner (PT), que quando associado a figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva assume a liderança, de forma tímida, empatando tecnicamente com o segundo colocado. Já sozinho, o petista soma 23,1% e fica em segundo lugar. Os dados são de levantamento do Instituto Paraná Pesquisas em parceria com o Bahia Notícias. Com o apoio de Lula, Wagner soma 36,8% das intenções de voto para o governo da Bahia.

Neste cenário, o nome de ACM Neto (DEM) aparece com o apoio do ex-juiz Sergio Moro (Podemos) e o democrata soma 36,6% da preferência dos eleitores. Sozinho o  ex-prefeito de Salvador lidera com folga com seus 54,8%. Com os apoios, é um cenário de empate técnico, dentro da margem de erro da pesquisa. O ministro da Cidadania João Roma (Republicanos) é beneficiado e cresce na preferência do eleitorado quando associado ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

Se sozinho Roma tem 3,9%, com o apoio de Bolsonaro ele vai a 13,6%. Este cenário só considerou esses três nomes para o governo da Bahia. Os eleitores que não responderam são 4,4%  e votariam branco ou nulo 8,6%. O levantamento BN/ Paraná Pesquisas foi feito por intermédio de entrevistas pessoais por telefone, não robotizadas, em 200 municípios baianos. Foram ouvidos 2002 eleitores entre os dias 24 e 28 de novembro. Bahia Notícias