Chegando à sua 5ª edição, O Suba 100 MTB – Inselberg Challenge movimenta os municípios de Santa Teresinha, Itatim e Castro Alves, no recôncavo baiano, desde 2015. Um dos idealizadores do evento, Pietro Baddini contou a história da competição que passou a ser considerada uma das cinco maiores provas de Mountain Bike do país. “Santa Teresinha é a capital baiana do Voo Livre, e naquela região tem uma formação rochosa que é única do mundo, chamada de Inselbergs. Através de um estudo feito pela Ufba [Universidade Federal da Bahia], foi constatado que aquela região tem o maior conjunto de torres de pedra do mundo, chamada de placas tectônicas de Jequié. Essa região era explorada pelo voo e eles viram o potencial de trilhas no local. Resolveram fazer uma prova de Mountain Bike, que é de subida, e o principal intuito é o Challenge”, explicou.

A prova é uma das mais belas do Brasil

A competição, que teve início nesta última sexta-feira (26), segue acontecendo neste sábado (27) e domingo (28), também tem crescido em participação. Segundo Pietro, a 1ª edição contou com 178 atletas de alguns estados do Brasil. No ano seguinte, a competição recebeu 600 ciclistas. No 3º foram 800 e no 4º ano 1.000 competidores. Nesta temporada serão 1.527 participantes. Outro recorde quebrado para esse ano foram as inscrições femininas. Mais de 200 mulheres vão participar.

Inicialmente, a prova era disputada em um único dia com um percurso de 100km. Porém, após duas edições, a competição mudou para 100 milhas em dois dias, divididos entre Mata Atlântica e Caatinga nos Inselbergs.

“É um Challenge de 100 milhas. Como a região tem uma trilha muito dura, ficaria impossível o atleta fazer em um dia. A prova terminaria de madrugada, caso fizéssemos isso. Resolvemos fazê-la em dois dias, sendo que no primeiro na Mata Atlântica e no segundo dia na Caatinga. Tem uma região que no mesmo lugar existem dois biomas, com a mata Atlântica de um lado e a Caatinga do outro. O primeiro dia é o de maior ascensão, é quando você sobe mais. São quase 2.500m. A prova completa tem um acúmulo de 4.500m de ascensão”, explicou Pietro.

Os ciclistas enfrentam diversos cenários

Presidente da Federação Baiana de Ciclismo (FBC), Orlando Schmidt destacou a importância do evento para o município de Santa Teresinha: “O desenvolvimento da cidade e da cultura é um legado que não tem preço. A Federação está muito satisfeita com esse legado. Abrimos as inscrições e em 12h mais de 1.500 ciclistas se inscreveram, o que nos deixou bastante emocionados”, disse o mandatário da entidade.

“Santa Teresinha não tinha nem sequer uma pousada, eram apenas estalagens. Atualmente temos sete pousadas e um hotel fazenda. Ela vira um grande dormitório. Esse ano, mais de 220 residências foram alugadas, que é um incremento de mais de R$ 1,5 milhão. Não só para a cidade, mas também em Castro Alves, Itatim, Milagres, todos os locais são ocupados. O evento chega a receber oito mil pessoas, entre turistas e atletas”, completou Pietro.

Santa Teresinha é o Centro Esportivo do evento. Toda estrutura da prova é montada na cidade, desde a largada, premiação, logística, entre outros. O cenário do município também é destaque. Ventos, chuva, calor e frio fazem parte da prova em um mesmo dia.

Ainda segundo Pietro, os atuais campeões são os baianos Caroline e Kennedy Lago, que é atleta profissional: “Infelizmente ele não poderá participar neste ano por estar em outro evento. Porém, Mário Veríssimo, que é o atual Campeão Brasileiro de Maratonas, irá participar”, disse Pietro.

Um dos idealizadores, Pietro entrega premiações 

A vinda de Veríssimo foi bastante comemorada por Orlando: “Estar inserido nas melhores provas do Brasil já é de grande importância, e estar em um evento onde os grandes atletas do Brasil inteiro estão participando é uma satisfação imensa”, disse o presidente da FBC e organizador do evento. Informações do Bahia Notícias Fotos: Divulgação