Uma terceira rebelião atingiu, nesta sexta-feira (5), o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Desta vez, o motim ocorreu na Penitenciária Odenir Guimarães (POG), uma unidade de regime fechado do complexo – as outras duas foram na Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto.

 

Segundo a PM, não há registro de feridos. A primeira, na segunda-feira (1º), deixou 9 mortos. A assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária informou em nota que a situação no local foi “controlada” depois que o Grupo de Operações Penitenciárias Especiais, com o apoio da PM, invadiu o local.

 

Segundo o órgão, por volta das 7 horas um “procedimento de revista” começou a ser feito. O conflito começou por volta das 4h30 desta sexta-feira, quando tiros começaram a ser ouvidos na região do Complexo Prisional. De acordo com o assessor de comunicação da PM, o tenente-coronel Marcelo Granja, o conflito começou em alas que ficam ao fundo da penitenciária e foi “rapidamente” identificado pelos agentes segundo informações do G1.

 

“Houve uma intervenção de forma rápida, enérgica, por parte, tanto da Polícia Militar, quanto do Gope. O presídio já está tomado, não há relato de nenhuma morte, nenhuma vítima. As forças de segurança já entraram no momento em que houve uma movimentação estranha. Agora vamos passar para a parte de vistoria”, disse o tenente-coronel.

 

De acordo com a corporação, foram deslocados policiais dos batalhões de Choque, Operações Especiais, Grupo de Radiopatrulha Aérea, além da cavalaria da corporação para a POG. Equipes do Corpo de Bombeiros também acompanharam a movimentação no presídio.