Alan Santos/PR

Quatro secretários do Ministério da Economia pediram demissão dos cargos nesta última quinta-feira (21), alegando motivos pessoais. O anúncio foi feito pela própria pasta, e ainda não há substitutos anunciados. Os quatro secretários comandavam a área fiscal do ministério, ou seja, os setores diretamente relacionados com os gastos públicos. Deixaram os cargos:

  • o secretário de Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal;
  • o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt;
  • a secretária-especial-adjunta de Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas;
  • e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo.

“Funchal e Bittencourt agradecem ao ministro pela oportunidade de terem contribuído para avanços institucionais importantes e para o processo de consolidação fiscal do país”, diz o ministério. De acordo com o Ministério da Economia, Funchal e Bittencourt seguem despachando nos cargos até que seja feita a transição para os próximos secretários.

Os pedidos de demissão acontecem após a manobra liderada pelo Centrão para abrir espaço no teto de gastos em 2022, ano de eleições gerais. O governo pretende gastar cerca de R$ 40 bilhões fora da regra de austeridade para bancar um benefício social temporário de, pelo menos, R$ 400 mensais. Os substitutos nos cargos ainda não foram anunciados. Também nesta quinta, o secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, José Mauro Coelho, pediu demissão do posto. G1