PR

Aliados da agora ex-secretária de Saúde de Porto Seguro, Raíssa Soares, a despeito da fala do presidente estadual do PL, José Carlos Araújo, vão colocar na rua a pré-campanha para que ela seja o nome ao Senado pelo PL ou pelo PP. As duas agremiações estão em conversas avançadas com o presidente da República Jair Bolsonaro, que deve ser candidato à reeleição e, conforme publicou o Política Livre, quer ter poder para indicar pelo menos metade dos nomes ao Senado nas eleições de 2022.

“Com toda certeza, pois o presidente disse que ‘eu tenho interesse em indicar metade dos candidatos ao Senado, pessoas perfeitamente alinhadas conosco’, e doutora Raissa é uma dessas pessoas alinhadas”, disse uma fonte ligada à médica, que se notabilizou pela defesa nas redes sociais do chamado tratamento precoce. Pelo menos no PL, a ex-secretária deve encontrar dificuldades para viabilizar seu nome, uma vez que, conforme palavras de Araújo, ditas ontem ao Política Livre, a médica não é suficientemente conhecida em toda a Bahia.

“A médica de Porto Seguro  não tem nome na Bahia toda. Em primeira mão, buscaríamos alguém com um peso maior. Acho que Bolsonaro não faria uma coisa dessas: empurrar um nome que não seja palatável”, disse ontem o presidente estadual do PL. Na manhã desta quinta-feira (28), a médica anunciou no Twitter o ingresso nas redes sociais Guitter e Telegram. “Ampliando os horizontes de redes sociais! Abaixo a dita dura!”, escreveu a médica hoje, no Instagram, ao anunciar o ingresso no Telegram. A médica escreveu ditadura separado como registrado anteriormente. Política Livre