camara dep

O deputado federal Arthur Maia (União Brasil), que presidiu a CPMI do 8 de Janeiro, se pronunciou na segunda-feira (8) a respeito dos atos ocorridos há um ano e pontuou não acreditar na tese de tentativa de golpe, embora tenha também afirmado, em texto publicado no X (antigo Twitter), que alguém pode ter consultado as Forças Armadas sobre a possibilidade de proceder para este fim.

“Me recuso a aceitar que essa gigantesca selvageria, porquanto gravíssima, possa ser considerada uma tentativa de golpe de estado, simplesmente porque aquela turba, ainda que agressiva e mal intencionada, não dispunha de meios de força capazes de promover a tomada do poder”, escreveu o parlamentar.

Um pouco antes desse trecho citado, em outra parte do pronunciamento disse que um golpe de estado pode ter sido pensado. “Não posso afirmar categoricamente, mas o meu sentimento é de que, em determinado momento, algum personagem dirigiu-se ao comando das forças armadas e perguntou da possibilidade de adesão a um golpe de estado. Por óbvio, crendo como creio que isso de fato aconteceu, a resposta foi negativa, levando os pretensos golpistas a desistirem do seu infeliz intento”. BNews