A atual procuradora-geral, Raquel Dodge, tem ficado isolada dentro de um pequeno grupo de colegas após se posicionar contra ao acordo realizado entre a Lava Jato e a Petrobrás. Diante disto, o racha que aconteceu dentro do MPF tem intensificado a antecipação das discussões sobre quem vai ser o próximo procurador a chefiar a PGR.

Segundo o portal da Folha de S. Paulo, Dodge tem atualmente o apoio do Congresso e do Supremo para que consiga se reeleger ao cargo. Ultimamente ela também vem sendo figura presente nos eventos de militares.

A pedra no sapato de Dodge pode surgir com a indicação de um nome ligado aos procuradores da Lava Jato, que já deixaram claro que existe a possibilidade de apoiar um dos candidatos.

Há também uma parcela de procuradores que vêm chamando atenção para que a lista tríplice, que será futuramente formada, seja respeitada. Quem irá compor esta lista, no entanto, ainda não parece definido, até porque, quatro nomes estão sendo cotados. Além da atual procuradora-geral Raquel Dodge, Blal Dalloul, Vladimir Aras e Robalinho Cavalcanti já aparecem entre os procuradores como pré-candidatos. Foto: José Cruz/Agência Brasil