Agência Brasil

A decisão do apoio ou não do União Brasil a Sérgio Moro (Podemos) na eleição presidencial ficou para a janela partidária. Porém, na Bahia, a aproximação não chegou. O diálogo para a vinda do partido ao arco de apoio do ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (UB/DEM), ainda não “desceu” aos estados.

Mandatários vinculados aos partidos que formarão o União Brasil confirmaram as conversas “em nível nacional”. Apesar disso, a ideia é analisar a viabilidade da candidatura para então aproximar as legendas nos estados. Apesar de não ter “nada na Bahia ainda”, conforme apontado por um deputado federal, a também parlamentar, Dayane Pimentel (PSL/UB) segue sendo a principal entusiasta de Moro no novo partido.

Mesmo “afinada” com o União Brasil, Dayane pretende confirmar o apoio a Moro. Principal aliada do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública no estado, ela tem trabalhado dentro do partido para tentar aproximar a sigla dele, conforme aponta outro deputado vinculado à legenda.

A indefinição também interfere na situação do Podemos na Bahia. Aliado do governador Rui Costa (PT) no estado, o presidente da legenda, deputado federal Bacelar, já teve a presença no partido questionada por Rui, por conta da chegada de Moro a sigla.

Esse namoro entre o União Brasil e Moro de forma nacional já desperta desdobramentos políticos na estruturação das alianças para as eleições. Nos bastidores, uma versão é ventilada: a de que, na Bahia, o apoio do partido do magistrado ao pré-candidato do UB ao Palácio de Ondina, ACM Neto, é um caminho possível. Bahia Notícias