Foto: Haeckel Dias/Polícia Civil

No contexto da onda de violência que assola a Bahia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta última quinta-feira (18) que identifica “mil causas” para o aumento do crime organizado. A declaração do petista ocorreu durante ato de implantação do Parque Tecnológico Aeroespacial, em Salvador.

“O crescimento do crime organizado tem mil causas, mas a principal é a ausência do estado brasileiro em como cuidar das pessoas no tempo certo. E o tempo certo começa no ensino fundamental, ele precisa ser prioridade, porque se a criança estiver bem informada nos primeiros anos ela vai vencer”, afirmou Lula.

A Bahia tem enfrentado, nos últimos anos, um crescimento da criminalidade, com disputa de território por facções criminosas. O estado tem onze das 20 cidades mais violentas do Brasil, segundo o 17º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, com dados referentes a 2022. De acordo com o Ranking de Competitividade dos Estados, desenvolvido pelo Centro de Liderança Pública (CLP), a Bahia está no quinto lugar na lista de piores estados em Segurança Pública do país, atrás apenas de Amapá, Rondônia, Pernambuco e Roraima, nesta ordem.

Também na quinta-feira, o ex-prefeito de Salvador e secretário-geral do União Brasil, ACM Neto, disse que o índice de violência no estado já superou o da guerra civil no Equador. “Diante de tudo que está acontecendo no Equador, a gente não pode deixar de olhar para a nossa realidade, para o que vem acontecendo na Bahia. Infelizmente, a realidade da Bahia não é muito diferente da realidade do Equador. Ao contrário, quando a gente olha a taxa de homicídios do país é 46,5 por cada 100 mil habitantes. Na Bahia, acreditem, é 47,1. Se barbaridades estão acontecendo lá (Equador), também barbaridades acontecem aqui (Bahia) todos os dias”, afirmou ACM Neto, em uma publicação no Instagram. Correio da Bahia