Foto: Victor Vidigal/G1

A empresa que participou da prova de conceito para compra de câmeras de fardamento para a polícia baiana foi desclassificada, informou na terça-feira (12) a Secretaria da Segurança Pública (SSP). A empresa não atendeu às demandas do edital de utilização, apresentando inconsistência nas imagens geradas pelos equipamentos. A SSP informou que agora analisa documentos da terceira colocada na licitação para utilização das câmeras em fardamentos.

Após essa fase, será marcada uma nova prova de conceito, com acompanhamento do Ministério Público, do Tribunal de Contas do Estado, da Auditoria Geral do Estado, da Defensoria Pública do Estado e de Organizações Não Governamentais (ONGs). Estas instituições já estiveram presentes na prova de conceito promovida com a empresa desclassificada. No teste serão avaliadas as especificações do equipamento, diz a SSP, garantindo que tudo que é solicitado no edital seja atendido.

Testes

A análise do equipamento foi realizada pela Superintendência de Gestão Tecnológica e Organizacional (SGTO), no Centro de Operações e Inteligência (COI), com apoio da Superintendência de Telecomunicaçôes (Stelecom). Era a segunda etapa da seleção.

“A empresa fará a demonstração prevista no edital, desde a parte tecnológica até a operacional, com fixação do equipamento nos profissionais e testes externos” explicou na ocasião o major Jurandilson Nascimento, diretor de Videomonitoramento da SGTO

O oficial disse ainda que a ferramenta deverá ser capaz de resistir a água, poeira, queda, entre outras intercorrências. “A qualidade de áudio e imagem, armazenamento e toda a parte que envolve a atividade dos profissionais da Segurança Pública também serão testadas”, completou Jurandílson. Correio da Bahia