O ex-presidente da Caixa, Jorge Hereda, é suspeito de receber propina enquanto atuava no banco. O relatório do Banco Central que resultou no afastamento de quatro vice-presidentes da Caixa, aponta que um dos gestores, Marcos Vasconcelos, recebeu “vantagens” em troca da aprovação de operações financeiras da RB Capital, Rumo Logística e LLX.

 

As mesmas “vantagens” teriam sido repassadas a Hereda. Vasconcelos é ex-vice-presidente de Gestão de Ativos de Terceiros. Hereda também foi citado por outro vice-presidente, Antônio Carlos Ferreira, que disse ter relatado a ele ter sido pressionado pelo ex-deputado Eduardo Cunha a informar operações do banco em valor superior a R$ 50 milhões.

 

O próprio Hereda chegou a afirmar em depoimento à Justiça Federal, em julho do ano passado, que sofreu pressão por parte de Cunha. O caso teria ocorrido em reunião com o ex-presidente da Câmara dos Deputados em 2014 – o peemedebista alertou ao gestor que o convocaria para depor na CPI da Petrobras caso projetos de seu interesse não recebessem financiamento com agilidade segundo informações do Metro1.