Foto: Victor Ferreira / EC Vitória

Durante entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, Fábio Mota falou pela primeira vez da mudança de treinadores do Vitória. O presidente rubro-negro demitiu Léo Condé e contratou Thiago Carpini para comandar a reação do time, que largou com apenas um ponto em 15 possíveis na Série A. O início ruim na competição foi a justificativa do gestor para a troca. “Ninguém é eterno no futebol. Temos que ter amor só pela instituição”, Fábio Mota.

– É um ciclo. Léo Condé é um amigo que vai ficar na história do clube. Conseguiu dois títulos, um deles o mais importante da história do clube, que é o Campeonato Brasileiro (da Série B). Não tem um culpado. A rotina, o tempo, tudo isso vai pesa. Quando terminou o jogo contra o Vasco eu conversei com ele. Ele foi muito franco comigo. Depois conversei com os atletas e assumo a responsabilidade, foi uma decisão nossa de fazer a troca por entender que era hora de mudar e começar um ciclo novo. Temos muito que agradecer a Léo Condé, mas temos um ciclo novo. Vamos partir para frente e nos concentrar no ciclo novo, que é o do Carpini – completou o presidente.

Fábio Mota reconheceu que começou a busca por um novo treinador enquanto Léo Condé ainda estava no clube e justificou a escolha por Thiago Carpini. – Primeiro é demitir e pensar num segundo treinador. Utopia dizer que troca o treinador e depois pensa no próximo. Instituição em primeiro lugar. Temos um modelo de jogo no Vitória, que é um bom modelo de jogo que não funciona no Brasileiro da Série A. Que é diferente da Série B. A gente procurou um modelo de jogo, e ao encontrar um que acha que vai dar certo a gente procurou um treinador desse modelo de jogo. (…) Um treinador com um perfil diferente, tipo de jogo diferente, organização diferente – afirmou Fábio Mota.

Com o adiamento das rodadas sete e oito do Campeonato Brasileiro, o Vitória entra em campo apenas na próxima quarta-feira, quando recebe o Botafogo no jogo de volta da terceira fase da Copa do Brasil. O Rubro-Negro perdeu por 1 a 0 no partida de ida e precisa vencer por dois gols de vantagem par avançar no mata-mata. Se devolver a diferença mínima, a vaga será decidida nos pênaltis. Globoesporte