EC Vitória

Prepara a calculadora: faltam 10 jogos para a Série B acabar. Atualmente na 15ª colocação, o Vitória quer garantir um lugar fora da zona de rebaixamento ao final da 38ª rodada e permanecer na segunda divisão – podendo reiniciar, em 2020, a campanha de retorno à elite do futebol nacional. O desafio que abre a contagem regressiva já é nesta terça-feira (15), às 19h15, contra o Criciúma, na cidade homônima no interior de Santa Catarina.

O rubro-negro possui 32 pontos, com 27,5% de probabilidade de cair para a Série C, segundo cálculos dos matemáticos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Para completar a missão de seguir na B, o número “mágico” é 45. O risco de rebaixamento com esse valor é de apenas 7,36%.

Esse número é, inclusive, a média aproximada obtida pelos times que escaparam da terceira divisão nos últimos 10 anos. Neste período, quem menos precisou pontuar para ficar na Série B foi o Oeste, em 2016, quando terminou com 41 pontos (o Joinville caiu com 40). Já o ASA, em 2011, necessitou da maior pontuação: 48 (o Icasa desceu para a Série C com 47). O cenário atual indica que o valor não será tão alto.

Para chegar aos 45 pontos, o Vitória precisa somar 13 dos 30 disponíveis nas 10 partidas restantes. Os adversários são Criciúma, Londrina, Ponte Preta, Figueirense, Brasil de Pelotas, Paraná, CRB, América-MG, Operário-PR e Coritiba, nesta ordem.

Se for levada em conta essa mesma sequência durante o primeiro turno, a probabilidade é boa para o Vitória: somou 16 pontos, com quatro triunfos (Criciúma, Ponte Preta, Paraná e CRB), quatro empates (Figueirense, América-MG, Operário-PR e Coritiba) e duas derrotas (Londrina e Brasil de Pelotas).

Assim, caso o Leão repita o desempenho, chega aos 48 pontos e praticamente se confirma na Série B 2020. Dos duelos que restam, cinco são como mandante (Londrina, Figueirense, Brasil de Pelotas, CRB e Coritiba) e cinco como visitante (Criciúma, Ponte Preta, Paraná, América-MG e Operário-PR).

Entre os adversários, três são concorrentes diretos, a começar pelo Criciúma, 18º colocado e próximo da agenda. Londrina, em 16º, e o lanterna Figueirense também aparecerão no caminho. No outro extremo, Coritiba, Paraná e América-MG estão brigando intensamente por um lugar no G4.

Exemplo de 2018
Há um parâmetro recente para o Vitória: o que ele precisa fazer nestas 10 rodadas é parecido com o que o CRB necessitava somar no ano passado – e conseguiu.  Até o 28º jogo da segunda divisão de 2018, a equipe alagoana tinha 30 pontos e estava na 18ª colocação.

Tinha aproveitamento de 50% como mandante e 21,4% como visitante – o Vitória atual tem 47,6% em casa e 28,6% fora. Na ocasião, o CRB engatou 18 pontos nos 10 últimos jogos com cinco triunfos, três empates e perdeu apenas duas vezes. Terminou com 48 pontos, na 12ª posição. O Brasil de Pelotas, que tinha 31 pontos até a rodada 28 e estava em 15º, fez ainda melhor: somou 19 pontos, alcançou os 50 e ficou em 11º. Correio da Bahia