A gêmeas siamesas, que nasceram unidas pelo tórax e compartilhando o coração, morreram na tarde de quarta-feira (02), em Goiânia. A informação foi confirmada pelo Hospital Estadual Materno Infantil Jurandir Nascimento (HMI). A mãe delas veio da Bahia para o parto na capital goiana.

Segundo a nota divulgada pelo hospital, as meninas estavam internadas na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, e a causa da morte foi devido à má formação cardíaca. As gêmeas nasceram na quinta-feira passada (26) com 34 semanas de gestação.

Juntas, as irmãs pesaram 3.044 kg. Ainda de acordo com o HMI, o velório vai acontecer na cidade dos familiares, que fica na Bahia, e a família não quer falar sobre o assunto. O médico Zacharias Calil, especialista nestes casos, já tinha falado da complexidade do caso das meninas.

Segundo ele, uma tinha o coração com tamanho normal, e outra com coração menor. Por conta disso, segundo o médico, uma mantinha a outra por meio de uma veia que comunicava os dois corações.

A cirurgia de separação das meninas era impossível, de acordo com Calil, já que os corações eram juntos, colados, músculo com músculo. Dois dias antes do parto, a mãe foi encaminhada de Salvador para Goiânia devido à complexidade do caso. “Elas nasceram melhor do que a gente esperava, pela gravidade do caso, foram para a UTI e entubadas”, detalhou o médico.

Referência

Desde 2000, já foram registrados 41 casos de siameses no hospital, que atende pelo Sistema Único de Saúde. Pacientes de todo o país já passaram pela unidade. O último caso foi das gêmeas Laura e Laís. Elas nasceram no dia 15 de agosto, na Bahia, e, no dia seguinte, foram transferidas para Goiânia. As irmãs compartilham fígado, bexiga e intestino. Elas já receberam alta, mas continuam na capital goiana para acompanhamento médico. G1