Foto: Lucas Figueiredo / CBF

A classificação do Peru para a final da Copa América ligou um alerta na seleção brasileira. Além da preparação técnica e tática, habitual independentemente de quem fosse o adversário no próximo domingo, a comissão técnica pretende dedicar atenção especial ao fator mental.

A maior preocupação do momento é apagar da cabeça dos jogadores o registro da goleada por 5 a 0 aplicada nos peruanos no fechamento da fase de grupos, há 12 dias. A Seleção quer evitar qualquer sensação de que a final, no Maracanã, possa ser tranquila como sugere o placar do último encontro, na Arena Corinthians.

Para isso, Tite, Edu Gaspar e o restante da comissão vão bater na tecla de que o jogo contra o Peru era bastante difícil até a marcação do segundo gol, um vacilo incrível do goleiro Gallese, que acabou sendo um dos melhores em campo na vitória da última quarta sobre o Chile. Ele foi um dos responsáveis por colocar o Peru na final.

Os jogadores do Brasil também serão alertados sobre a diferença de expectativa sobre as duas seleções. Depois de um 5 a 0, dificilmente os peruanos farão algo pior, enquanto a responsabilidade, também por estar jogando em casa, cairá sobre a Seleção.

Além da questão mental, a comissão técnica repetiu a estratégia da semifinal e enviou três representantes a Porto Alegre para acompanhar a semifinal entre Peru e Chile. O auxiliar Cleber Xavier e os analistas Fernando Lázaro e Carlos Eduardo Bressane estiveram na Arena do Grêmio e viram de perto a surpreendente vitória do time de Guerrero, Cueva e companhia.

Os três viajam para o Rio de Janeiro na manhã desta quinta e começam o trabalho com o restante da delegação brasileira, que chegou à Granja Comary na noite de quarta. O primeiro treinamento no local está marcado para a tarde. Brasil e Peru disputarão o título da Copa América no próximo domingo, às 17h (de Brasília), no Maracanã.

As duas seleções já têm também um terceiro confronto marcado para 2019: disputarão um amistoso em Los Angeles no dia 10 de setembro. Globoesporte