EC Bahia

Os dias do volante Flávio têm sido de ansiedade. Não é para menos. Acostumado com a rotina de jogos, ele não disputa uma partida há mais de três meses. A última vez que esteve em campo foi no dia 14 de março, quando o Bahia venceu o América-RN, por 2×0, na Arena das Dunas, pela Copa do Nordeste. Depois disso, o calendário foi paralisado por conta da pandemia do novo coronavírus.

Apesar de torcer pela retomada dos campeonatos, Flávio sabe que a situação não é tão simples e pede cautela. Para ele, o momento ainda é de preservar vidas e o mais importante é garantir a segurança e saúde de todos.

“Eu sou bem consciente em relação ao retorno do futebol, quero muito que volte, isso é um desejo pessoal meu, e acredito que de todos os jogadores, mas antes desse desejo eu tenho a ciência de que tem que voltar em segurança. Se for para voltar em agosto com segurança, que volte. Mas se for sem segurança… acho que é importante privar pela saúde de todos. Que seja em agosto, setembro ou outubro, mas que seja com segurança”, disse.

Ainda não existe definição sobre quando as competições vão ser retomadas, mas a tendência é de que a primeira a ter bola rolando seja o Nordestão. Na semana passada os clubes aceitaram finalizar o torneio em sede única e uma proposta foi enviada para a CBF. Nos bastidores cogita-se que os jogos podem acontecer já no mês de julho. As cidades de Recife, Salvador e Fortaleza estão entre as cotadas para sediar a competição.

“Eu sou completamente a favor do retorno do futebol, mas acima disso eu coloco a segurança e saúde de todos. Se for para voltar apressando as coisas, passando por cima dos órgãos de saúde, não aceito, não vejo como uma segurança. Se for para voltar com a Copa do Nordeste no mês que vem, que esteja tudo amenizado, os casos diminuam e aí sim a gente se sinta seguro”, continuou o volante.

Durante o período sem atividades na Cidade Tricolor, Flávio e o restante do elenco do Bahia tiveram que manter a rotina de treinos em casa. O camisa 5 conta que o mais difícil foi não ter o contato diário com o clube e as resenhas como os companheiros.

“Eu mesmo sofri muito nesse período pois vejo o CT Evaristo (de Macedo) como a minha casa e de uma hora para a outra a gente teve que se privar desse ambiente. Acho que mais em virtude disso, ter que se adequar a treinar em casa, longe dos campos, que é o nosso ambiente, longe dos companheiros, foi muito difícil ficar longe dos companheiros nesse momento”, afirmou.

Monitoramento
Na manhã de segunda-feira (22), o elenco do Bahia voltou aos treinos na Cidade Tricolor. Antes das atividades, jogadores e membros da comissão técnica passaram por uma nova bateria de testes para a covid-19. Os exames foram feitos em uma estrutura montada no estacionamento do CT.

Logo depois os jogadores foram para o campo os trabalhos. Seguindo a orientação de distanciamento, eles fizeram um trabalho com bola, acompanhado de treino físico. Nesta última terça-feira (23), os jogadores voltaram aos treinos. Correio da Bahia