Crédito: Arquivo Correio

Denunciado pela troca de fotos íntimas dos alunos por gabarito de provas, um funcionário, que atuava como auxiliar administrativo, foi demitido do Colégio da Polícia Militar – João Florêncio Gomes, no bairro da Ribeira. As suspeitas são de que o profissional estivesse coagindo os estudantes desde o ano de 2022. Segundo a diretora pedagógica da escola, Ana Carine Morais, o homem atuava como assistente de coordenação e foi desligado da instituição no dia 10 de outubro, por conta das denúncias informais e os boatos que estavam circulando pelos corredores.

Ela informou ainda que a escola está apurando as circunstâncias apresentadas na denúncia e conversando com estudantes para chegar encontrar a verdade por trás da denúncia, não importando qual seja. Segundo a diretora, um documento para informar o desligamento do profissional será encaminhado para a Secretaria de Educação (SEC). Ambos os diretores, pedagógico e militar, estão cientes da denúncia e do processo de apuração.

“O Corpo de Aluno, que é a sessão que averigua essas questões disciplinares, também já se encarregou de estar junto aos alunos buscando apurar essas questões”, afirma a diretora pedagógica do CPM-Ribeira. “Não existe nenhum tipo de ingerência ou de falta de atenção ou prevaricação com uma situação dessa. Afinal de contas nós nunca estivemos envolvidos numa história. O que tiver que ser comprovado, vai ser”, garantiu.

Nesta sexta-feira (13), a Polícia Militar da Bahia (PM-BA) disse que afastou o profissional na segunda-feira (9), logo após ter tomado conhecimento da denúncia. A pasta informou também que uma apuração está em curso e é acompanhada pelos dois diretores da unidade escolar. A SEC-BA foi procurada pela reportagem para se posicionar sobre o assunto e confirmou o afastamento do servidor até a apuração dos fatos.