freepik

Uma alimentação saudável não faz só bem para o corpo, mas também para a saúde cerebral. Bons hábitos de vida, aliados a uma dieta rica em nutrientes essenciais, podem ajudar a manter o cérebro jovem e ativo ao longo dos anos.

Segundo a nutricionista Lara Natacci, pós-doutora em nutrição pela Universidade de São Paulo (USP) e diretora clínica da Dietnet, a saúde mental e a alimentação estão ligadas da mesma forma que o cérebro e o intestino, em uma relação bilateral.

“Quando temos uma alimentação mais rica em açúcar, em gorduras, em sódio, a gente tem mais inflamação no nosso corpo e podemos ter desbiose, que é um desbalanço nas bactérias intestinais, entrando mais toxinas e podendo causar reações ruins, inflamatórias no nosso intestino“, explica.

Gisele Haiek, nutricionista funcional especializada em emagrecimento feminino e saúde da mulher, lembra que um intestino “ruim” prejudica a produção de neurotransmissores, essenciais para o funcionamento do cérebro.

“Há uma conexão muito importante entre o cérebro e o intestino. Cuidar do ambiente intestinal, das bactérias e microrganismos que habitam por ali é muito importante”, ressalta Gisele Haiek.
Para isso, as nutricionistas dão orientações simples: ter uma alimentação rica em nutrientes, em substâncias anti-inflamatórias e substâncias antioxidantes para evitar o excesso de produção de radicais livres.

“Grande parte da serotonina, que traz a sensação de prazer e bem-estar, é produzida no intestino. Quando a alimentação não está boa, podemos prejudicar diversos neurotransmissores do cérebro, porque não teremos nutrientes suficientes. Precisamos de um intestino regulado, com as bactérias equilibradas. Quando não temos isso, o humor é prejudicado e a saúde mental também“, alerta Lara Natacci.

Peixes, oleaginosas e gorduras boas

Cerca de 60% do cérebro é feito de gordura. Parte dessa gordura é composta por ácidos graxos ômega-3, importante para a memória e melhoria do humor, além de proteger contra o declínio cognitivo.

“A gordura tem alta afinidade por toxinas (agrotóxicos, poluição, aditivos químicos, cosméticos). Não tem como não ter contato com esses itens, então o ideal é tentar ter uma alimentação o mais natural possível em 80% do tempo para que o sistema de limpeza do nosso corpo faça com que as toxinas não se acumulem no cérebro”, diz Gisele Haiek. Na lista dos alimentos “bons” para o cérebro estão os peixes gordurosos (como o salmão), oleaginosas, chocolate 70% ou mais, além de frutas e vegetais coloridos.

“A alimentação mais saudável vai prevenir doenças, trazer mais disposição, vai manter o metabolismo funcionando corretamente e vai manter a saúde do cérebro, melhorando a comunicação entre os neurônios, a capacidade cognitiva. E alimentação saudável não é proibitiva, você pode ter de tudo, mas precisa de alguns componentes no dia a dia, importantes para manter o organismo bem”, esclarece Lara Natacci.

Inimigos do cérebro?

alimento não é inimigo do nosso corpo, o problema está no nosso comportamento em relação a ele, lembram as nutricionistas. O ideal, então, é saber “equilibrar os pratinhos”. “Se você está bem de saúde, tem uma alimentação adequada e bebe uma taça de vinho, seu corpo vai responder bem e segue o jogo”, exemplifica Gisele Haiek.

Entretanto, alguns alimentos em excesso podem impactar negativamente a função cerebral, como o açúcar, os carboidratos refinados e os alimentos ricos em sal. Por isso, é importante ter atenção ao excesso de açúcar, gordura e de sódio. Outro ponto de atenção é o álcool, que também pode afetar a saúde neurológica. G1