planalto

E-mails obtidos pela CPI dos Atos Golpistas no Senado mostram que o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro chegou a preparar um discurso no qual o político admitiria a derrota nas urnas para Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Uma proposta de discurso foi enviada pelo então ministro Fábio Faria (Comunicações) ao então chanceler Carlos França, com cópia para o ajudante de ordens de Bolsonaro Daniel Lopes de Lucca. O texto não chegou a ser usado por Bolsonaro.

O material foi revelado nesta terça-feira (8) pelo jornal O Globo. A GloboNews também teve acesso ao e-mail. O e-mail tem data de 31 de outubro de 2022 – dia seguinte ao resultado do segundo turno. O discurso fazia críticas aos institutos de pesquisa e à imprensa, conteúdo recorrente nas falas de Bolsonaro naquele momento.

Apesar das críticas, no entanto, o discurso proposto por Fábio Faria reconhecia o resultado das eleições. “Eu sempre disse que o Brasil está acima de tudo e Deus acima de todos e que daria minha vida pelo Brasil. Por esse motivo, não contestarei o resultado das eleições”, dizia a minuta do discurso não utilizado.

Após a eleição, tendo sido derrotado na campanha, Bolsonaro passou 48 horas em silêncio público. Fez um pronunciamento rápido na terça seguinte, 1º de novembro, no qual não citou a derrota e nem o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva. Naquele dia, coube ao então ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, anunciar que o governo cumpriria a legislação e coordenaria o processo de transição de governo com a equipe de Lula e do vice eleito, Geraldo Alckmin.