O hacker da Vaza Jato Walter Delgatti está decidido a buscar uma delação premiada no âmbito das investigações que apuram ataque ao site do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Segundo o blog apurou, Delgatti quer detalhar aos investigadores da Polícia Federal (PF) serviços que diz ter prestado para a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP), em 2022, no período eleitoral, para, na versão de Delgatti a interlocutores, tentar fraudes urnas eletrônicas.

Como prova da relação de Delgatti com Zambelli, o hacker entregou extratos de pagamentos bancários que ligariam Zambelli a serviços prestados por ele. A deputada já negou qualquer relação de trabalho com Delgatti.

No esboço de delação de Delgatti, apurado pelo blog, o hacker quer detalhar como foi o conteúdo da conversa que teve com Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada e também a ligação que teria tido com o ex-presidente, intermediada por Zambelli.

A interlocutores, ele diz ter ouvido de Bolsonaro pedidos para acessar código-fonte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), além de acessar email de Alexandre de Moraes. E que, se algo ocorresse a Delgatti, ele daria indulto ao hacker.

Assessores de Bolsonaro também rechaçam qualquer relação do ex-presidente com Delgatti e reiteram que o contato de Delgatti com o ex-presidente foi pedido de Zambelli.

Na versão de Delgatti, ele teria participado de uma conversa comprometedora sobre uma eventual ruptura institucional com o ex-presidente. A defesa de Delgatti, procurada pelo blog, não quis comentar o conteúdo da apuração.

Entre investigadores da PF ouvidos pelo blog, Delgatti pode ajudar, sim, a esclarecer informações de investigações em andamento. Mas lembram sempre que delação premiada é caminho e precisa ser comprovada, com provas que corroborem relatos. G1